Mulher Maravilha: 15 momentos em que o filme lembrou A Pequena Sereia

Não é incomum o fato de filmes seguirem um padrão. A jornada do herói é uma forma real e verdadeira de um personagem percorrer um certo caminho, e vem sendo assim desde O Rei Leão até Star Wars. Ocasionalmente, alguns momentos específicos das histórias ecoam de outros que já vieram antes. O exemplo de hoje é A Pequena Sereia da Disney vs Mulher Maravilha da Warner Bros. Você provavelmente já viu alguns memes trazendo comparações visuais dos dois filmes. Agora, obviamente, a maioria delas são apenas uma coincidência, mas elas são convincentemente suficiente para analisarmos novamente os dois filmes. Como resultado, percebemos na verdade o quão interessante é a quantidade de cenas que os dois tem em comum, e não apenas o fato dos dois serem ótimos filmes!

Essa lista é direcionada apenas às escolhas de direção de cena de Mulher Maravilha que traz uma incrível semelhança com A Pequena Sereia, deixando de lado pelo menos o fato das duas terem cabelos incrivelmente lindos em todas as situações.

A LISTA CONTÉM SPOILERS!

.

15. Procura e resgate

Steve Trevor (Chris Pine) pulou de cabeça na vida de Diana (Gal Gadot), a introduzindo ao mundo dos homens e ao seu futuro papel de super-heroína. De alguma forma, Steve foi capaz de voar com seu avião através da barreira mágica que mantém Themyscira escondida, e cair com seu avião na água. Parecia que tudo estava perdido até Diana o resgatar dos destroços do avião que estavam na água e leva-lo para a segurança nas praias de Themyscira. A cena é uma bela introdução à dinâmica do filme, e mostra certa admiração dos dois lados.

O acidente com o veículo do Príncipe Eric é diferente, mas a cena é quase a mesma. Ao invés do avião de guerra, Eric está em um navio que foi pego por enormes ondas em uma tempestade. Ariel viu todo o acontecimento, e assim como Diana, resgatou o seu príncipe e pôde vê-lo pela primeira vez.

.

14. Inconscientes na praia

Graças à um caso de amnésia, Príncipe Eric e Ariel tecnicamente se encontram pela primeira vez duas vezes, mas para a lista, vamos nos focar no verdadeiro primeiro encontro. Depois do resgate de Ariel, ela pôde ver o mundo humano de perto pela primeira vez. Ela já estava apaixonada por ele nesse ponto, mas é onde a sua conexão com ele realmente começa. Ariel canta para ele, e Eric nunca consegue tirar a música de sua cabeça, mesmo quando ela vai embora nadando.

Em Mulher Maravilha, acontece quase a mesma coisa, exceto pela música. Há um longo momento em que Diana só olha para Steve encantada, pois ele é o primeiro humano que ela vê após ouvir história sobre eles durante toda a sua vida. Da mesma forma, quando Steve acorda em uma espécie de torpor, Diana é banhada por uma luz quente, deixando Steve sem palavras. Não há necessidade de dizer que eles continuam fascinados um pelo outro ao longo do filme.

 

13. Fase rebelde

Como sabemos, Hipólita e Tritão tem muito em comum nas suas relações com as suas filhas. Os dois são incrivelmente protetores assim como em todas as relações pais-filhos e isso faz com que as relações fiquem tão tensas ao ponto de não aguentarem mais. Em A Pequena Sereia, isso aconteceu quando o Rei Tritão encontra os “tesouros dos humanos” de Ariel, com a sua nova aquisição, uma estátua do Príncipe Eric posicionada no meio da sala. O Rei Tritão sempre proibiu Ariel de interagir com humanos, mas pela primeira vez Ariel o desafia abertamente. Como resposta, Tritão destrói tudo de Ariel, grita com ela e faz tudo de errado, menos assinar o seu nome no contrato com Úrsula.

As coisas acontecem de forma mais calma com Hipólita, mas ela ainda proibi Diana de ir com Steve para encontrar Ares no centro da Grande Guerra. No fim, ela encontra Diana enquanto foge no meio da noite e a permite ir, mas existe a sensação de que nem tudo está bem entre as duas.

