Início FILMES Crítica CRÍTICA – Memórias de Verão (2021, Ozan Açiktan)

CRÍTICA – Memórias de Verão (2021, Ozan Açiktan)

CRÍTICA - Memórias de Verão (2021, Ozan Açiktan)

Memórias de Verão (Geçen Yaz) é o novo filme turco original da Netflix. Dirigido por Ozan Açiktan e protagonizado por Fatih Şahin, o longa é mais uma adição internacional ao catálogo do streaming.

SINOPSE

Nesta história sobre amadurecimento e amores de verão, Deniz (Fatih Şahin) quer encontrar sua paixão de infância nas férias, mas acaba envolvido em um triângulo amoroso.

ANÁLISE

Memórias de Verão se passa nas belas paisagens da Turquia durante o ano de 1996. Deniz e sua irmã Ebru (Aslihan Malbora) estão na transição da adolescência para a fase adulta e, assim como todos os jovens, só pensam em curtir a vida o máximo possível.

Durante as férias em família, Deniz reencontra sua antiga paixão: Asli (Ece Çesmioglu), a melhor amiga de sua irmã. Sem saber como demonstrar seu interesse, acompanhamos o personagem principal se meter em diferentes rolês aleatórios para tentar se aproximar da garota.

O longa dirigido e roteirizado por Ozan Açiktan explora bastante o conceito de friendzone. Deniz tenta diversos movimentos tímidos de aproximação ao longo dos 101 minutos da produção. O vai e vem da trama acaba, em determinado ponto, se tornando monótono, pois parece que o engodo que envolve Deniz e Asli nunca terá fim.

É curiosa a forma como Ozan opta por demonstrar essas cenas de interesse de Deniz por Asli. Se nós não soubéssemos o que o personagem pensa, seria quase impossível para uma pessoa de fora realmente perceber que ele está apaixonado por aquela garota. Não há emoção nas cenas, o que dificulta criarmos algum apreço pelos personagens.

CRÍTICA - Memórias de Verão (2021, Ozan Açiktan)

O elenco secundário raramente é desenvolvido e poucos são os momentos que conseguimos entender o que se passa na cabeça de Asli. É como se o único propósito do roteiro fosse manter o espectador esperando pelo momento em que Deniz pode, finalmente, conseguir o que quer. Esse momento é estimulado mesmo que Asli, constantemente, demonstre zero interesse por ele.

Existem inúmeros filmes coming of age que apresentam histórias similares. O próprio Verão de 85 lançado esse ano é um exemplo desse tipo de abordagem. Entretanto, o que todos normalmente têm em comum é o sentimento de paixão e urgência que essa fase causa nos jovens, fator que é substancialmente nulo em Memórias de Verão.

Ece Çesmioglu é provavelmente a melhor atriz do elenco. Sua atuação é segura e confiante, mas o roteiro falha em dar mais subsídio para a personagem crescer em tela. Apesar de não causar tanto impacto, Fatih Şahin é comprometido, com um sorriso largo que causa simpatia.

O que mais chama atenção em Memórias de Verão é a sua parte técnica. A fotografia aproveita as belíssimas paisagens litorâneas, criando ótimos clipes inseridos entre um acontecimento e outro da trama. Ozan explora também alguns elementos interessantes na construção de suas cenas, como o uso da fumaça do escapamento dos caminhões para criar uma névoa por trás dos atores, ou a chuva de espuma que complementa um momento de fúria de Deniz.

VEREDITO

Imerso em um emaranhado de ideias, Memórias de Verão possui uma parte técnica interessante, mas peca em um roteiro com pouca emoção. É uma produção para manter as expectativas baixas e aproveitar o entretenimento.

Nossa nota

2,5/5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Viúva Negra (2021, Cate Shortland)
Próximo artigoVariantes do Loki: Conheça as versões do Deus Trapaçeiro
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.