Início FILMES Crítica CRÍTICA – Deep (2021, Netflix)

CRÍTICA – Deep (2021, Netflix)

Deep é um filme tailandês de drama e suspense cuja história retrata um grupo de jovens que participam de um experimento relacionado à insônia

O suspense Deep é a nova produção em idioma não-inglês original da Netflix, lançada em 16 de julho de 2021. O filme tailandês possui uma equipe de direção com uma quantidade incomum de diretores: cinco.

São eles: Sita Likitvanichkul, Jetarin Ratanaserikiat, Apirak Samudkidpisan, Thanabodee Uawithya e Adirek Wattaleela.

Deep está disponível em tailandês e com dublagens em português, inglês, espanhol e audiodescrição no idioma original. Também podem ser escolhidas as seguintes legendas: português, inglês, alemão, italiano e tailandês.

SINOPSE

Quatro estudantes de medicina que sofrem de insônia são atraídos para um experimento que sai do controle. Agora eles precisam escapar antes que seja tarde demais.

ANÁLISE DE DEEP

Deep possui uma premissa bem interessante e de fácil identificação na era atual, em que a alta produtividade é constantemente vendida, custe o que custar. Essa temática está escancarada na história de Jane, a personagem principal interpretada por Panisara Rikulsurakan.

Jane estuda medicina e vive junto da avó (Philaiwan Khamphirathat) e da irmã, June (Warisara Jitpreedasakul). Apesar de ser universitária na área da saúde, ela vive uma vida financeiramente difícil. O combo dificuldades financeiras + apreço pela alta produtividade a levam a fazer parte do secreto projeto de pesquisa que busca por pessoas com insônia.

Como cobaia desse estudo ela conhece o festeiro Win (Kay Lertsittichai), a blogueira Cin (Supanaree Sutavijitvong) e o introvertido Peach (Krit Jeerapattananuwong), todos colegas de medicina e também participantes do experimento.

Deep é um filme tailandês de drama e suspense cuja história retrata um grupo de jovens que participam de um experimento relacionado à insônia

A pesquisa consiste em aplicar um recipiente coletor de queratonina no pescoço dos participantes. A queratonina é a substância que mantém os seres humanos acordados e somente é liberada quando estamos nesse estado.

Quanto mais tempo os participantes ficam acordados, mais concentrada é a substância extraída. É por esse motivo que o experimento é dividido em três fases, as quais exigem que as cobaias fiquem progressivamente cada vez mais dias acordadas.

Entretanto, não se pode dormir mais do que 60 segundos. Caso contrário, os participantes podem ter uma parada cardíaca. É por esse motivo que eles usam um relógio que emite um alarme se eles começarem a dormir.

À medida que a dificuldade aumenta, os valores pagos para os estudantes também aumentam.

O filme explica tudo isso muito bem de maneira ágil e fácil de entender.

Atuações e construção da narrativa

Os quatro personagens principais atuam bem e entregam a carga de drama necessária para tornar realista a história de cada um. A irmã de Jane, June, também merece reconhecimento por sua atuação.

No entanto, todos os personagens de apoio da história não passam segurança em suas atuações. O professor alemão responsável pela pesquisa, Dr. Hans Miller (Kim Waddoup), é muito caricato e entrega cenas que destoam completamente da atuação dos estudantes, passando um ar de vergonha alheia em suas falas.

A cena em que Miller entrega dinheiro para os participantes é um close desnecessário em que o personagem faz uma cara de maníaco, típico de filmes de terror galhofa. Aqui começam os problemas que, a meu ver, acontecem por causa do excesso de profissionais na direção do filme.

Apesar da cena, os dois primeiros arcos de Deep são bons e convincentes, especialmente por causa da fácil explicação do experimento e, principalmente, da atuação dos personagens principais, com destaque para a atriz que interpreta Jane.

Eis que…

O terceiro ato joga todos os méritos de Deep por água abaixo.

A reta final de Deep arruinou uma boa história

O filme possui 1h41min de duração, mas infelizmente tem sua história destruída na meia hora final.

O primeiro problema começa já na abertura do terceiro ato. Eu não vou detalhar para não dar spoilers, mas destaco que mesmo sendo algo grave, naquela altura do filme eu estava disposto a aceitar a incômoda facilitada do roteiro e considerar a produção mediana no fim das contas. Isso aconteceria por conta da boa construção dos atos anteriores.

Mas…

A situação piora.

O plot twist apresentado na fase 3 do experimento simplesmente ignora a estrutura da pesquisa que foi apresentada anteriormente. Pior do que isso, as motivações do plot não se sustentam.

Em meio à bagunça de ideias que Deep se tornou no seu ato final, para completar há uma cena entre Jane e uma médica cuja ação dessa pessoa é totalmente desproporcional ao que está sendo exibido. Isso sem falar em outra absurda conveniência do roteiro para chegar a esse triste desfecho.

VEREDITO

É muito importante e digna de reconhecimento a dedicação da Netflix em trazer produções em idioma não-inglês para que a audiência global tenha acesso a culturas diversas.

Deep é um filme tailandês que parte de uma premissa bem interessante e entrega bons momentos de suspense. Seus dois primeiros atos são objetivos e fáceis de compreender.

Apesar disso, infelizmente o plot twist da história é repleto de falhas que contradizem a boa construção que vinha sendo feita. Dessa forma, Deep destrói seus próprios méritos.

Recomendo que você assista para conhecer a boa atuação do elenco principal e refletir como foi possível uma boa história desandar tanto em pouco tempo.

Nossa nota

2,0 / 5,0

Assista ao trailer de Deep:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorOs Ausentes: Conheça a nova série brasileira da HBO Max
Próximo artigoCRÍTICA – O Grande Deus Pã (1894, Arthur Machen)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.