 

12. Parte do panteão

Indiscutivelmente uma das melhores cenas de Mulher Maravilha foi a troca entre Steve e Diana em seu bote, no caminho para Londres. As reações entre quem assiste o filme naquele momento são inúmeras, desde encantamento até mesmo risadas. Principalmente no momento em que Diana conta sua história de origem: Ela havia sido feita de barro por sua mãe e recebeu um sopro de vida de Zeus. O que acabou por não ser verdade, sendo na verdade filha legítima de Zeus, o que é totalmente diferente.

Os fãs podem não saber, mas Ariel também descende dos Deuses Gregos. Tritão é do panteão grego, e filho de Poseidon, que trabalhou como arauto de seu pai e por vezes, como mensageiro. Sem dúvida, em A Pequena Sereia, Tritão não parece mandar mensagem, mas definitivamente poderia herdar o icônico tridente de Poseidon depois do mesmo cair, ou possivelmente morrer. Tritão também vive em um palácio de ouro no fundo do mar, assim como as histórias de sua contraparte mitológica.

 

11. Um certo mau gosto

A maior parte do humor de A Pequena Sereia vem da brilhante escolha de fazer com que Ariel não entenda muito do mundo dos humanos, e a construção de piadas que partem dessa premissa. Uma dessas acontecem quando Ariel encontra Eric pela segunda vez e precisa improvisar um vestido de uma vela rasgada e uma corda que ela encontrou na praia. Eventualmente, Ariel é convencida a usar um vestido de verdade quando ela vai encontrar com Eric em seu palácio.

Quando essa mesma sequência acontece em Mulher Maravilha, Diana dá um show. Inicialmente ela não tem planos de tirar sua armadura de amazona, mas Steve a convence a ir até uma loja de vestidos para chamar menos atenção. Lá Diana aprende como são imobilizantes e inconvenientes as vestimentas femininas, mas encontra uma forma confortável de se vestir.

 

10. Passeio de barco romântico

Para aqueles que não assistem A Pequena Sereia há algum tempo, esse passeio acontece exatamente com a intenção de que os dois personagens se beijem. Enquanto um Eric curioso tenta decifrar aquela menina misteriosa a fauna canta ao redor deles. Nesse momento, uma paixão fica mais aparente entre os dois. Mas quando Eric descobre o real nome de Ariel (pois ela não consegue falar), eles são capazes de construir uma conexão emocional que parece de fato genuína.

Uma viagem de barco similar consegue algo parecido entre Diana e Steve. Todas as suas interações anteriores as conversas no barco são basicamente sobre conhecer mais sobre a cultura do outro e tentar ganhar aliados – diplomacia acima de tudo. Mas na viagem de barco, Diana e Steve conhecem mais sobre um ao outro, criando uma base para um romance épico.

 

9. Tutela dos filhos

A Disney possui uma reputação por ter personagens com mãe mortas, e Ariel não é diferente. Ela vive com o seu pai, o Rei Tritão, depois da morte da sua mãe acontecer sob circunstâncias não reveladas. O que parece dar a Ariel o sentimento de estabilidade que sentimos no começo da história, antes de sua insatisfação ser revelada ao público. É o sentimento de estabilidade que Mulher Maravilha decide “copiar”.

O lar de Diana é uma monarquia absoluta, como com Ariel, mas com outro parente. A Rainha Hipólita é a única mãe de Themyscira, e isso a faz ser ainda mais protetora em relação a Diana do que o Rei Tritão revelou ser. A Rainha Hipólita e as outras amazonas podem ser imortais, ou pelo menos ter uma maior longevidade pois elas quase não envelheceram vivendo por séculos em Themyscira. A falta de mudanças dá a estabilidade, mas Diana anseia por mais.

 

8. A companhia feminina

Diana foi escondida do mundo por séculos em uma ilha povoada por mulheres guerreiras que não envelhecem, e Ariel também parece ser assim. Algo que os fãs podem não lembrar, é que Ariel possui seis irmãs, apesar de não serem personagens tão marcantes. Elas aparecem apenas durante uma sequência musical do filme, onde elas cantam sobre o amor delas pelo seu pai Tritão.

