CRÍTICA – O Divino Baggio (2021, Letizia Lamartire)

    Seja você é uma pessoa que ama futebol ou entusiasta apenas em época de Copa do Mundo, certamente conhece Roberto Baggio. Sim, o atacante italiano que errou o pênalti contra o Brasil na final de 1994 e sagrou a seleção brasileira tetracampeã do mundo.

    O que talvez você não conheça são as facetas pessoal, intimista e religiosa do atleta – tudo exibido em O Divino Baggio.

    Dirigido por Letizia Lamartire, o documentário italiano é um Original Netflix desenvolvido pela Fabula Pictures. A produção estreou no streaming em 26 de maio de 2021.

    SINOPSE

    Sucesso na carreira, lesões e budismo: conheça a história de Roberto Baggio, um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos.

    ANÁLISE DE O DIVINO BAGGIO

    Assim que vi O Divino Baggio na lista de lançamentos da Netflix em maio tive vontade de assistir. Logo lembrei do documentário Becoming Zlatan, que no passado assisti no mesmo serviço de streaming e atualmente está disponível no Prime Video. A produção sobre a carreira de Zlatan Ibrahimovic é muito boa e me fez ter interesse por documentários de jogadores de futebol.

    Acontece que O Divino Baggio não tem nada a ver com o material sobre o Ibra. Isso porque a nova produção da Netflix é, na verdade, um documentário dramatizado – algo interessante de ver em um projeto sobre futebol.

    Aqui, Roberto Baggio – carinhosamente chamado de Roby – é bem interpretado por Andrea Arcangeli.

    O Divino Baggio é um documentário dramatizado Original Netflix que conta a história do jogador e ídolo italiano Roberto Baggio

    A produção inicia traçando um paralelo entre a infância de Baggio e o momento mais lembrado da carreira do jogador. Bem, ao menos o mais lembrado pelo povo brasileiro.

    A montagem é competente ao usar uma dramatização da infância para remeter ao pênalti perdido logo no começo. A forma como a transição de tempo é feita após essa cena destaca que a vida de Roberto Baggio não se limita ao pênalti perdido na final de 1994.

    O Divino Baggio conta a história do ícone com objetividade. A relação complicada do atleta com o pai, Florindo (Andrea Pennacchi), em uma família com mais sete irmãos, é explicada em cenas rápidas e fáceis de entender o contexto.

    A produção da Netflix retrata a carreira de Roberto Baggio desde os 17 anos, quando jogava no Vicenza, clube da 3ª divisão italiana. Foi onde ele se destacou a ponto de ser comprado pela Fiorentina, da Série A.

    A derrota na Copa do Mundo de 1994 não é o único drama vivido por Roby. Desde jovem, quando já era visto como um jogador diferenciado, ele sofre com graves lesões.

    É por causa de uma lesão em sua chegada à Fiorentina que se dá o vínculo com o budismo. O que de início foi como uma tentativa sem muita fé acaba se tornando uma forte devoção, a ponto de ser reconhecida entre a comunidade budista.

    O tripé família – futebol – budismo permeia toda sua trajetória. Todos são vínculos muito fortes na vida e nas decisões de Roberto Baggio.

    Poucas imagens históricas

    A diretora Letizia Lamartire optou por dramatizar diversos acontecimentos, inclusive a final contra o Brasil, ao invés de usar vídeos históricos. Isso me causou um certo estranhamento, por vezes um incômodo, mas que ao término do documentário considerei satisfatório.

    Eu acredito que a falta de imagens de acervo, especialmente no início de O Divino Baggio, possa afastar pessoas interessadas na produção. No entanto, se esse for o seu caso, recomendo que você dê uma chance e assista até o fim, pois vale a experiência.

    Baggio e a Copa do Mundo de 1994

    Em termos de futebol, o ponto alto do documentário são os bastidores da Itália de Baggio durante a Copa do Mundo nos Estados Unidos, em 1994. É quando a dramatização das jogadas se destacam, inclusive com a recriação dos gols do jogador.

