Início FILMES Crítica CRÍTICA – 007: Sem Tempo Para Morrer (2021, Cary Joji Fukunaga)

CRÍTICA – 007: Sem Tempo Para Morrer (2021, Cary Joji Fukunaga)

007 Sem Tempo para Morrer

007: Sem tempo Para Morrer é o quinto e último filme de Daniel Craig como o icônico espião britânico e o 25º da franquia 007. Diferente do que havia sido visto em tela desde o lançamento do personagem, acompanhamos a história de Bond desde o momento em que ele ganha sua licença para matar, se tornando oficialmente o 007.

Desde Cassino Royale, James Bond foi fortemente criticado por se afastar imensamente do que havia sido mostrado anteriormente com Roger Moore, Sean Connery e até mesmo Pierce Brosnan. Até então, James Bond estava sempre preparado para mais diversas intempéries, mas quando Craig passou a dar vida ao personagem, ele era falho, por vezes despreparado, mas no fim, obtinha êxito em realizar suas missões.

SINOPSE

James Bond deixa o MI6 e se muda para a Jamaica, mas um antigo amigo aparece e pede sua ajuda para encontrar um cientista desaparecido. Bond mergulha no caso e percebe que a busca é, na verdade, uma corrida para salvar o mundo.

ANÁLISE

007 Sem Tempo para Morrer

Sem Tempo Para Morrer mostra uma das facetas mais humanas do personagem até então, visto por muitos como um símbolo de grandeza de um passado que há muito deixou de existir. Esse que vos escreve ousa dizer que o último filme de Craig como o agente britânico mais famoso do mundo é o melhor da franquia.

Com uma premissa dinâmica, o início de tirar o fôlego dá o tom do filme. 007: Sem Tempo para Morrer conta com uma trama sucinta que fecha todo o arco de James Bond com a Spectre, organização revelada no filme de 2015 – que secretamente orquestrava todos os acontecimentos que mudavam o mundo das sombras, a fim de garantir que seus interesses fossem cumpridos.

Chega a ser trágico o fato do filme que nos mostra as mais diversas facetas de James Bond, ser o último de Craig como o personagem. Craig foi o ator a ficar por mais tempo atuando como o 007, mas não foi o que fez mais filmes do personagem.

Com uma história original, 007: Sem Tempo para Morrer é o que mais faz referências da jornada de um personagem desde sua estreia até aqui, e mostra como as repercussões de seus atos atuam como a força motriz para dar início à trama.

As atuações de Léa Seydoux, Craig, Ralph Fiennes, Jeffrey Wright, Lashana Lynch e os outros personagens secundários dão à trama uma maior profundidade, mostrando que Bond nunca esteve sozinho ao longo de sua jornada.

Com elementos que funcionam apenas nessa história – dada a carga emocional que Bond acumulou até aqui – vemos que o crescimento do personagem se fez não só por meios narrativos, mas também visuais. Provando o amadurecimento de um personagem que, em sua estreia lá em 2005, fazia todas as escolhas erradas possíveis, mas pelo benefício do roteiro conseguia obter êxito em sua empreitada contra terroristas e vilões menores.

A direção de Cary Joji Fukunaga nos leva por lugares até então inéditos na história de Bond e mostra carinhosamente o caminho que o personagem trilhou até aqui, reforçando a todo tempo suas limitações e fazendo uso de incríveis plano sequência a fim de realçar as sequências de ação e o talento de Craig.

A surpreendente e cativante aparição de Ana de Armas garante à atriz uma futura aparição em um vindouro filme do espião, que trará um 007 completamente novo. Mas que preciso contar a vocês: Já foi apresentado em Sem Tempo Para Morrer.

VEREDITO

Com uma relação afetiva por 007 desde muitos anos atrás, tudo que Craig fez com o personagem desde o “reboot” de 2005, foi uma das mais brilhantes revitalizações de antigos personagens já feitas.

O que antes era apenas um blockbuster, 007: Sem Tempo Para Morrer desponta como um dos filmes mais relevantes da atualidade, não apenas por seu roteiro, como também por sua montagem, fotografia e direção – me fazendo acreditar que o filme ainda vá repercutir no futuro, possivelmente no Oscar ou no Globo de Ouro do ano que vem.

Ao levar o personagem por uma emotiva viagem ao passado e ao futuro, tanto Craig quanto Cary Joji Fukunaga nos deixam sem ar, e com os olhos cheios d’água com o adeus do melhor 007.

Nossa nota

5,0 / 5,0

007: Sem Tempo Para Morrer estreou no dia 30 de Setembro e está disponível nos cinemas de todo o Brasil.

Confira o trailer do filme:

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTube. Clique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorNintendo Switch: Os jogos mais esperados do último trimestre de 2021
Próximo artigoCRÍTICA – Dodgeball Academia (2021, Pocket Trap)
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!