Início FILMES Crítica CRÍTICA – Barões da Pisadinha (2021, Amazon Music)

CRÍTICA – Barões da Pisadinha (2021, Amazon Music)

CRÍTICA - Barões da Pisadinha (2021, Amazon Music)

O mini documentário dos Barões da Pisadinha estreia na Amazon Music e no YouTube no dia 29 de junho. Com duração de 30 minutos, a produção conta alguns pontos da trajetória de sucesso da dupla nordestina.

SINOPSE

Rodrigo e Felipe revisitam a cidade onde cresceram e revelam detalhes sobre a trajetória de sucesso. Além da participação dos dois artistas, familiares e pessoas que marcaram sua história também dão entrevista e revelam os bastidores da carreira, de quando ainda tocavam em bares e palcos improvisados.

ANÁLISE

Barões da Pisadinha é um fenômeno do mercado fonográfico brasileiro. Com mais de 1 bilhão de streamings em sua conta, o grupo fundado no Interior da Bahia conquistou uma legião de fãs e arrasta multidões para os seus shows.

Entretanto, se engana quem pensa que o sucesso veio fácil. A dupla, composta por Rodrigo e Felipe, teve que ralar muito para conquistar os resultados que possuem nos dias atuais. Os músicos iniciaram a trajetória cantando em bares e, muitas vezes, não eram pagos pelos shows que faziam.

O documentário criado para o Amazon Music busca apresentar a história de luta dos rapazes. Com duração de apenas 30 minutos, a produção é bem concisa e não se aprofunda em grandes detalhes da trajetória. Entretanto, é possível entender a origem dos cantores e conhecer um pouco sobre suas famílias, sonhos e desafios.

Se tem algo que o povo brasileiro tem de sobra é força. Triplique isso se você é nortista ou nordestino. A história de Rodrigo e Felipe na música se deu como uma forma de ajudar suas mães que, durante muito tempo, trabalharam prestando serviço para outras famílias.

A vida sofrida e simples foi motivação para ambos tentarem a sorte na música, começando no forró e migrando futuramente para a pisadinha. Como explica Felipe no documentário, a pisadinha é uma mistura do xote, samba e vaneirão gaúcho, criando essa estética única e com cara de Brasil.

Apesar da curta duração, o documentário consegue abranger vários pontos interessantes da vida da dupla. Felipe, por exemplo, era guitarrista e migrou para o teclado após sua mãe o aconselhar a comprar o instrumento. Ele aprendeu a tocar teclado em aulas no YouTube e logo se uniu a Rodrigo para fundar o grupo Barões do Forró Prime.

Suas primeiras músicas foram gravadas em uma pequena salinha, com um colchão de espuma que imitava o efeito de um estúdio. De forma humilde, mas ancorado em grandes sonhos, o trabalho dos Barões da Pisadinha ganhou as pessoas e mudou para sempre a história de Felipe e Rodrigo.

É inegável que, ao término da produção, ficamos com a sensação de que há uma quantidade maior de filmagens do que foi apresentado no produto final. Devido ao contexto de mini documentário, os cortes são abruptos e a condução um pouco apressada. Entretanto, é um bom entretenimento que pode ser assistido em qualquer folga do dia.

VEREDITO

O mini documentário sobre o Barões da Pisadinha apresenta a história de luta e sonhos da dupla de forma simples e objetiva. A produção consegue entregar uma boa narrativa, além de deixar aberto o caminho para um documentário mais longo no futuro.

3,5/5,0

Nossa nota

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | Batman: O Longo Dia das Bruxas – Parte 1 (2021, Chris Palmer)
Próximo artigoHBO Max: Confira os principais destaques do novo streaming
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.