Início FILMES Crítica CRÍTICA – A Assistente (2020, Kitty Green)

CRÍTICA – A Assistente (2020, Kitty Green)

A Assistente

A Assistente é um filme dirigido por Kitty Green e está disponível para assistir no catálogo da Amazon Prime Video.

SINOPSE

Jane (Julia Garner) é uma secretária de uma grande empresa no ramo de entretenimento e sonha em ser uma cineasta. Sua rotina monótona tem nos bastidores um chefe abusivo que torna sua vida um inferno. Será que o sonho de se tornar diretora é maior que sua saúde mental?

ANÁLISE

A Assistente é o tipo de filme que não é para qualquer pessoa, pois tem um ritmo mais vagaroso, com diálogos curtos e longos silêncios. 

A premissa é bastante importante, visto que estava bem no auge do movimento #MeToo e tem uma ideia bastante próxima aos acontecimentos da vida real envolvendo o produtor Harvey Weinstein.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Harvey Weinstein é condenado a 23 anos de prisão

O longa mostra uma figura quase onipresente como o chefe da empresa. Sua voz é ouvida aos berros a todo o momento, pois aparece apenas para dar esporros em seus funcionários. A veracidade de um ambiente corporativo é incrível aqui, uma vez que há pessoas com a cara fechada o tempo inteiro e sendo ríspidas a todo o momento. Ninguém é feliz em seu trabalho e deixam isso muito claro, visto que em diversas cenas os personagens estão exaustos.

Há, também, a subjetividade do assédio sexual, pois uma personagem entra na firma só por ser bonita, além de ter diversos exemplos da infidelidade do dono da empresa para com sua esposa, por exemplo.

Sobre as atuações, Julie Garner (Ozark) entrega uma excelente atuação, visto que consegue dizer muito sem precisar falar uma palavra sequer. Sua protagonista é introspectiva e “engole muitos sapos” para poder realizar seu sonho. Entretanto, não tem “sangue de barata”, uma vez que quando precisa, se impõe, mesmo que de forma bastante sutil.

PROBLEMAS DE A ASSISTENTE

Se por um lado os diálogos curtos são interessantes para mostrar o clima da narrativa, por outro, deixa A Assistente completamente sem fluidez, pois a todo momento temos cortes que nos deixam confusos. Além disso, a diretora usa diversas elipses, passagens curtas de tempo, quebrando muito o ritmo e irritando quem está assistindo, por exemplo. 

As técnicas de filmagem são bastante confusas, uma vez que há muito enfoque em objetos soltos nas cenas.

VEREDITO

A Assistente é um longa que discute problemas graves como assédio moral e sexual, além de mostrar como o poder e o machismo estão ligados. Por mais que a direção seja irregular, a trama e atuações são destaques, tornando o filme interessante em diversos aspectos.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Confira o trailer legendado de A Assistente:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.