O que vale a pena ser lembrado também é que o Rei Tritão é extremamente super protetor apenas com Ariel, e o público nunca a vê interagindo com pessoas fora de sua família, a não ser Úrsula. É provável que Tritão tenha limitado a interação de Ariel com pessoas que não são da realeza, o que torna a fascinação dela por Eric ainda mais intensa. Mulher Maravilha segue por um caminho parecido. Cavaleiros são impossíveis de existir na Ilha, então Diana foi mantida completamente distante de homens, deuses ou não, onde Hipólita não a precisasse proteger.

 

7. Modelos fortes a serem seguidos

No mundo que estava sendo dominado por protagonistas masculinos, super poderosos ou não, é bom reconhecer quando o estúdio acerta com suas personagens femininas. A Pequena Sereia certamente não foi a primeira protagonista feminina da Disney, mas ela foi a mais forte. Ariel tinha metas definidas, motivações e desejos que foram além de encontrar uma coisa em um lugar, ou ser entregue por seu pai a um marido. Ariel possui frases memoráveis que qualquer fã do filme poderia ligar a ela.

Você pode encontrar o mesmo em Mulher Maravilha. Diana possui desejos e motivações bem delineados assim como qualquer personagem forte – seja ele masculino ou feminino – o que a torna única entre seus amigos no universo cinematográfico da DC e francamente, todos do gênero. Ela é intensa, mas não é do tipo manipulador, como as personagens femininas antes dela. Na verdade, a sua sinceridade, como a de Ariel é uma das coisas que a cativam.

 

6. Salvou o estúdio

Sejamos completamente honestos, O DCEU precisava de salvação. Batman v Superman e Esquadrão Suicida foram bem financeiramente – nenhum dos dois bateu recordes de arrecadação – mas eles foram massacrados pela crítica e pelos fãs. Os dois filmes tiveram momentos bons e ruins, mas o seu sucesso financeiro é mais provável por causa dos fãs do que qualquer outra coisa. Foi o primeiro filme live action que teve o encontro entre Batman e Superman, pela primeira vez os fãs viram o Esquadrão Suicidas juntos na telona. Um grande estúdio adaptando personagens conhecidos não é garantia de sucesso, e se as críticas negativas tivessem sido mais intensas, teriam destruído a chance da Liga da Justiça realmente acontecer.

Por sorte, Mulher Maravilha mudou tudo isso, grande parte devido as medidas tomadas pela Warner Bros. O longa foi amado pela crítica e pelos fãs, com uma nota de 92% no Rotten Tomatoes e está chegando à arrecadação de U$ 550 Milhões ao redor do mundo. Aparentemente, A Pequena Sereia nasceu de uma medida desesperada do estúdio de se salvar, depois que O Caldeirão Mágico recebeu péssimas críticas e recuperar apenas metade do seu orçamento. O lançamento da odisseia de Ariel salvou o estúdio e foi o começo do renascimento da Disney.

 

5. Fascinação por humanos

O que faz Diana se destacar entre outros super heróis, é a sua genuína fascinação por humanos. O que a afasta do Superman, que vive entre eles escondido; ou do Batman, que o heroísmo nasceu da desilusão com humanos. Na verdade, Diana consegue vê-los inteiramente, pois ela foi separada deles por quase toda a sua vida. Por causa disso, a sua maior realização no filme é aprender a amar os humanos mesmo quando eles falham com ela.

Isso foi retirado da cartilha A Pequena Sereia. A fascinação de Ariel com os humanos é a sua motivação primária, que inicia o enredo do filme. Antes mesmo dela conhecer o Príncipe Eric, ela comete pequenos atos de rebeldia para aprender sobre o mundo que a fascina, coletando objetos de naufrágios e tentando entender os seus propósitos. Então, depois de se apaixonar pelo Príncipe Eric, ela precisa aprender a perdoá-lo por quase casar com uma Úrsula disfarçada.

