CRÍTICA – O Pai da Rita (2022, Joel Zito Araújo)

    O Pai da Rita é um filme inspirado em uma das músicas brasileiras mais icônicas de todos os tempos. O samba “A Rita” lançado no álbum de 1966 intitulado Chico Buarque de Hollanda, serviu como inspiração para o filme do diretor Joel Zito Araújo e nos lança em uma comédia dramática ambientada no Bairro do Bixiga.

    Estrelado por Ailton Graça, Wilson Rabelo, Léa Garcia e Elisa Lucinda, o filme nos leva por uma viagem no passado não apenas do icônico bairro paulista, mas também do samba e da história da resistência negra.

    SINOPSE

    Roque e Pudim, compositores da velha guarda da Vai-Vai, partilham um pequeno apartamento, décadas de amizade, o amor por sua escola de samba e uma dúvida sobre o que aconteceu com a passista Rita, paixão de ambos. No entanto, o surgimento de Ritinha, filha da grande paixão perdida, ameaça desmoronar a amizade deles.

    ANÁLISE

    O filme que presta uma homenagem não apenas à Chico Buarque, mas ao samba como um todo, apresenta um dos elementos mais icônicos da música brasileira, o samba – um gênero construído quase que inteiramente como uma forma de resistência.

    Funcionando bem como uma adaptação da música de Chico, o filme independente e de baixo orçamento nos apresenta uma história singela e respeitosa tanto ao legado de Chico Buarque, como ao samba. Com rimas narrativas que casam não apenas com os arcos do filme, mas também com a música composta em 1966, O Pai da Rita nos apresenta uma história divertida.

    “A RITA LEVOU MEU SORRISO, NO SORRISO DELA”

    Rita

    A trama que nos apresenta uma longeva amizade, nos leva em uma viagem de representatividade e resistência. O protagonismo de Ailton Graça e Wilson Rabelo permitem que a trama alce ares interessantes para uma trama simples de ser resolvida.

    A presença da Ritinha (Jéssica Barbosa) na trama, se dá por meio de inserções bem feitas – e nos apresenta uma mulher que depois de adulta, decide ir atrás de suas raízes e encontrar seu próprio caminho ao resolver percalços do passado.

    O longo vem como um respiro em meio às produções estadunidenses que não param de inundar o cinemas brasileiros. Assim como o Medida Provisória de Lázaro Ramos, O Pai da Rita mostra a força que o cinema nacional pode ter, e que ele nem sempre precisa se levar a sério.

    “LEVOU OS MEUS PLANOS, MEUS POBRES ENGANOS”

    A trama contida no longa, é autocentrada e seu ciclo se encerra em seus minutos finais. Uma das coisas que mais me cativam em uma produção, é ver a evolução dos personagens do início até o fim. O Pudim (Ailton Graça) e o Roque (Wilson Rabelo) são uma bela diversão e te trarão muitas risadas.

    Ainda que o trailer entregue toda a trama do filme, as relações que se formam são deixadas de fora e essas relações e roteiros são os momento que Joel Zito dá espaço para seus atores brilharem.

    Testemunhar a presença de Léa Garcia e Elisa Lucinda em um longa que homenageia não apenas o samba, mas também louva o trabalho de Chico Buarque e funciona como um farol de resistência é algo que merece ser citado.

    VEREDITO

    O Pai da Rita é divertido desde seus primeiros minutos. Sua abertura com colagens e montagens, com “A Rita” tocando de fundo dão ao filme seu tom leve e divertido que se estenderá por seus 101 minutos de duração.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Confira o trailer do filme:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    Superman: Possíveis vilões do novo filme do Homem de Aço

    Superman ganhará um novo filme. Apesar de quase todo o elenco do filme ter sido anunciado, os vilões ainda são mantidos em segredo.

    TBT #272 | ‘O Exterminador do Futuro’ é terror desesperador e ação absoluta

    'O Exterminador do Futuro' foi criado como um temor em relação ao futuro. E se as máquinas dizimassem a humanidade e colocasse nossa única...

    TBT #271 | ‘Dupla Explosiva’ já é clássico de ação com explosões e comédia exagerada

    Dupla Explosiva é clássico de ação repleto de absurdo e estrelas do cinema. Nele, acompanhamos Michael Bryce e Darius Kincaid.

    Duna: Parte Dois consegue a maior estreia desde Barbie, e já se consagra como um dos grandes sucessos de 2024

    Apesar de estarmos no terceiro mês do ano, Duna: Parte Dois conseguiu, em quatro dias desde a sua estreia, tornar-se a maior bilheteria de 2024.