CRÍTICA – A Cor que Caiu do Espaço (2019, Richard Stanley)

    A Oeste de Arkham, as colinas se erguem virgens, e há vales profundos em que o machado jamais penetrou. Existem ravinas estreitas e escuras, onde as árvores assumem posturas fantásticas e correm pequenos regatos que jamais refletiram a luz do sol.” – A Cor que Caiu do Espaço, 1927

    Uma das maiores dificuldades em adaptar as obras de H.P. Lovecraft para o cinema, é ter que dar forma ao que é descrito como inominável, e inimaginável por meras mentes humanas. A Cor que Caiu do Espaço se mostra catártico, gore e nos envolve com ambientes que tangem desde a nossa mente, e até mesmo tudo que nos rodeia.

    Os contos escritos por H.P. Lovecraft têm o dom de permear a mente de seus leitores por muito tempo, tornando instantaneamente fã qualquer um que leia um dos contos do escritor americano. A Cor que Caiu do Espaço foi escrito em Março de 1927 e ganhou mais uma adaptação para as telonas em 2020 – tendo sido adaptado anteriormente em 1965, 1987, 2008 e 2010.

    A Cor que caiu do Céu

    O filme nos apresenta rapidamente o fictício condado de Arkham, assim como a família Gardener, cuja fazenda nos limites da cidade tenta prosperar após uma tragédia repentina atingir a família. Sem sermos profundamente introduzidos à história, a rápida ambientação nos leva até os personagens centrais que nos guiarão pela história.

    Ao sermos apresentados aos comuns elementos de filmes de terror, o diretor Richard Stanley parece ter a intenção de subverter completamente o que normalmente se é esperado, e seu filme se distancia do gênero, se aproximando imensamente do gênero suspense/sci-fi.

    A recente prosperidade e positivismo de alguns dos personagens parecem se encerrar no momento em que um meteorito junto de uma luz multicor caem do céu, mudando a vida daqueles que habitam a fazenda e seus limites para sempre.

    A atual moda Lovecraftiana dá espaço e torna tudo visualmente aceitável não apenas do ponto de vista daqueles familiarizados com os Cthulhu Mythos, mas também daqueles mais distantes do conteúdo produzido por Lovecraft.

    A Cor que caiu do Céu

    O filme brilha em seu elenco, e nos apresenta uma das atuações mais convincentes, brilhantes e catárticas de Nicolas Cage, e traz novamente para o set de um filme de suspense. O jovem Julian Hilliard – que deu vida ao jovem Luke na série A Maldição da Residência Hill da Netflix – nos apresenta um dos atores mais promissores para a próxima década.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | A Maldição da Residência Hill: Terror para ninguém colocar defeito (ou não)

    Joely Richardson, é um espetáculo à parte ao nos apresentar uma mãe dividida entre o luto de uma doença avassaladora que a atinge, e também a responsabilidade de juntar os cacos de uma família que parece se separar aos poucos.

    A Cor que caiu do Céu

    A jovem Lavínia, vivida por Madeleine Arthur, nos apresenta uma das personagens que nos mais causam a imersão na história, ao nos dar o ponto de vista daqueles afetados por um meteorito que parece mudar o que todos compreendem como realidade, espaço e até mesmo o tempo.

    O filme brilha ao se utilizar de efeitos práticos que nos deleitam com o gore que são possíveis de existir apenas na história de H.P. Lovecraft como monstros compostos por massas de carne decompostas, ou complexas queimaduras por radiação. A brilhante direção de Richard Stanley parece dar espaço para os mais diversos cacos, e parece surpreender até mesmo os atores quando defronte às ameaças que seus personagens encaram. 

    A Cor que caiu do Céu

    Nicolas Cage parece ter ganhado enfim o espaço necessário no filme para extrapolar e mostrar uma das suas atuações mais intensas, variando entre expressões e humores como quem pisca os olhos, e essa é uma das suas atuações mais viscerais, quando tocado pelo poder da luz que cai em sua fazenda. A beleza do filme vem do seu roteiro bem amarrado, cuidadoso e bem construído, assim como das cenas de lilases, violetas e púrpuras que nos deixam hipnotizados, assim como abismados.

    Richard Stanley nos faz sentir tão imersos ao mundo dos Cthulhu Mythos, quanto curiosos diante do que está por vir, já que o filme será o primeiro de uma trilogia baseada no mundo e deidades criadas pelo escritor americano nascido no século XVIII.

    Nossa nota

    4,0 / 5,0

    Confira o trailer do filme:



    E ai, você curte o nosso trabalho? Se sim, sabe que ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    TBT #284 | “Festival Sangrento” tenta emplacar horror, mas falha

    Festival Sangrento é uma curiosa crítica que acaba por abraçar o que ela parece criticar com tanto afinco. O filme falha como um horror, mas pode divertir.

    O que é o Festival de Cannes? Saiba mais sobre o evento anual de cinema e confira 4 recomendações de filmes

    Criado em 1946, o Festival de Cannes é um dos eventos de cinema mais prestigiados do mundo e acontece na cidade de Cannes, na França.

    TBT #283 | ‘Par Perfeito’ surpreende por diversão e espionagem

    Par Perfeito é uma ótima comédia. Lançado em 2010, somos lançados na história do casal Jen e Spencer, cujas vidas mudam em 24 horas.

    CRÍTICA: ‘Furiosa – Uma Saga Mad Max’ é lindo e cromado como todos os filmes da franquia

    Furiosa é o mais novo capítulo da saga Mad Max. Agora, mergulhamos no passado da icônica personagem de Estrada da Fúria.