Início FILMES Crítica CRÍTICA – Agente Duplo (2020, Maite Alberdi)

CRÍTICA – Agente Duplo (2020, Maite Alberdi)

Dirigido por Maite Alberdi, Agente Duplo é o indicado chileno ao Oscar 2021 na categoria de Melhor Documentário

O documentário chileno Agente Duplo (The Mole Agent), El Agente Topo em seu idioma original, é um dos destaques da América Latina no Oscar 2021. Dirigida e roteirizada por Maite Alberdi, a produção concorre na categoria Melhor Documentário, e pode ser assistida no Globoplay.

SINOPSE

Um investigador particular no Chile contrata uma pessoa para trabalhar como espiã em um asilo onde há a suspeita de abusos contra os idosos.

ANÁLISE

Agente Duplo conta a história da investigação realizada pelo detetive particular Romulo Aitken a serviço de uma cliente que permanece anônima durante todo o documentário. O profissional buscava um perfil bem específico para poder coletar as informações necessárias em um asilo no Chile: homem com idade entre 80 e 90 anos que soubesse lidar com tecnologia.

Em seus primeiros minutos, o documentário relata a seleção dos candidatos à vaga para esse trabalho (cuja descrição completa só é dada na entrevista presencial), e a escolha por Sergio Chamy, o protagonista.

Também somos apresentados à pouca familiaridade de Sergio com o uso do celular e de outros recursos tecnológicos. A produção é objetiva ao exibir o treinamento dado ao Agente Duplo, para que então se inicie a investigação no lar de idosos.

A missão: viver no asilo por três meses vigiando a rotina de uma senhora, mãe da cliente do investigador, para saber se ela era vítima de maus tratos ou não.

Nesse período, Sergio deveria registrar em fotos, vídeos e áudios tudo o que estivesse relacionado à conduta dos profissionais do asilo e o que fosse possível de suas interações com a senhora em questão. Seus relatos a Romulo deveriam ocorrer diariamente via WhatsApp.

Agente Duplo e uma história dupla

Após a chegada de Sergio ao asilo a história começa a relatar a investigação em si. No entanto, pouco a pouco a rotina de registros e repasses das informações vai dando espaço às relações humanas. E isso é proposital.

Sergio rapidamente conquista a amizade e a confiança das senhoras. Isso o permite conduzir conversas que explicitam a solidão de muitas pessoas ali hospedadas, além de casos de idosas cujo esquecimento vai se agravando cada vez mais.

Dirigido por Maite Alberdi, Agente Duplo é o indicado chileno ao Oscar 2021 na categoria de Melhor Documentário

A curiosa investigação tema do documentário naturalmente coloca a audiência frente a frente com problemas sociais que a maioria das pessoas escolhe não querer encarar. Ao percebermos a real intenção da diretora, fica claro que Agente Duplo é um documentário agridoce e com uma dupla história.

A trilha sonora também é marcante. O documentário mescla trilhas com características típicas da espionagem e sons alegres que remetem à comédia.

A escolha por uma trilha sonora leve em situações pontuais, como em momentos em que Sergio entrava no quarto de uma hóspede para investigar, se deve ao carisma do protagonista. Além, é claro, de eventuais trapalhadas com os recursos tecnológicos que precisou usar para cumprir sua missão, complementando bem o tom de comédia.

VEREDITO

Agente Duplo é um documentário bem montado que chama a atenção da audiência pela investigação inusitada, especialmente por precisar que um idoso atue como espião em um asilo.

No entanto, a história de 1h29min também tem como objetivo mostrar que, tão grave quanto maus tratos aos idosos, é também a solidão que muitas famílias deliberadamente escolhem como destino de seus velhinhos. E a diretora Maite Alberdi é exitosa ao fazer a audiência encarar o que, muitas vezes, decide ignorar.

A produção é capaz de promover uma importante reflexão sobre essa mazela social, e sua presença entre os candidatos ao Oscar de Melhor Documentário pode ser útil para que mais famílias repensem suas condutas antes de tentarem responsabilizar outras pessoas.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição

Artigo anteriorCRÍTICA – Amor e Monstros (2021, Michael Matthews)
Próximo artigoCRÍTICA – Eu Vi: América Latina (1ª temporada, 2021, Netflix)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.