CRÍTICA – O Assassino (2023, David Fincher)

    O Assassino é o novo longa-metragem do diretor americano David Fincher. O longa é baseado na HQ francesa Le Tueur (sem publicação no Brasil) dos autores Jacamon & Matz. O filme encontra-se disponível na plataforma de streaming Netflix.

    SINOPSE

    Depois de um quase acidente fatídico, um assassino enfrenta seus empregadores e a ele mesmo, em uma caçada humana internacional que ele insiste não ser pessoal.

    ANÁLISE

    O assassino

    O Assassino é o novo filme do diretor David Fincher. No longa acompanhamos Michael Fassbender sendo um assassino de aluguel que acaba falhando na execução de seu alvo. Diante dessa falha o mesmo acaba sendo alvo de quem o contratou por não executar o trabalho correto.

    O longa-metragem é separado em seis capítulos que seguem esse assassino numa busca incansável do responsável por sua execução. A forma que a trama se desenvolve pode lembrar o espectador a mais um filme de vingança aos modos da franquia John Wick.

    No entanto, o longa foge desse estereótipo de filme de assassino/vingança logo nos primeiros minutos e acaba sendo mais um estudo memorável de personagem meticuloso, mesmo seguindo um enredo simples. O longa é repleto de monólogos do personagem que trazem sua perspectiva niilista do mundo e seu modus operandis de realizar os seus trabalhos. 

    “Siga o plano. Preveja. Não improvise.Não confie em ninguém. Nunca ceda uma vantagem. Lute apenas a batalha pela qual você foi pago. Proíba a empatia. Empatia fraqueza, fraqueza e vulnerabilidade. A cada passo do caminho, pergunte a si mesmo: “O que eu ganho com isso?” Isso é o que é necessário. E com isso que deve se comprometer se quiser ter sucesso. É simples.”

    A maneira que é desenvolvida essa caraterística do personagem é excelente, visto que a sua obsessão pela perfeição é tamanha que o mesmo finaliza seus alvos quando seus batimentos estão em determinado ponto. Além disso, uma característica sempre presente nos longas de Fincher são seus personagens irônicos e com visão ácida da sociedade. 

    Outro ponto bastante interessante é que durante seu processo de execução o mesmo sempre está sempre ouvindo a banda britânica The Smiths que por sinal tem letras irônicas e ácidas que casam perfeitamente com sua personalidade e com a ambientação da cena.

    Nas atuações, o destaque total vai para Michael Fassbender que traz uma atuação hipnotizante, que assim como seu personagem faz o espectador não piscar diante de tamanha performance. Destaque também para Tilda Swinton que tem uma participação pequena, mas que ainda assim brilha em cena e que certamente é um dos momentos mais intensos do longa.

    Em relação às cenas de ação, meu destaque vai para uma cena em que o assassino invade uma residência para executar mais um alvo, mas acaba partido para a luta corporal. Essa sequência de ação é tirar o fôlego e, ao mesmo tempo, angustiante.

    Quanto à direção de arte, temos um filme elegante e sofisticado que apresenta uma fotografia e figurinos modernos inspirados no longa O Samurai (1967) que são simplesmente fantásticos. Juntamente com a direção de David Fincher o longa é milimetricamente bem orquestrado e conduz com perfeição cada cena. O Assassino, mais um crime thrillers na filmografia desse diretor que crava que ele é um mestre nesse gênero.

    VEREDITO

    O Assassino é um excelente crime thriller que traz um seu papel principal, um personagem niilista que mostra de modo sombrio as ironias de nossa sociedade vaidosa e mesquinha sobre as lentes do icônico diretor David Fincher.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Confira o trailer do filme:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    TBT #272 | ‘O Exterminador do Futuro’ é terror desesperador e ação absoluta

    'O Exterminador do Futuro' foi criado como um temor em relação ao futuro. E se as máquinas dizimassem a humanidade e colocasse nossa única...

    TBT #271 | ‘Dupla Explosiva’ já é clássico de ação com explosões e comédia exagerada

    Dupla Explosiva é clássico de ação repleto de absurdo e estrelas do cinema. Nele, acompanhamos Michael Bryce e Darius Kincaid.

    Duna: Parte Dois consegue a maior estreia desde Barbie, e já se consagra como um dos grandes sucessos de 2024

    Apesar de estarmos no terceiro mês do ano, Duna: Parte Dois conseguiu, em quatro dias desde a sua estreia, tornar-se a maior bilheteria de 2024.

    TBT #270 | ‘A Morte te dá Parabéns’ brinca com ‘Feitiço do Tempo’ em incrível terrir

    A Morte te dá Parabéns nos leva por uma trama divertida e é uma ótima pedida em um dia chuvoso. O filme é um brilhante terrir.