CRÍTICA – My Hero Academia (6ª temporada, 2023, Crunchyroll)

    A saga dos heróis chegou em seu ponto mais alto com o lançamento da sexta temporada de Boku No Hero, conhecido no lado ocidental como My Hero Academia. Sendo uma adaptação do mangá escrito por Kōhei Horikoshi e publicado na Weekly Shõnen Jump desde julho de 2014 e até o momento conta com 37 volumes.

    A adaptação em anime começou a sua exibição em abril de 2016 e, com sua temporada recente, possui 138 episódios e 3 OVAs. Desta forma, a sexta temporada produzida pelo estúdio Bones Inc. teve o seu anúncio durante a Crunchyroll Expo 2022.

    O sexto ano possui 25 episódios que estão disponíveis, em língua original e portuguesa, no serviço de streaming Crunchyroll. O ínicio de seu lançamento ocorreu entre outubro de 2022 e março de 2023 e seu último episódio dublado foi disponibilizado recentemente.

    O novo ano do anime adapta os arcos Guerra de Libertação Paranormal (capítulos 253 a 306) e a fase Dark Hero que prepara os rumos da história para o seu encerramento.

    Nesta temporada foram compostas duas aberturas e encerramentos distintas sendo Hitamukida banda Super Beaver nos primeiros episódios encerrando com Sketchde Kiro Akiyama. Nos episódios finais a opening fica por conta da música Bokura No da cantora Eve e o novo encerramento é Kita Kazeda Six Lounge.

    SINOPSE

    Deku continua seus estudos na empresa do herói número 1, Endeavor, ao lado de Bakugo e Todoroki. Com esforço e determinação, ele cresce como herói e passa a usar o Chicote Preto, uma nova individualidade escondida no One for All.

    Enquanto isso, Tomura Shigaraki e a Liga de Vilões continuam a enfrentar o Exército da Liberação Metahumans liderada por Re-Destro. Ao ser encurralado pelo oponente, Tomura recupera lembranças de sua terrível infância e desperta, conquistando o Exército, expandindo sua influência e com sede de destruição.

    ANÁLISE

    O sexto ano de My Hero Academia continua excepcional, mantendo a qualidade de sua animação e adaptando momentos impressionantes do seu material original. Entretanto, não apenas se prende a adaptar como também tornar mais significativa a narrativa acrescentando alguns detalhes.

    Eu acredito que este seja o arco mais importante, não apenas por ser o momento mais delicado que UA e os heróis passam. Mas pela sequência de perdas que têm perante a sociedade e a constante desconstrução do heroísmo que se estabeleceu com a existência do All Might.

    Nesta fase do anime a credibilidade dos heróis se torna questionável; principalmente pelas ações de Hawks durante o ataque dos heróis a frente de libertação recém-absorvida pela Liga dos Vilões.

    Além do herói número 2, o líder desta nova geração Endeavor tem sua moral derrubada com a revelação pública do seu passado. Alias, é o personagem que mostra mais desenvolvimento e evolução ao longo da temporada, tanto pela sua relação familiar em reparação quanto a compreensão da responsabilidade em seus ombros.

    Um elemento a se elogiar nesta temporada, assim como em anteriores, relaciona-se a qualidade de roteiro em tornar todos os personagens relevantes. Desta forma o protagonista se torna mais atrativo, pois enfatiza a proposta de toda a sua jornada de um menino comum em um mundo com pessoas excepcionais.

    Está tudo bem, mas eu não estou mais aqui

    Outra jornada narrativa a destacar é do All Might que, sem poderes, ainda tenta ser um guia para Deku que passa por dias difíceis após a grande batalha. Nesta fase que os fãs chamam de Dark Midoryia, ver o lado vigilante do aprendiz de herói é interessante e um momento de grande amadurecimento do protagonista.

    Assim como toda a sua narrativa remete em diversos momentos, ou referencia, ao heroísmo que se tem nos quadrinhos, nesta temporada não foi diferente. Quando vemos o lado Cavaleiro das Trevas de Midoryia ou o uma analogia ao “falso deus” de Batman vs Superman relacionado ao All Might.

    Tratando-se de um shonen, as lutas sempre ficam em evidência e temos excelentes momentos, seja da parte de Midoriya quanto seus amigos, professores ou colegas heróis. Sendo importante enfatizar o excelente trabalho da Bones, não apenas neste quesito como em todos os aspectos técnicos de animação.

    Ainda é interessante destacar a construção narrativa das grandes forças estabelecidas na história, One for All e All for One, onde conhecemos de forma mais ampla sobre a relação que estas individualidades têm com seus portadores.

    O encerramento já deixa claro que teremos mais uma grande luta pela frente e provações aos heróis. Sendo desta forma a garantia de mais grandes momentos na sua próxima temporada.

    VEREDITO

    My Hero Academia é um dos melhores animes que estão em andamento na atualidade e, neste sexto ano, mantém a sua qualidade impecável e fidelidade ao seu material fonte. Tornando-se um anime com o potencial de se tornar um dos grandes clássicos a serem falados no futuro.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer oficial:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA: A temporada final de ‘Sweet Tooth’ é tão especial quanto a jornada de seu protagonista

    A série Sweet Tooth chegou ao fim. Mudando ligeiramente final, acompanhamos os últimos capítulos da jornada do Bico Doce e do Grandão.

    CRÍTICA: ‘The 8 Show’ é impactante e reflexivo

    'The 8 Show' é uma série original Netflix. A série adapta os webtoons Money Game e Pie Game de Bae Jin Soo.

    CRÍTICA: ‘Sugar’ é suspense noir de mais alto nível

    Sugar é a mais nova série do Apple TV+. Estrelada por Colin Farrell e grande elenco, acompanhamos a jornada do investigador John Sugar.

    Doctor Who: Conheça algumas curiosidades sobre a série

    A nova temporada de Doctor Who chegou com o melhor da série: muito humor, grandes vilões, incríveis batalhas e muitas voltas no tempo.