CRÍTICA – Escape Room 2: Tensão Máxima (2021, Adam Robitel)

    Escape Room 2: Tensão Máxima é a continuação do longa de 2019 e tem novamente a direção de Adam Robitel. O filme está disponível on demand.

    SINOPSE

    Zoey (Taylor Russell) e Ben (Logan Miller) querem acabar de vez com os jogos sádicos dos quais conseguiram sobreviver há alguns meses atrás. Entretanto, ao tentar desmascarar o grupo que faz os jogos, eles acabam sendo enganados, voltando novamente a lutar por suas vidas no Escape Room.

    ANÁLISE DE ESCAPE ROOM 2: TENSÃO MÁXIMA

    Escape Room 2

    Em 2019, Escape Room veio para ser uma alternativa teen de um gênero de filmes que normalmente possui muita violência gráfica como Jogos Mortais, assim como busca ter críticas sociais como Cubo (1997).

    Com uma premissa simples, mas com bastante inventividade, Escape Room foi um filme divertido, mesmo que tenha vários problemas narrativos.

    Eis que em 2021 a sua sequência, Escape Room 2: Tensão Máxima trouxe o famoso mais e maior, algo que normalmente é uma decisão bem questionável. Nessa nova jornada, os nossos heróis já passaram pelos jogos, sendo testados novamente, construindo uma dinâmica diferente da primeira obra.

    Se no primeiro filme os conflitos eram uma parte importante na criação de tensão além dos jogos, no segundo, temos apenas decisões questionáveis de personagens e um senso de heroísmo exacerbado numa construção de síndrome do sobrevivente contínua entre eles.

    A cada momento há um sacrifício heroico, algo que ao meu ver não funciona muito bem. De positivo, temos jogos bem inventivos e que abraçam o non sense de uma forma bastante eficaz e divertida, mesmo que irreal. As atuações são seguras e convincentes, mesmo que alguns personagens não tenham tanta profundidade. Os plot-twists não são marcantes, mas trazem uma nova identidade ao longa. Contudo, o texto está mais rocambolesco e o novo longa é bem menos intrigante e interessante quanto seu antecessor.

    VEREDITO

    Com armadilhas mais mirabolantes, todavia, com uma narrativa mais fraca, Escape Room 2: Tensão Máxima é a sequência que queríamos ver, mas que não entrega o que precisamos.

    Ao escolher fazer muito mais que o seu antecessor, o longa patina bastante em sua história, entregando um filme bem abaixo do esperado.

    Nossa nota

    2,5/5,0

    Confira o trailer de Escape Room 2: Tensão Máxima:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Mulher-Gato: A Caçada (2022, Shinsuke Terasawa)

    Mulher-Gato: A Caçada é a mais nova aposta da DC e conta com alguns nomes conhecidos em seu elenco de voz. Confira nossa crítica.

    Noites Sombrias #78 | Os melhores filmes de horror do primeiro semestre de 2022

    Confira no Noites Sombrias #78 os melhores filmes de horror de 2022 até agora! Selecionamos os que estão bombando no momento.

    CRÍTICA – O Predador: A Caçada (2022, Dan Trachtenberg)

    O Predador: A Caçada ou Prey é um longa dirigido por Dan Trachtenberg e conta com Amber Midthunder como protagonista.

    TBT #188 | Onze Homens e Um Segredo (2002, Steven Soderbergh)

    Onze Homens e Um Segredo é o filme escolhido do TBT de hoje e é um remake de um longa dos anos 60. A...