Início FILMES Crítica CRÍTICA – Zona de Confronto (2021, Frederik Louis Hviid e Anders Ølholm)

CRÍTICA – Zona de Confronto (2021, Frederik Louis Hviid e Anders Ølholm)

CRÍTICA - Zona de Confronto (2021, Frederik Louis Hviid e Anders Ølholm)

O longa dinamarquês Zona de Confronto (Shorta), que foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Veneza em 2020, está disponível para compra e aluguel nas principais plataformas digitais. Dirigido pela dupla Frederik Louis Hviid (Bedrag) e Anders Ølholm (Garoto-Formiga), Zona de Confronto foi um dos três concorrentes à indicação da Dinamarca ao Oscar 2021.

SINOPSE

Durante uma operação policial em um bairro de imigrantes árabes, um jovem é ferido por oficiais. A comunidade fica indignada e clama por justiça. A polícia, preocupada com uma possível insurreição na cidade, aumenta o número de viaturas nas ruas para manter a ordem.

Os policiais Jens (Simons Sears) e Mike (Jacob Hauberg Lohmann) acabam encurralados durante a patrulha, já que a violência escala após a revelação de novas e chocantes informações sobre a ação do dia anterior. Presos em um acerto de contas e envolvidos em uma guerra cultural, os dois precisam encontrar uma forma de sair daquele ambiente e permanecerem vivos.

ANÁLISE

Zona de Confronto explora diversos acontecimentos ao longo de 24 horas. A construção do roteiro de Anders Ølholm e Frederik Louis Hviid, que também são os diretores da produção, é objetiva, mas possui uma sequência de fatos que causam pouca surpresa.

Jens e Mike são dois oficiais que precisam trabalhar juntos após os acontecimentos que causaram a morte do adolescente Talib Ben Hassi. Sem explicitar a forma como o adolescente foi torturado, o longa nos conduz pelos pormenores corruptos que mantêm o silêncio e a proteção dos policiais frente à tragédia ocorrida.

Mike é o estereótipo do policial corrupto e bruto, ao passo que Jens é um oficial sério, dedicado e que quer proteger a população. A união dos dois em um bairro sitiado, fugindo da violência das manifestações, expõem diversos pontos de vista sobre o impasse entre policiais e civis.

Em determinado momento da trama, a adição de Amos (Tarek Zayat) na jornada acaba funcionando como um “personagem guia”, explicando pontos que possam facilitar no desenrolar dos acontecimentos. Entretanto, a dinâmica entre os três personagens, que acabam angariando outros coadjuvantes em sua peregrinação pela cidade, acaba tornando a condução da história vagarosa.

CRÍTICA - Zona de Confronto (2021, Frederik Louis Hviid e Anders Ølholm)

Toda a tensão que o thriller deveria propor fica em segundo plano, dando mais espaço para dramas existenciais e possíveis redenções. A ameaça dos grupos de civis não causa tanto impacto, e é difícil ter alguma empatia até mesmo pelo policial “bonzinho”. Com esses atrasos na condução da metade final do filme, o desfecho fica aquém do esperado.

As atuações de Simons Sears, Jacob Hauberg Lohmann e do jovem Tarek Zayat são boas e bem conduzidas. Entretanto, as cenas de luta deixam muito a desejar, e é perceptível alguns truques de movimento entre um soco e outro.

VEREDITO

Zona de Confronto possui uma ideia criativa, mas peca em alguns pontos de seu desenvolvimento. Mesmo assim, é um bom entretenimento.

Nossa nota

3,0/5,0

Assista ao trailer de Zona de Confronto:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | João de Deus – Cura e Crime (1ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoNoites Sombrias #29 | Quem tem medo de Candyman?
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.