Início FILMES Crítica CRÍTICA – Minimalismo Já (2021, Matt D’Avella)

CRÍTICA – Minimalismo Já (2021, Matt D’Avella)

Liderado por profissionais que vivem o minimalismo no dia a dia, Minimalismo Já é um documentário coeso que funciona para todos os públicos

Minimalismo Já (The Minimalists: Less is Now) é mais um documentário da Netflix a respeito do tema minimalismo, dirigido por Matt D’Avella e produzido por Joshua Fields Millburn e Ryan Nicodemus. Em 2016, os três já haviam lançado Minimalismo: um documentário sobre as coisas importantes, no mesmo serviço de streaming.

SINOPSE

Eles fizeram do minimalismo um movimento. Os amigos Joshua Fields Millburn e Ryan Nicodemus mostram como nossas vidas podem ser melhores com menos.

ANÁLISE

Mais do que especialistas no assunto, D’Avella, Millburn e Nicodemus vivem o minimalismo no dia a dia. O diretor possui um canal no YouTube em que fala sobre o tema aplicado a diversas áreas da vida, enquanto os produtores – e aqui também estrelas do documentário – mantêm um ecossistema de conteúdo digital chamado The Minimalists (Os Minimalistas).

Em apenas 53 minutos, Minimalismo Já resume bem o conceito enquanto une as pontas entre as histórias de vida dos protagonistas; as entrevistas com especialistas de diversas áreas; e as conversas com pessoas que também vivem uma vida minimalista.

De acordo com o Matt D’Avella, o documentário levou quatro anos para ficar pronto. Essa informação me motiva a destacar a curta duração do documentário. Não é que ele seja raso. Ao contrário, Minimalismo Já é tão coeso que funciona tanto para quem não conhece o conceito, como para quem já está familiarizado com esse estilo de vida.

Você assiste aos 53 minutos sem sentir o tempo passar. Ao final, a produção dá dicas práticas de como iniciar uma vida minimalista e você sente como se tivesse feito um curso de algumas horas sobre minimalismo.

Liderado por profissionais que vivem o minimalismo no dia a dia, Minimalismo Já é um documentário coeso que funciona para todos os públicos
Joshua Millburn, Matt D’Avella e Ryan Nicodemus

O grande diferencial de Minimalismo Já é usar como ponto de partida as vivências de Millburn e Nicodemus para falar de um tema maior, atual, sem ser egocêntrico. Por mais que o título do documentário em inglês traga a marca de ambos – The Minimalists – a produção é sobre como a vida pode ser simples quando se foca no que é essencial.

Minimalismo Já x Menos é Agora

Por falar no título, acredito que o nome em português pode ser o único “problema” da produção.

Minimalismo Já dá o tom de que se trata de um manifesto. De fato, não deixa de ser, mas considerar o documentário apenas como um manifesto seria desvalorizá-lo. Acredito que o tom de manifesto poderá afastar pessoas que ainda não conhecem o conceito, mas poderiam se interessar sobre minimalismo.

Assim como muitos acreditam erradamente que feminismo é uma “violência oposta ao machismo”, há quem encare o minimalismo como viver com migalhas e ser contra todo e qualquer sistema. E o documentário trata de acabar com esse mito logo cedo.

Ryan Nicodemus afirma que ser minimalista é viver uma vida simples possuindo o que é essencial e funcional. Apesar de simples, não significa que não seja trabalhoso. Afinal, dá um trabalho danado desapegar emocionalmente de tantos objetos aos quais atribuímos memórias.

Some essa afirmação ao contexto que estamos vivendo. Uma pandemia de um vírus, muitas vezes silencioso, que obrigou as pessoas a reverem suas prioridades. É por isso que a ideia do título original – Less is Now – é muito boa.

Liderado por profissionais que vivem o minimalismo no dia a dia, Minimalismo Já é um documentário coeso que funciona para todos os públicos

Minimalismo: Menos é Agora seria um título um pouco estranho, é verdade. Mas você percebe a ótima associação ao famoso clichê “menos é mais”? Mesmo estranho, acredito que funcionaria bem e valorizaria mais o documentário.

Afinal, agora é o tempo ideal para repensarmos o que é importante para cada um de nós. O timing do lançamento também foi perfeito: 1º de janeiro de 2021. É justamente o momento em que as pessoas estão com a esperança renovada e prestes a colocar um novo planejamento em prática.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição

Artigo anteriorCRÍTICA – American Gods (3ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)
Próximo artigoCRÍTICA – Cobra Kai (3ª temporada, 2021, Netflix)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.