Início FILMES Crítica CRÍTICA – Lidando com a Morte (2020, Paul Sin Nam Rigter)

CRÍTICA – Lidando com a Morte (2020, Paul Sin Nam Rigter)

Lidando com a Morte (Dealing with Death), faz parte da Competição Novos Diretores na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Lidando com a Morte (Dealing with Death) faz parte da Competição Novos Diretores na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. O evento, que acontece entre os dias 21 de outubro e 3 de novembro, conta com 264 filmes vindos de mais de 50 países.

Vencedor do prêmio de melhor documentário holandês no IDFA, Lidando com a Morte é dirigido e roteirizado por Paul Sin Nam Rigter.

SINOPSE DE LIDANDO COM A MORTE

Em Bijlmer, bairro multiétnico de Amsterdã, cada cultura tem seus próprios rituais relacionados à morte. Anita gerencia uma agência funerária e precisa garantir que essas práticas e cerimônias sejam respeitadas. No entanto, quanto mais se aprofunda nesse universo, mais ela percebe o quão pouco sabe sobre as diferentes culturas locais.

Anita, então, passa a se questionar se a casa funerária, que reúne essa diversidade cultural sob o mesmo teto, atende às necessidades do bairro ou é apenas um empreendimento que espera conquistar espaço nesse mercado.

ANÁLISE

A empresa funerária Yarden, por meio do trabalho da gerente Anita, quer criar um espaço onde pessoas de diversas culturas possam se sentir contempladas durante um dos momentos mais difíceis de todos: o luto.

O documentarista Paul Sin Nam Rigter, durante cinco anos, acompanhou todos os passos da concepção do empreendimento, coletando informações do planejamento base e filmando as reuniões da gerente com diversas comunidades em Amsterdã.

Anita possui uma motivação muito grande para colocar esse projeto em ação. Porém, quanto mais ela conversa com as pessoas, mais ela entende as particularidades das diferentes culturas presentes na cidade.

Por outro lado, a empresa que ela representa tem apenas uma motivação, e não tem nada a ver com o bem-estar social ou tentativa de acolhimento dessas comunidades. Esse contraste é perceptível ao longo de todo o filme, principalmente quando o assunto orçamento é abordado.

Para que haja um produto é necessário que haja demanda. Ao longo dos 74 minutos de Lidando com a Morte, é perceptível que aquele empreendimento não era nada do que as comunidades precisavam, tampouco viria para sanar qualquer dificuldade.

É evidenciando o outro lado da história que o documentário ganha peso e se torna atrativo. A produção demonstra sua real força ao mostrar como diversos imigrantes encontraram meios de criar espaços próprios, de manter as tradições de suas terras vivas e, principalmente, de se manterem fortes e unidos.

Sendo um projeto que durou tanto tempo, o trabalho de montar uma narrativa coesa e que leve a um resultado concreto é algo complicado. Entretanto, Lidando com a Morte consegue traçar um caminho consistente, construindo paralelos entre o empreendimento e cenas de diversos rituais fúnebres.

Os depoimentos dos grupos são bem inseridos na narrativa, bem como as reviravoltas na vida pessoal de Anita. Ao longo de cinco anos muita coisa pode se modificar, e Lidando com a Morte realmente consegue retratar essas mudanças.

VEREDITO

Lidando com a Morte é um bom documentário. Com o objetivo de acompanhar uma empreitada que, desde o início, tinha tudo para dar errado, a produção se sobressai principalmente nos momentos em que foca na diversidade de culturas em Amsterdam.

Nossa nota

3,0/5,0

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorPRIMEIRAS IMPRESSÕES – Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)
Próximo artigoCRÍTICA – No Táxi do Jack (2021, Susana Nobre)
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.