CRÍTICA – Birth/Rebirth (2023, Laura Moss)

    Birth/Rebirth é um suspense que estreou no Festival de Sundance 2023 na sessão Midnight. O longa é dirigido por Laura Moss, que também co-escreveu o roteiro ao lado de Brendan J. O’Brien; no elenco estão Marin Ireland, Judy Reyes e A. J. Lister

    SINOPSE

    Rose (Marin Ireland) é uma patologista que prefere trabalhar com cadáveres à interação social. Ela também tem uma obsessão – a reanimação dos mortos. Celie (Judy Reyes) é uma enfermeira da maternidade que construiu sua vida em torno de sua filha de 6 anos, Lila (A. J. Lister). Um dia infeliz, seus mundos colidem. As duas mulheres e a jovem embarcam em um caminho sombrio sem volta, onde serão forçadas a confrontar o quão longe estão dispostas a ir para proteger o que mais amam.

    ANÁLISE

    A história de Frankenstein já foi contada inúmeras vezes no cinema e de diferentes maneiras, por isso pode soar até um pouco repetitivo quando um filme resolve aproveitar novamente a premissa da autora Mary Shelley. Felizmente, Birth/Rebirth compreende essa limitação e por isso acrescenta um tema pertinente a sua narrativa: maternidade. 

    A diretora e roteirista Laura Moss cria uma trama tensa que foca principalmente em dar profundidade a seus personagens principais. O caminho de ambas se cruzam quando Lila falece repentinamente e na tentativa de manter a menina viva, Rose e Celie desenvolvem uma estranha relação de amparo. Apesar das cenas gore e do suspense crescente, o filme pouco busca recursos no terror, sendo mais um estudo de personagem que explora duas mulheres em contato com a maternidade. 

    Tanto Celie, como Rose experienciam de formas diferentes o que é ser mãe, Celie de forma mais carinhosa deseja cuidar de sua filha, enquanto Rose vê na menina uma chance de continuar seus experimentos. Dessa forma, o longa busca sua base na ciência, deixando evidente que o renascimento de Lila é uma obra da medicina, o que coloca Celie e Rose numa corrida para achar os recursos necessários para manter a menina viva. 

    Ainda assim, o Birth/Rebirth demora para ficar interessante e em outros momentos é até mesmo cansativo, isso se deve pelo fato do longa querer muito emular uma Frankenstein com ares modernos. Em contrapartida, o filme tem cenas de arrepiar, como uma placenta sendo arrancada de um corpo ou os grunhidos de Lila após ressuscitar. É uma releitura distorcida e bastante ácida, diga-se de passagem, mas simplório e bem menos do que poderia ser. 

    VEREDITO

    Birth/Rebirth vale muito por seus personagens principais; Celie e Rose são totalmente opostas, mas encontram uma ligação inusitada. Além disso, a aposta do gore traz um incentivo ao filme que por vezes pode ser um pouco arrastado.

    Nossa nota

    3,0 / 5,0

    O longa estreou no Festival Sundance deste ano e ainda não possui trailer disponível.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Festival Sundance 2023: Vem com o Feededigno!

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    TBT #281 | ‘O Culpado’ é suspense que prenderá do início ao fim

    O Culpado é a nossa indicação do TBT. O longa é um suspense repleto de detalhes que te prenderá do início ao fim.

    Filmes inspirados em eventos reais que você vai querer ver para acreditar

    Existem muitas opções disponíveis, mas selecionamos uma lista de 7 filmes inspirados em histórias verdadeiras e que valem a pena.

    TBT #280 | ‘Janela Indiscreta’ é um filme de suspense à frente de seu tempo

    Janela Indiscreta é estrelado por James Stewart e Grace Kelly e é um dos maiores filmes de suspense de seu tempo, brincando sempre com nossa perspectiva do real e irreal.

    Planeta dos Macacos: O Reinado | Conheça os personagens

    Planeta dos Macacos: O Reinado está disponível nos cinemas. Conheça os personagens principais dessa nova aventura!