Início FILMES Crítica CRÍTICA – JJ+E (2021, Netflix)

CRÍTICA – JJ+E (2021, Netflix)

CRÍTICA - JJ+E (2021, Netflix)

A Netflix trouxe para seu catálogo mais um filme de drama/romance adolescente, JJ+E, que é uma adaptação moderna do aclamado romance sueco Vinterviken de Mats Wahl, publicado pela primeira vez em 1993.

O longa apresenta Elsa Öhrn, uma atriz sueca que ficou mais conhecida pelo filme Diário de Bert (2020). Ela interpreta Elisabeth, enquanto Mustapha Aarab interpreta John-John.

O elenco também conta com Magnus Krepper, Loreen, Marika Lagercrantz, Albin Grenholm, Otto Hargne, Simon Mezher, Jonay Pineda Skallak e Elsa Bergström Terent.

SINOPSE

JJ+E é ambientado em Estocolmo, em 2021; e gira em torno da história de amor entre John-John e Elisabeth. Apesar de morarem na mesma cidade, os dois adolescentes vivem muito distantes, separados por barreiras econômicas, sociais e culturais. Mas tudo isso muda quando eles começam a estudar na mesma turma na escola.

ANÁLISE

Com um primeiro ato mal construído, o longa apresenta os personagens e suas dramatizações com muitas pontas soltas em seus arcos como se a trama precisasse ser desenvolvida o mais breve possível.

O roteiro é algo já visto em outros filmes como a “princesa que se apaixona pelo plebeu”, entretanto, as atuações dos estreantes protagonistas são boas e bem conduzidas apesar de não terem muitos diálogos interessantes entre si.

A parte do elenco “esquecida do churrasco” certamente foi o núcleo da escola. Sem conexão com os personagens principais, talentos ali não foram aproveitados devido a um roteiro fraco e com baixo desenvolvimento.

A partir do segundo ato, quando o personagem passa pelas transformações e situações inesperadas, JJ incorpora o típico adolescente que não tem diálogo e toma decisões erradas e inadequadas para resolução de problemas, bem como seu par romântico, Elisabeth.

O terceiro ato é aquele momento em que muitas vezes um plot twist salva a produção e a transforma em uma história potente, mas com a narrativa baseada na trajetória dos personagens principais e secundários, nada acontece. Fiquei: “como assim acabou?”.

VEREDITO

Embora, ao assistir o trailer, eu tenha simpatizado logo de cara com o elenco, infelizmente a produção deixou a desejar em vários momentos.

Juro que torci para que JJ+E tivesse um bom desenvolvimento porque se tem alguém que gosta de filme de adolescente, essa pessoa sou eu!

Vamos ficar na torcidas para as próximas produções da gigante do streaming, pois sabemos que tem muita coisa boa vindo por aí.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Assista ao trailer dublado:

JJ+E já está disponível no catálogo da Netflix. O que vocês acharam do filme? Deixe seus comentários abaixo!

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Lucifer (6ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoCall of Duty: Vanguard | Tudo que você precisa saber sobre o Beta
Carioca, estudante de Design de Interiores, fã de séries, filmes e principalmente de Como Treinar o Seu Dragão <3