 

4. Sacrifício da família

Mesmo quando as famílias brigam, eles fazem absolutamente qualquer coisa pelo outro. Estou falando agora do Rei Tritão, que sofre uma relativa mudança ao perdoar a rebeldia de Ariel e tomar o seu lugar no contrato com Úrsula. No começo do filme, Ariel consegue pernas em troca de sua voz. Entretanto, quando ela se torna incapaz de convencer o Príncipe Eric de beijá-la dentro de três dias, Ariel foi transformada de volta em uma sereia e seria forçada a se tornar uma das criaturas horrendas que Úrsula prende em sua caverna. O Rei Tritão se oferece para ser transformado, tomando o lugar de sua filha, dando a Úrsula as chaves de seu reino, que eram a sua meta desde o princípio.

Um incidente similar acontece em Mulher Maravilha, de forma bem rápida. A tia de Diana, a General Antíope destruiu sozinha grande parte das forças do Kaiser que invadiu Themyscira, mas não foi suficiente. Quando ela viu que a sua amada sobrinha levaria um tiro de soldados alemães, Antíope se pôs entre Diana e o projétil, para protegê-la.

 

3. Vilão manipulador

O vilão de Mulher Maravilha – se existe realmente um – é provavelmente Ares, o Deus da guerra. Diana parte em uma missão pessoal para encontrar Ares onde a luta é mais intensa, e matá-lo com a sua espada Matadora de Deuses. Consequentemente, Diana e o público são levados a acreditar que Ares é o General Ludendorff (Danny Huston), se escondendo em plena vista, além do seu envolvimento com a Doutora Veneno (Elena Anaya). Entretanto, Ares se revela como um aparente aliado, Sir Patrick Morgan (David Thewlis), o único membro do parlamento que deu suporte à equipe em sua missão.

Como resultado Ares se torna um manipulador real, sem começar guerras com violência ou agressão, mas usando de manipulação e mostrando seu desprezo pela humanidade em geral. Úrsula é uma vilã do mesmo tipo. Ela também manipula Ariel – até que ela faça uma barganha – até a falha, e então usando a filha favorita do Rei Tritão como fraqueza para tomar a coroa para si. Ela e Ares estão sempre cinco passos a frente de seus oponentes.

 

2. Interesses – heroicos – amorosos

Para ser completamente honesto, o Príncipe Eric não é um dos príncipes da Disney mais lembrado por uma razão. Ele é um cara bem chato por quase todo o filme. Entretanto, ele realmente mostra o seu valor, arriscando a sua vida em uma luta contra Úrsula. Conseguindo até mesmo sair da hipnose e vendo a sua namorada se transformar em um peixe, Eric tem suas prioridades. Ele mergulha com seu arpão em mãos para atacar Úrsula e até mesmo acerta o golpe final em Úrsula com a proa do seu navio.

Steve é o mesmo. Ele nunca para de tentar salvar o dia, e se vê como a única pessoa possível para pilotar o avião com o intuito de dispersar o gás da Doutora Veneno, que tinha como alvo as tropas da oposição. Mesmo Steve sabendo que isso o impossibilitará de ver Diana novamente, ele assume a sua parte no plano de luta. A única diferença entre os dois, é que Eric sobrevive.

 

1. Lições aprendidas

No centro dos dois filmes, há um aspecto que esses personagens compartilham, mas que os separam de seus pares: a curiosidade. O desejo genuíno de saber mais sobre as coisas que são diferentes de você é visto quando Ariel coleciona artefatos de um mundo que ela só houve histórias. Esse desejo é mostrado quando Diana tira um tempo – que ela não tem – para entender as banalidades da vida humana, assim como as suas tragédias.

As duas, Ariel e Diana transformam a curiosidade em empatia com as pessoas que são tão diferentes delas. Mulher Maravilha usa isso como a oportunidade de Diana se apaixonar pela humanidade, mesmo quando eles a enganam, ela ainda confia neles. Ela percebe que a humanidade ainda vale a pena ser salva. A Pequena Sereia por outro lado, segue por um final mais confiável. O desejo de Ariel se apaixonar pelo seu príncipe humano pode parecer como um pequeno desejo, mas não menos importante.

E você, conte-nos o que achou de Mulher Maravilha. Deixe seu comentário e não se esqueça de nos acompanhar nas principais redes sociais:

Facebook – Twitter – Instagram – Pinterest

the author

Natural do Rio de Janeiro, agora, um candango do cerrado.
23 anos, de muita nerdice. Cinéfilo, viciado em séries e livros.