CRÍTICA – Ingresso Para o Paraíso (2022, Ol Parker)

    Ingresso Para o Paraíso é a mais nova colaboração entre Julia Roberts e George Clooney. Após a colaboração dos dois na franquia Ocean, Confissões de uma Mente Perigosa, Jogo do Dinheiro e alguns outros, Roberts e Clooney nos levam até Bali para contar uma história nem um pouco funcional, enquanto precisam evitar que sua filha Lily (Kaitlyn Dever) “jogue sua vida fora”.

    O filme conta divertidos aspectos da antiga relação de Georgia (Roberts) e David (Clooney) e nos remete às comédias românticas dos anos 90/2000, enquanto funcionam como uma viagem nostálgica, o longa nos permite analisar como a relação entre pais e filhos pode ter algum aspecto de projeção e de espelhamento das expectativas.

    SINOPSE

    Um casal divorciado se junta e viaja para Bali para impedir que sua filha cometa o mesmo erro que eles acham que cometeram há 25 anos.

    ANÁLISE

    Ingresso para o Paraíso

    Ambientado quase que inteiramente em Bali, o filme nos apresenta a beleza da ilha enquanto nos lança em uma viagem ao amor de Lily que após se formar na faculdade, viaja para Indonésia e conhece Gede (Maxime Bouttier), por quem se apaixona e decide se casar 2 meses depois.

    O cuidado do diretor ao nos lançar à trama e apresentar seus personagens duvidosos é quase zero. E nos apresenta como a relação de ex-marido e mulher é disfuncional, exacerbando estranhos aspectos de ambas as personalidades que acabam se tornando ainda pior na presença um do outro.

    Ainda que o roteiro não seja tão brilhante, o mesmo faz o filme se destacar no que se propõe, tirando risadas e causando incômodos em diversos momentos. Isso tudo, pois mesmo diante de enormes adversidades, dois personagens que odeiam um ao outro precisam deixar tudo de lado a fim de garantir que sua filha não tome uma decisão importante do dia para a noite.

    VEREDITO

    O perigo do longa se apresenta na forma de como o trauma geracional é tratado: para um entendimento mais claro, não existe possibilidade de Lily ser a personagem que ela é sem muitos anos de terapia. O que os pais dela claramente não tiveram. Ainda que os incômodos do filme permaneçam ao longo de seus dois primeiros arcos, o terceiro o coroa como uma interessante comédia romântica, mesmo com alguns problemas.

    Nossa nota

    3,0 / 5,0

    Confira o trailer do filme:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    Superman: Possíveis vilões do novo filme do Homem de Aço

    Superman ganhará um novo filme. Apesar de quase todo o elenco do filme ter sido anunciado, os vilões ainda são mantidos em segredo.

    TBT #272 | ‘O Exterminador do Futuro’ é terror desesperador e ação absoluta

    'O Exterminador do Futuro' foi criado como um temor em relação ao futuro. E se as máquinas dizimassem a humanidade e colocasse nossa única...

    TBT #271 | ‘Dupla Explosiva’ já é clássico de ação com explosões e comédia exagerada

    Dupla Explosiva é clássico de ação repleto de absurdo e estrelas do cinema. Nele, acompanhamos Michael Bryce e Darius Kincaid.

    Duna: Parte Dois consegue a maior estreia desde Barbie, e já se consagra como um dos grandes sucessos de 2024

    Apesar de estarmos no terceiro mês do ano, Duna: Parte Dois conseguiu, em quatro dias desde a sua estreia, tornar-se a maior bilheteria de 2024.