    O Divino Baggio é um documentário dramatizado Original Netflix que conta a história do jogador e ídolo italiano Roberto Baggio

    É verdade que para nós, brasileiras e brasileiros, fica um pouco aquém a dramatização contra o Brasil, pois nitidamente os atores que interpretam os atletas brasileiros, entre eles Dunga e Taffarel, não ficaram parecidos. Entretanto, o design de produção recriando todos os uniformes presentes no documentário é de encher os olhos até mesmo dos colecionadores de camisas de futebol.

    Outro ponto positivo das cenas na Copa do Mundo é a relação de Baggio com o lendário treinador Arrigo Sacchi, interpretado por Antonio Zavatteri. Ambos estão em constante atrito, deixando claro que o comportamento de Baggio tem ligação direta com o seu relacionamento com o próprio pai.

    O Divino Baggio é maior que as derrotas

    A escolha por contar a história de Roberto Baggio dramatizada é diferente, talvez até inusitada, e entendo que funcionou muito bem.

    Em um momento como o atual, em que percebemos a idolatria de jogadores que constantemente quebram recordes e levantam taças, pode soar estranho o título de divino para um atleta que conquistou poucos títulos dentro de campo.

    O Divino Baggio é um documentário dramatizado Original Netflix que conta a história do jogador e ídolo italiano Roberto Baggio

    É verdade que individualmente Baggio foi exemplar e recebeu dezenas de honrarias. A principal delas foi a eleição como Melhor Jogador do Mundo pela FIFA em 1993. Mas pode ocorrer um estranhamento, especialmente para gerações mais jovens, acostumadas a máquinas humanas como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, que constantemente quebram recordes individuais e em seus times.

    E acredito que o forte so documentário é justamente mostrar que sim, Roberto Baggio é divino. A divindade de Roby advém da superação de desafios e lesões, que acarretaram também em pesadas dúvidas que fariam muitas pessoas desistirem dos próprios sonhos.

    Acima de tudo, O Divino Baggio constrói bem a narrativa para comprovar que o jogador é especial por ser humano. Humano com falhas, erros, dúvidas… e capacidade de levantar a cabeça, perdoar e seguir em frente tendo por perto tudo o que é importante para si – amigos, família e religião, no caso dele.

    VEREDITO

    O Divino Baggio é uma produção diferente e até inesperada de se ver no meio esportivo. Particularmente, minha expectativa era de assistir a um documentário sobre a trajetória dele dentro de campo, com rico acervo histórico de fotos e vídeos.

    Entretanto, fui positivamente surpreendido com um filme bem feito e emocionante, que foca no lado humano, pessoal e introspectivo do lendário italiano. Sem dúvidas, uma experiência que merece ser assistida por amantes do futebol e pessoas interessadas em conhecer ícones mundiais.

    Nossa nota

    4,0 / 5,0

    Assista ao trailer de O Divino Baggio:

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Thor: Amor & Trovão (2022, Taika Waititi)

    Thor: Amor e Trovão é o mais novo filme do deus do trovão. Ao lado de Jane Foster, a Poderosa Thor, ele precisará derrotar um novo vilão.

    CRÍTICA – A Fera do Mar (2022, Chris Williams)

    A Fera do Mar é um longa animado da Netflix e conta com a direção de Chris Williams, além de Karl Urban (The Boys) no elenco de voz.

    CRÍTICA – Beauty (2022, Andrew Dosunmu)

    Beauty é um filme original da Netflix que mostra a história de uma cantora negra que tenta construir uma carreira de sucesso.

    TBT #183 | Platoon (1986, Oliver Stone)

    Platoon, de Oliver Stone sem dúvida está na lista dos fãs de filmes de guerra. Veja nossa clássica indicação de TBT!