Início FILMES Crítica CRÍTICA – Radioactive (2019, Marjane Satrapi)

CRÍTICA – Radioactive (2019, Marjane Satrapi)

CRÍTICA – Radioactive (2019, Marjane Satrapi)

Radioactive é o novo filme estrelado por Rosamund Pike e que está disponível na Netflix. Lançado originalmente em 2019 nos Estados Unidos, o longa dirigido por Marjane Satrapi é uma cinebiografia sobre a polonesa Marie Curie, cientista que ganhou o Prêmio Nobel duas vezes por suas descobertas nos campos da física e da química.

SINOPSE

Movida por uma mente brilhante e uma grande paixão, Marie Curie (Rosamund Pike) embarca em uma jornada científica com o marido, Pierre (Sam Riley). Suas descobertas vão mudar o mundo.

ANÁLISE

Radioactive acompanha a história de Marie Curie desde a sua infância até a sua morte. Com uma montagem que mescla acontecimentos de sua vida com as consequências de suas descobertas no futuro, o longa busca apresentar a história de uma das maiores cientistas que o mundo já viu.

Além de sua carreira, o roteiro de Jack Thorne traz também o lado pessoal da vida de Marie. Perseguida e massacrada pela mídia e opinião pública, a cientista duas vezes vencedora do Prêmio Nobel sofreu diversos preconceitos ao longo de sua jornada. Mesmo sendo excluída, minimizada e agredida, Marie doou sua vida em prol da ciência, construindo um legado que perdura até os dias atuais.

A cinebiografia é interessante e busca caminhos pouco óbvios na condução de sua trama. Apesar de ter um ritmo acelerado e não se aprofundar em quase nenhuma fase da vida de Marie, a produção consegue contemplar todas as descobertas de sua carreira e também suas crises.

Por se tratar de uma adaptação de uma pessoa histórica, há também espaço para dramatização em alguns momentos, humanizando a figura aos olhos do público. Sua relação com as filhas e o amor por seu marido Pierre são os pontos que mais trazem momentos dramáticos.

CRÍTICA – Radioactive (2019, Marjane Satrapi)

São nessas cenas que a atuação de Rosamund Pike cresce. A atriz, que já foi indicada ao Oscar por seu papel em Garota Exemplar, raramente peca em suas atuações, entregando ótimas cenas e se adequando a cada personagem que interpreta. Sua Marie Curie é tímida, mas ao mesmo tempo destemida, sempre mantendo um balanço entre a raiva e a satisfação a cada desafio ultrapassado.

Sam Riley e Anya Taylor-Joy também se saem bem dentro do que é proposto pelo roteiro. Apesar de Anya ter menos tempo de tela que Riley, conseguimos entender um pouco sobre a vida de Irene (uma das filhas de Marie Curie) e como aquela família carregou o legado de estudar e aperfeiçoar o entendimento sobre a radioatividade.

Outro ponto interessante é como a montagem traz elementos do futuro para o mesmo contexto em que a obra se situa. É o caso da catástrofe na usina de Chernobyl e a bomba atômica que devastou Hiroshima. Ao mesmo tempo em que vamos aprendendo sobre os elementos descobertos por Marie e Pierre, e como a humanidade testou essas substâncias até entender realmente suas consequências; as cenas das catástrofes são apresentadas, bem como as conquistas da ciência em tratamentos contra diversas doenças.

Mesmo que esse seja um trunfo interessante do longa, ele também acaba causando uma sensação de confusão. Como há um vai e vem de períodos históricos, em alguns momentos é difícil entender quanto tempo se passou entre um acontecimento e outro na vida de Marie Curie.

A ambientação de cenários, roupas e objetos de época é bem produzida, apesar de não ser um grande destaque do filme. A iluminação verde, combinando com o elemento químico Rádio, está presente em vários momentos da trama. A iluminação, na verdade, é quase um elemento vivo de Radioactive, sendo usada como forma de destacar tanto os momentos de genialidade de Marie, como também suas quedas e lutos.

VEREDITO

Radioactive é uma boa cinebiografia sobre esse grande ícone da história mundial. Apesar de ter um roteiro corrido e com pouco aprofundamento da personagem, a atuação de Rosamund Pike e o legado de Marie Curie valem o seu stream.

Nossa nota

3,5/5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorTBT #120 | Reino do Superman (2019, Sam Liu)
Próximo artigoLove, Death & Robots: Unreal Engine da Epic está sendo usada para episódio!
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.