Início FILMES Crítica CRÍTICA – Alguém Avisa? (2020, Clea DuVall)

CRÍTICA – Alguém Avisa? (2020, Clea DuVall)

Alguém Avisa? é um longa natalino dirigido por Clea DuVall (A Intervenção) e é estrelado por Kristen Stewart (As Panteras).

SINOPSE

Abby (Kristen Stewart) é uma cuidadora de animais que namora Harper (Mackenzie Davis) uma jornalista talentosa. Harper convida Abby para passar o Natal na casa de sua família, todavia, não conta aos pais e irmãs que é homossexual, causando grandes confusões para as duas.

ANÁLISE

Alguém Avisa? É o tipo de longa no qual o constrangimento é a veia humorística. As piadas em torno das situações se baseiam em pequenas humilhações, principalmente por conta da reputação.

O longa tem o intuito de trazer reflexões sobre aceitação, uma vez que além da questão da homossexualidade, temos também os conceitos de família perfeita e rivalidade entre irmãs.

O problema está na construção dos personagens. Harper tem medo de decepcionar os pais e o longa dá inúmeras oportunidades para ela sair das amarras do preconceito e do peso em suas costas por conta de sua natureza. As atitudes dela são, no mínimo, questionáveis ao deixar de lado sua amada para focar tanto em sua imagem de filha sem defeitos.

Abby, por sua vez, é forte e durona, mas não tem aquela paciência ingênua. Por mais que em alguns momentos não concordemos com suas escolhas, conseguimos entender também que ela está em uma situação extremamente difícil causada por sua parceira e quando precisa agir, Abby é coerente demais.

As outras duas irmãs da família são exageradas e caricatas, pois o roteiro tenta mostrar que elas sofrem com o protagonismo da irmã do meio (Harper). Sloane (Alison Brie) é a mais velha que largou uma carreira promissora no Direito para ser uma mãe exemplar. Já Jane (Mary Holland) é a “esquisitona” por ser solteira e nerd, algo que é bastante controverso para um filme de 2020. 

Aliás, as problemáticas de Alguém Avisa? deixam a desejar pelo simples fato de serem muito batidas atualmente. Por mais que tenhamos uma onda forte de conservadorismo e ignorância das pessoas, a aceitação por parte do papel da mulher e dos homossexuais tem aumentado bastante, algo que é extremamente positivo. Para mim, particularmente, causou bastante desconforto retratar as personagens de forma tão caricata, mesmo que esta seja a premissa do longa. Por mais que não seja meu local de fala, acredito que o tema poderia ser retratado com mais qualidade.

ALGUÉM AVISA QUE O DAN LEVY ESTÁ AQUI?

Entretanto, algumas mensagens são fortes no longa. John, interpretado de forma incrível por Daniel Levy (Schitt’s Creek) é o melhor personagem, pois faz as indagações que gostaríamos de fazer, além de trazer a mensagem mais bonita de todo o filme sobre a questão de como recebemos amor e aceitação de quem mais nos deveria proteger que são nossos pais. Ao mostrar que ao “sair do armário” os homossexuais podem receber afeto ou repulsa nos mostra também a realidade difícil de pessoas que apenas querem ser amadas, não interessando quem é seu parceiro.

VEREDITO

Alguém Avisa? É um longa divertido, mas que traz uma mensagem ambígua em 2020. Por mais que tenhamos lindas mensagens de amor e que as coisas se resolvam bem, algumas escolhas de roteiro são questionáveis. Entretanto, o longa é uma boa pedida para quem busca um filme de Natal um pouco diferente pela questão da diversidade.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Confira o trailer de Alguém Avisa?:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | Mulher-Maravilha 1984 (2020, Patty Jenkins)
Próximo artigoCRÍTICA – Tudo Bem no Natal que Vem (2020, Roberto Santucci)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.