CRÍTICA – Isolados: Medo Invisível (2021, Adam Mason)

    Ainda que os cinemas tenham tido um enorme hiato em suas produções durante a pandemia do Covid-19, o boom da criatividade relacionada ao ócio das produções parece enfim ter tido um fim. Como grande parte das produções do cinema, até mesmo a fantasia tem uma base na realidade, Isolados: Medo Invisível tem como parte principal de seu roteiro, uma pandemia, o isolamento social e tudo que passamos a viver há quase dois anos atrás.

    SINOPSE

    Em Isolados, durante a epidemia viral do Covid-23, uma quarentena é instaurada, proibindo as pessoas de saírem de suas casas. Um grupo procura sobreviver enquanto vive em meio ao caos, navegando pelos obstáculos encontrados em todas as cidades: lei marcial, sintomas, quarentena e vigilantes.

    ANÁLISE

    Isolados: Medo Invisível

    Por vivermos em meio a uma pandemia há quase dois anos, era de se esperar que o atual cenário fosse refletido nas produções cinematográficas. Isolados: Medo Invisível é a primeira produção lançada pós-pandemia que reflete um futuro nada brilhante para quase todo o mundo.

    Ambientado em meio à uma Los Angeles sitiada, repleta de zonas de quarentena, vemos que a tecnologia evoluiu a fim de garantir uma maior segurança aos habitantes daquele mundo.

    O longa acompanha a história de Nico (KJ Apa), um entregador imune ao vírus Covid-23 que passa seus dias rodando por Los Angeles a fim de garantir que os que não podem sair recebam suas encomendas sem maiores problemas.

    Ainda que conte uma história forte e pungente, a produção de Michael Bay e a direção de Adam Mason deixam a desejar nos mais diversos aspectos.

    Ao abordar uma trama dolorosa, muito do que é visto no filme poderia ter sido abordado de maneira mais interessante e cuidadosa. Tanto a abordagem de uma pandemia, quanto a previsão pessimista, o filme fornece aos espectadores uma diversão fraca, que funciona como um aviso sobre um vindouro futuro – mas sem qualquer tipo de respeito pelos que pereceram no caminho até aqui.

    Além de todo o desenvolvimento da trama, a história se desenrola de forma que não nos faz desenvolver qualquer tipo de vínculo com os personagens do filme.

    VEREDITO

    Ainda que vejamos o filme meramente como uma obra de ficção, Isolados: Medo Invisível funciona como uma história relativamente comum, que já parece ter sido vista no passado.

    Com um roteiro que poderia ter inovado em determinados aspectos, e um design de produção convincente, vemos um mundo destruído e desolado como os dias de hoje, mas elevado à máxima potência. E ainda que aborde aspectos mais primitivos da existência humana, nos faz encarar o desenrolar da trama e seus acontecimentos com algumas pitadas de descrença.

    Nossa nota

    2,5 / 5,0

    Confira o trailer do filme:

    Isolados: Medo Invisível será lançado no Paramount+ no dia 20 de agosto de 2021.

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    Capitão América: Admirável Mundo Novo | Confira o primeiro trailer

    A Marvel Studios compartilhou o teaser trailer de Capitão América: Admirável Mundo Novo, apresentando Anthony Mackie como o Capitão América!

    Filmes subestimados que valem a pena assistir

    Infelizmente, alguns filmes acabam não recebendo a atenção e o reconhecimento que merecem e esses filmes acabam sendo subestimados.

    TBT #287 | ‘Rio, 40 Graus’ é mergulho no que o Rio foi, e o Rio é

    Rio, 40 Graus é um precursor de um movimento cinematográfico e nos faz sentir imersos em narrativas reais, e um país mais real ainda.

    CRÍTICA: ‘Eu Sou: Celine Dion’ é um documentário que até faltam palavras para definir

    O documentário Eu Sou: Celine Dion (I Am: Celine Dion), chegou ao Prime Video no dia 25 de junho. Veja o que achamos.