Início FILMES Crítica Noites Sombrias #40 | Audição (1999, Takashi Miike)

Noites Sombrias #40 | Audição (1999, Takashi Miike)

Audição

Audição é um filme de terror japonês, dirigido pelo aclamado Takashi Mike, com título original Odishon, a obra foi lançada em 1999, apesar de tanto tempo, continua sendo tão pesado que muitos não conseguem assistir todas as cenas.

Bateu a curiosidade? Tranque as portas, porque, você está entrando no mundo bizarro das Noites Sombrias.

SINOPSE

Após 10 anos da morte da sua esposa, Aoyoma (Ryo Ishibashi), um homem bem-sucedido de meia-idade, resolver escutar os pedidos do seu filho adolescente, e pensa em procurar uma namorada, para no futuro ser a sua esposa.

Com a ajuda de um amigo, Yoshikawa (Jun Kunimura), escolhem uma forma bem inusitada de procurar uma amada, porque, criam todo um plano para encontrá-la através de uma audição para um filme.

ANÁLISE

O Yoshikawa cria um falso projeto para um filme, em que nele teria uma personagem principal, tudo com o objetivo que seu velho amigo Ayoma pudesse escolher uma mulher para se relacionar, de acordo com suas exigências físicas e culturais.

Portanto, por um tempo acompanhamos essa busca pela que seria a esposa ideal, pois, apesar de Aoyoma não ser nada atrativo, carismático ou poder colaborar de forma positiva na vida de alguém, com exceção do seu dinheiro.

Ele possui muitas expectativas, melhor dizendo, atributos que considera obrigatórios, o primeiro que causa repulsa é a necessidade que tem de focar o tempo todo que só será escolhida se não passar dos 30 anos.

Logo, vemos uma série de candidatas que sem saber que estão sendo enganadas, passam por entrevistas, em alguns momentos, bem estranhamente íntimas, mas mesmo em meia a tantas, Aoyoma consegue ficar encantado por uma.

Assim, somos encaminhados por um estranho começo de relação entre a jovem Asami (Eihi Shiina) e seu que era para ser chefe, mas se tornou namorado, com um tom de suspense, começamos a ficar incomodados como o homem coloca toda sua experiência de vida para influenciar as decisões de sua nova (literalmente) amada.

Porém, o incomodo não para por aí, porque, a curiosidade sobre a vida de Asami começa a surgir, nessa busca por aproximação, somos tragados por vários buracos que nos deixam cada vez mais presos a trama, tentando encaixar as peças jogadas.

Alguns acontecimentos descobertos por Aoyoma são tão bizarramente violentos, que ficamos nos questionando o motivo de ele não ter desistido. Mas, até que ponto vai à sede de um homem pelo corpo de uma mulher?

O mais fantástico de Audição, são as informações iniciais, apresentadas, que possuem um tom sútil, não mostrando uma violência absurda, mas engana-se que é muito lento, pois, o filme tem um ritmo perfeito que dança entre um equilíbrio que não te deixa piscar.

Quando pensamos que será apenas mais um filme de suspense, somos devorados por cenas grotescas. Sim! Esse não é uma obra para fracos e até muitos fortes vão desistir.

No começo você pode até achar justo acontecer tudo com pessoas tão desprezíveis, mas a violência fica tão presente e sangrenta, que muda rapidamente de opinião, porque, Takashi Miike não é considerado polêmico a toa.

Tem que esbanjar toda a sua capacidade de colocar cenas perfeitamente nojentas.

VEREDITO

audição

Assim, como o diretor Sion Sono (Floresta de Sangue), Tadashi Miike não tem dó de abusar das cenas com apelos Ero Guro, que se acompanha nossos artigos já sabe o que é.

Portanto, Audição é um filme bem pesado, que começa de um jeito bem sútil e com suspense, mas que nos traumatiza com extrema brutalidade.

Nossa nota

5,0/5,0

Confira o trailer de Audição:

Inscreva-se no YouTube do Feededigno
Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA – Star Trek: Lower Decks (1ª temporada, 2020, Paramount+)
Próximo artigoCRÍTICA – Hellbound: Profecia do Inferno (1ª temporada, 2021, Netflix)
Carioca do interior, imigrante em BH que ama desenhar e apreciadora de cerveja de buteco, que luta para não falar "uai" e não falar muito mas acaba falhando; tipo agora.