CRÍTICA – Raya e o Último Dragão (2021, Carlos López Estrada e Don Hall)

    Raya e o Último Dragão é a nova animação da Disney. Disponibilizada mediante pagamento na plataforma premium do Disney+, a produção traz Kelly Marie Tran e Awkwafina no elenco de dublagem.

    SINOPSE

    Em um reino conhecido como Kumandra, uma Terra reinventada e habitada por uma antiga civilização, uma guerreira chamada Raya (Kelly Marie Tran) está determinada a encontrar o último dragão.

    ANÁLISE

    É sempre prazeroso ver uma animação protagonizada por personagens fora do padrão instituído pela Disney durante décadas, que invisibilizava quem estava fora daquele modelo. Em Raya e o Último Dragão temos um elenco asiático dando vida aos principais personagens da trama, que possui diversos elementos místicos da cultura oriental em sua concepção.

    Usando como mote a existência dos dragões em uma época muito distante, o longa constrói uma história inteligente sobre justiça, confiança e ajuda mútua, exaltando que nós, seres humanos, podemos ser melhores se soubermos trabalhar juntos. Mesmo com todas as incertezas, é necessário darmos o primeiro passo – que normalmente é o mais difícil.

    É impossível não associar a trama de Raya com o nosso contexto atual de pandemia. A fragmentação de uma mesma terra por causa do egoísmo nos remete e muito à nossa realidade, em que todos os dias perdemos mais e mais vidas devido à falta de companheirismo entre os povos. A utopia de união em prol de um bem maior acaba se tornando um gatilho emocional para os adultos que assistem ao filme.

    Tanto Raya quanto Sisu (Awkwafina) são personagens valentes e simpáticos, despertando no espectador sentimentos de felicidade e angústia ao longo da produção. Por sua vez, Namaari (Gemma Chan) vai além, externando medos e inseguranças em um contexto em que sobreviver é a única alternativa. Além disso, a Disney conseguiu desenvolver um grupo interessante de personagens secundários, que possuem traumas e motivações tão profundas quanto os principais.

    Raya e o Último Dragão é um lançamento original Disney+ que retrata a cultura e a mística asiática em uma história emocionante

    O roteiro de Raya e o Último Dragão é assinado por diversos profissionais, e é possível ver o quanto o trabalho foi bem estruturado. Cada cidade apresentada ao longo de Kumandra possui características específicas, com suas crenças, vestimentas e cultura. É um belíssimo trabalho de construção de cenário, pois não se preocupa em apenas desenvolver uma trama principal, como também mostrar as especificidades de cada região retratada.

    Com a inserção de uma nova princesa no hall da Disney, Raya amplia a identificação dentro do universo de animações. É visível que a empresa vem retratando diversas culturas ao longo dos anos, ampliando seu catálogo e se tornando mais diversa. Raya é mais um grande acerto nesse sentido.

    Infelizmente a produção não está disponível para todos. Com um alto custo para ser assistida durante um ano de pandemia (já fazendo parte de uma plataforma paga), é uma pena que a mensagem de união e solidariedade acabe ficando restrita.

    VEREDITO

    Raya e o Último Dragão possui todos os elementos mágicos que nos tornaram uma geração de apaixonados pelas produções Disney. Alicerçada no sentimento de esperança, a animação mostra que quando queremos conquistar algo, tudo o que precisamos fazer é dar o primeiro passo.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Assista ao trailer:

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA: ‘O Mal que nos Habita’ um álbum de death metal em formato de filme de terror

    O Mal que nos Habita é o mais novo longa de horror argentino que tomou o mundo. Repleto de body horror e sequências de terror, você se surpreenderá.

    TBT #265 | ‘Kill Bill’ é um clássico atemporal de vingança

    Kill Bill Vol. 1 é estrelado por Uma Thurman no papel da Noiva, uma heroína em busca de vingança por tudo que foi tirado dela.

    CRÍTICA: ‘Segredos de um Escândalo’ instiga, mas falha ao entregar narrativa incômoda

    Segredos de um Escândalo é o mais novo suspense estrelado por Julianne Moore e Natalie Portman. O longa adapta uma história real.

    TBT #264 | ‘Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal’ diverte, mas falha em entregar legado

    Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal é um dos muitos longas legados lançados nos anos 2000. O longa acompanha o amado Indy.