CRÍTICA – Scarface (1984, Brian De Palma)

Olá galerinha, tudo bem? Mais uma vez o Loucuras de Julia, em parceria com o Feededigno, irá falar de um clássico do cinema, que também é conhecido por ser muito violento… O famoso Scarface! E sim, todo mundo precisa assistir esse filme pelo menos uma vez na vida! rs

Sinopse: um criminoso cubano chamado Tony Montana (Al Pacino), que foi exilado de Cuba para Miami (EUA). Ao lado de alguns companheiros, Tony começa realizando pequenos trabalhos para um chefão do tráfico de drogas, Frank Lopez (Robert Loggia), e em pouco tempo sobe na organização criminosa. E consequentemente, suas ambições também vão crescendo.

Tony acaba se apaixonando por Elvira Hanckoc (Michelle Pfeiffer), esposa de seu chefe. Logo, ele mata Frank, após esse ter tentado matá-lo. Ele, então, chega ao topo do império da cocaína em Miami trabalhando ao lado de Alejandro Sosa (Paul Shenar) e ganha cada vez mais poder e dinheiro. Entretanto, começa a ter problemas devido ao vício em cocaína, problemas pessoais com sua irmã e com o imposto de renda que acabam o afetando indiretamente.

Resultado de imagem para tony montana elvira

Já deu para perceber que é um filme cercado de intrigas, reviravoltas… E violência, é claro. Esta não poderia faltar, sendo Scarface um Drama/Thriller que segue o estilo de outros títulos que tratam sobre máfia, como por exemplo, O Poderoso Chefão.

O que mais me chamou a atenção no filme foi a violência e o uso excessivo de drogas, tudo sem limites, o que fez com que o filme sofresse muitas críticas em seu lançamento. O desenvolvimento de Tony Montana e sua mudança de comportamento ao longo do filme também é um ponto alto. O que até hoje o marca como um dos tantos grandes papéis de Al Pacino.

E claro, não posso deixar de mostrar a cena mais icônica do filme:

Resultado de imagem para scarface

Mesmo com toda a violência e drogas, características típicas do mundo do crime, a direção de Brian De Palma e roteiro de Oliver Stone, foram cercados por críticas sobre o grau de violência apresentado em Scarface, mas a violência apresentada cresce fora da vida dos personagens; E o personagem de Al Pacino não é usado para emoções, mas para uma espécie de lição angustiante sobre autodestruição.

Scarface é um remake de um filme de 1932 chamado Scarface – A Vergonha de uma Nação e o mais curioso de tudo é que algumas cenas foram baseadas em histórias reais.

O personagem de Tony Montana foi inspirado em Al Capone – um dos maiores traficantes de todos os tempos. Suas semelhanças são notáveis: tanto Capone quanto Montana foram os principais chefes do crime em suas cidades, ambos criaram suas próprias regras sobre o tráfico e os dois tinham cicatrizes profundas em seus rostos, assim recebendo o apelido de Scarface.

Cicatriz de Al Scarface Capone

Há muitas curiosidades sobre o filme no site Estilo Gangster, acesse para saber mais (não contém spoilers).

A trilha sonora do filme, feita especialmente para ele, é um espetáculo a parte. As músicas foram escritas e produzidas por Giorgio Moroder em conjunto com outros músicos. Giorgio concorreu ao Globo de Ouro como Melhor Trilha Sonora, mas perdeu para o filme Flashdance: Em Ritmo de Embalo. Confira a trilha no Spotify

Bom, saca só este trailer e sinta um pouco do clima:

Galerinha, é isso! Super recomendo esse filme e o melhor de tudo: está disponível na Netflix! Caso já tenha assistido, comente o que achou. Vamos adorar saber a sua opinião!

Avaliação: Ótimo

Ótimo

Não deixe de nos seguir nas redes sociais e ficar por dentro de tudo que rola no mundo do cinema!

FacebookInstagramTwitterPinterest

Gostou do texto? Visite também o meu blog pessoal Loucuras da Julia!