CRÍTICA – Terra Selvagem (2017, Taylor Sheridan)

Terra Selvagem (Wind River, título original) é um filme baseado numa história real, dirigido e roteirizado pelo Taylor Sheridan, responsável pelos roteiros de Sicário: Terra de Ninguém e A Qualquer Custo. O elenco é composto principalmente por Jeremy Renner, Elizabeth Olsen, Jon Bernthal, Kelsey Asbille e Graham Greene.

Wind River é uma terra arrasada assim como as pessoas que lá vivem. Durante seu trabalho, Cory Lambert (Jeremy Renner), um caçador traumatizado por um passado cheio de sofrimento, encontra um corpo congelado de uma adolescente e decide investigar junto à agente do FBI Jane Banner (Elizabeth Olsen) para solucionar esse mistério.

Os personagens vão sendo desenvolvidos em torno da investigação, trazendo lembranças terríveis a tona que aumentam a complexidade e acrescentam mais camadas à história.


Elizabeth Olsen é extremamente humana e funciona como um porta-voz do público na história. A personagem dela não faz parte daquele lugar e daquelas pessoas, demorando mais para se conectar de forma emotiva com os acontecimentos, mas quando isso acontece, você em momento nenhum duvida de seus sentimentos.


Jeremy Renner de longe é o maior destaque. Ele traduz de forma exemplar o ditado de que uma imagem vale mais do que mil palavras através de suas expressões e reações frente às revelações que vão sendo feitas. O personagem não precisa falar muito para demonstrar o quanto a situação o afeta.


A cinematografia agrega muito valor a narrativa, exprimindo toda a melancolia e o sofrimento presente naquele lugar. Os planos mais abertos chamam muita atenção ao retratar bem o tom frio e duro daquela realidade. Junto a isso, os planos fechados são eficazes para mostrar as expressões abatidas dos personagens já acostumados àquela vida.

O filme também faz um uso inteligente do silêncio para reforçar o peso da história que está sendo contada. A trilha sonora lenta e depressiva é usada em momentos que os personagens e o espectador precisam absorver e refletir sobre as descobertas.

Em determinado momento, o filme decide acabar com o mistério contando tudo o que aconteceu de maneira bastante brusca. A conexão entre a investigação que estava sendo feita e a forma como o mistério é solucionado ficou extremamente frágil.

Terra Selvagem se ampara no bom uso de técnicas e na ótima atuação do elenco como um todo para trabalhar as emoções humanas, ainda mais se tratando de uma história real. Mas escorrega ao explorar muito pouco seu lado investigativo, levando em conta que a base do filme é o mistério.

Avaliação: Razoável

Confira abaixo o trailer do filme:

 

E você, já assistiu Terra Selvagem? o filme estreou em agosto desse ano, e pode ser uma opção para aqueles momentos sem opções de novos filmes no cinema ou na NetflixDeixe seu comentário e lembre-se de nos acompanhar nas redes sociais!

Facebook – Twitter – Instagram –  Pinterest

the author

Amante de cinema, séries e quase todo tipo de literatura. Nas horas vagas é publicitário, porque não passou em calculo quando cursava matemática.