CRÍTICA – O Peso do Talento (2022, Tom Gormican)

    O Peso do Talento, também conhecido como o filme do Nicolas Cage, é dirigido por Tom Gormican, que também participa do roteiro com Kevin Etten. Além de Cage, o elenco principal conta com Pedro Pascal (The Mandalorian), Tiffany Haddish (Rainhas do Crime) e Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother).

    O longa estreia nos cinemas no próximo dia 12 de maio.

    SINOPSE DE O PESO DO TALENTO

    Sofrendo por não conseguir mais papéis como antes, não ter mais a fama de antes, estando insatisfeito com a vida e prestes a cair na falência, a versão ficcional de Nicolas Cage chega no fundo do poço e se mete em uma aventura que ultrapassa todos os seus papéis já feitos.
    Ele acaba aceitando 1 milhão de dólares como sua última fonte de renda e o dinheiro vem de Javi (Pedro Pascal), um superfã e fanático pelo ator, mas extremamente perigoso.

    As coisas tomam um rumo inesperado quando Cage é recrutado por um agente da CIA (Tiffany Haddish) e forçado a viver de acordo com sua própria lenda, canalizando seus personagens mais icônicos e amados na tela para salvar a si mesmo e seus entes queridos.

    ANÁLISE

    Na história da humanidade várias são as perguntas que não possuem respostas concretas. “Nós estamos sozinhos na galáxia?”, “Quando pegamos no sono, para onde nós vamos?”, “Quem veio primeiro: o ovo ou a galinha?”. Mas, certamente, a maior pergunta de todas e que assombra a nossa existência até hoje é: Nicolas Cage é um bom ator?

    Em O Peso do Talento, Tom Gormican e Kevin Etten se propõem a navegar pela rica filmografia de Cage, que passa por grandes blockbusters, filmes de baixo orçamento e indies aclamados. Com o ator interpretando uma versão ficcional de si mesmo, nós acompanhamos os altos e baixos de sua vida, tanto no âmbito pessoal, quanto profissional.

    Nicolas Cage disse em uma entrevista que não queria interpretar esse papel, achando a ideia de ter outro ator no projeto algo muito interessante. Entretanto, não faria sentido que esse filme tivesse outro protagonista, pois é exatamente o método de atuação de Cage, suas nuances e excentricidades, que fazem de O Peso do Talento algo tão divertido, envolvente e, por que não dizer, único.

    Mesmo que a trama seja conduzida utilizando vida e obra de Cage como base, o filme consegue ser abrangente em seus arcos e explorações. Além de ter uma veia cômica, o longa também transita pelo gênero investigativo e de ação, tornando a experiência acessível para todos os públicos. Portanto, se você não assistiu nada além dos filmes mais conhecidos de Cage, não se sentirá tão perdido ao acompanhar a trama.

    No roteiro, o premiado ator de Hollywood é contratado para participar da festa de aniversário de Javi, interpretado por Pedro Pascal. Os dois formam uma grande amizade, pois além de Javi idolatrar a carreira de Cage, ele também possui um gosto apurado para o cinema em geral. A improvável amizade é ameaçada pelo governo americano, que coloca o ator em uma missão para investigar os negócios clandestinos de Javi.

    A partir deste plot, tudo o que vem depois são situações absurdas e extremamente engraçadas, permitindo que o espectador se divirta com a ótima química de Pascal e Cage durante as cenas. Se esse filme tinha tudo para ser um grande desatino, ele pelo menos é um desatino que dá certo, sendo por vezes uma carta de amor ao trabalho de Cage ao longo das décadas.

    Vale destacar também os atores secundários Tiffany Haddish e Neil Patrick Harris que, apesar de serem coadjuvantes de luxo, conseguem agregar à história sem desvirtuar o núcleo central da trama.

    Outro ponto positivo de O Peso do Talento é a sua curta duração. São apenas uma hora e 48 minutos de filme, com um roteiro afiado e que possui ótimo timing de comédia. Pedro Pascal é quem mais aproveita o roteiro, fazendo de Javi um fanboy gentil e apaixonado por seu ídolo. Cage, por outro lado, age apenas como ele mesmo, o que acaba por ser uma ótima atuação.

    Se você não é muito fã dos trabalhos de Cage, é possível que a produção derrube a sua resistência aos filmes mais recentes do ator, criando uma certa curiosidade e interesse pela filmografia. Se você é fã, sinta-se abençoado, pois essa é provavelmente a versão definitiva de que Nicolas Cage é o melhor por ser, apenas, ele mesmo.

    VEREDITO

    Ao não se levar a sério e abrir espaço para que fãs e não fãs de Nicolas Cage aproveitem a jornada desta história, O Peso do Talento se torna uma das comédias mais interessantes do ano. É uma produção que certamente merece o seu o view.

    Nossa nota

    4,0 / 5,0

    Assista ao trailer de O Peso do Talento:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Instinto Assassino (2022, David Hackl)

    Instinto Assassino é um filme original da Netflix e conta com a direção de David Hackl, além de Mel Gibson e Famke Janssen no elenco.

    CRÍTICA – Tico e Teco: Defensores da Lei (2022, Akiva Schiffer)

    Mais de três décadas após o cancelamento da série animada, Tico e Teco: Defensores da Lei agora tem um novo filme disponível no Disney+.

    CRÍTICA – Top Gun: Maverick (2022, Joseph Kosinski)

    Mais de três décadas se passaram do clássico Top Gun: Ases Indomáveis (1986) e agora Tom Cruise está de volta com Top Gun: Maverick!

    Noites Sombrias #67 | Jason Vai Para o Inferno: A Última Sexta-Feira 13 (1993, Adam Marcus)

    Jason Vai Para o Inferno é o sexto filme da franquia de um dos ícones da cultura pop e que trouxe um misto de sentimentos na crítica.