Início FILMES Crítica CRÍTICA – Pacarrete (2019, Allan Deberton)

CRÍTICA – Pacarrete (2019, Allan Deberton)

Pacarrete

Uma das maiores forma de resistência diante a momentos tensos da vida e do mundo, é a arte. Pacarrete conta a história de uma excêntrica bailarina, moradora de Russas, no sertão do Ceará que vê na festa de 200 anos da cidade, a chance de mostrar o que é realmente capaz de fazer no palco.

A personagem central do filme é brilhantemente vivida por Marcélia Cartaxo (A Hora da Estrela, Madame Satã e A História da Eternidade). Pacarrete nos causa um estranhamento em seus primeiros momentos, mas logo estabelece a razão da personagem ser como ela realmente é, ranzinza e turrona.

A beleza e a singeleza do filme se faz quando notamos o quão profunda a personagem é, nos mostrando que uma professora aposentada de balé que é apaixonada pelo seu ofício mesmo depois de muito tempo sem exercê-lo, ainda tem a intenção de ter seu grande estouro.

Com o cuidado de Allan Deberton, o talento de Cartaxo e o suporte de atores secundários como o brilhante João Miguel, Zezita de Matos e Soia Lira, vemos o quão longe o diretor e a trama pode ir, a fim de estabelecer quem aqueles personagens são, e como eles se encaixam no mundo de uma personagem peculiar.

Pacarrete

A forma como o filme mostra a resistência da personagem diante da brutalidade de um mundo em que seus sonhos foram negados, talvez por uma chance de ir além, ou até mesmo uma pequena falta de talento, não a impedem de sonhar.

Com a aproximação da festa de 200 anos de sua cidade, Pacarrete testemunha aos poucos sua última chance se esvaindo, enquanto lida com um persistente e mais profundo pesar por ver seus sonhos escorregarem por entre seus dedos.

VEREDITO

Pacarrete é um filme pesaroso, mas inspirador, pois coloca dentro de nós uma mensagem que a personagem carrega até seus últimos minutos em tela. A brilhante atuação de Marcélia Cartaxo fazem Pacarrete ser tão palpável quanto possível, nos fazendo tanto identificar com algum aspecto da personalidade da personagem, quanto criando uma simpatia pela mesma.

A facilidade que o filme te faz sorrir, é a mesma com a qual o diretor parece tirar o chão sob seus pés diante momentos decisivos do filme. 

A incrível direção de Deberton aliada ao talento de Cartaxo colocam o peso necessário em momentos decisivos do filme, tornando tanto a alegria, quanto o encanto e a frustração quase que tangíveis para quem está do outro lado da tela, nos emocionando imensamente.

Nossa nota

4,5 / 5,0

Confira o trailer do filme:

Pacarrete estreia hoje em cinemas de todo o Brasil. Em 2019, o filme ganhou 8 kikitos no Festival de Gramado, incluindo na categoria “Melhor Filme Longa-Metragem”.



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | His Dark Materials: S2E2 – The Cave
Próximo artigoDash e Lily: Por que amamos romances natalinos?
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!