Início FILMES Crítica CRÍTICA – O Tigre Branco (2021, Ramin Bahrani)

CRÍTICA – O Tigre Branco (2021, Ramin Bahrani)

O Tigre Branco

O Tigre Branco é um longa da Netflix que está concorrendo ao Oscar de 2021 na categoria de Melhor Roteiro Adaptado.

SINOPSE

Balram (Adarsh Gourav) é um jovem ambicioso que nasceu em condições precárias na Índia. Ao ver o sucesso da família de um magnata inescrupuloso, ele agora quer fazer parte desse império. Entretanto, ele terá que ir além de suas crenças e valores para chegar ao topo.

ANÁLISE

O Tigre Branco é um longa que veio com tudo para o Oscar, uma vez que tem diversas qualidades em sua estrutura. O fato de trazer personagens cinzas e cheios de camadas é um dos pontos cruciais para que o filme funcione.

Com uma base forte pautada na religião, política, economia e corrupção, a obra nos faz pensar em diversos aspectos do nosso cotidiano. Por meio de diversas metáforas, O Tigre Branco nos dá um tapa na cara sobre nossas escolhas de vida. Mostrar que somos um monte de galinhas indo para o abate que, mesmo sabendo que vamos morrer, não fazemos nada a respeito. O fato de aceitarmos alguns trocados para sermos humilhados todos os dias e sermos obrigados a nos digladiar diariamente por um punhado de reais, dólares, rúpias, por exemplo, nos torna mesquinhos.

O Tigre Branco tem excelentes atuações por parte de Adarsh Gourav, que dá muita veracidade ao seu protagonista que tem diversos momentos cruéis, mas completamente entendíveis da nossa parte. Pinky, vivida por Priyanka Chopra, é uma mistura do bem e do mal, pois em diversos momentos é justa, porém, em tantos outros é hipócrita. Fechando o arco de atuações, temos Rajkummar Rao, como Ashoka, que é o pior tipo de patrão, pois é aquele que nos abraça e nos apunhala.

DIREÇÃO E ROTEIRO DE O TIGRE BRANCO 

A direção e roteiro Ramin Bahrani são muito competentes, uma vez que nos fazem ter momentos grandes de reflexão. Ao mostrar a pobreza humana e a hipocrisia dos ricos, o cineasta consegue ir no cerne de uma questão extremamente relevante como a desigualdade social.

O fato do capitalismo predatório e do comunismo hipócrita é muito bem apresentado, visto que o único objetivo de quem nos governa aqui é ter poder, que se ferre quem está na base para ser pisado.

Contudo, o segundo ato é arrastado e possui algumas barrigas, uma vez que algumas cenas ficam sobrando no filme. O Tigre Branco poderia ter tranquilamente uns 20 minutos a menos em sua composição.

VEREDITO

O Tigre Branco é um longa que tem uma mensagem poderosa e uma trama surpreendente por sua verossimilhança com a nossa realidade, pois aborda a relação de suserania e vassalagem do cotidiano da sociedade.

Por mais que o longa escorregue em alguns momentos, há também muita qualidade estética e de narrativa, pois o diretor sabe o que está fazendo.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Confira o trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.