Início FILMES Crítica TBT #102 | Cats (2019, Tom Hopper)

TBT #102 | Cats (2019, Tom Hopper)

Cats é um filme que teve a estreia no dia 25 de dezembro de 2019 nos cinemas brasileiros e é dirigido por Tom Hooper (Os Miseráveis).

SINOPSE

Victoria (Francesca Hayward) é uma gata que foi abandonada pela sua dona nas ruas. Ela acaba sendo acolhida pelos Jellicles Cats, um grupo que tem o objetivo de se apresentar em um festival promovido pela Velha Deuteronomy (Judi Dench) para chegar ao paraíso dos gatos. Todavia, o gato feiticeiro, Macavity (Idris Elba) vai tentar de tudo para trapacear e chegar ao local sagrado.

ANÁLISE

Todo ano temos os chamados Oscar Baits, obras que tem o intuito de adquirir diversas indicações, pois agradam a Academia em diversos aspectos.

Cats, por exemplo, chamou um diretor renomado, um elenco de primeira linha, misturando atores consagrados, bailarinos e cantores de grande sucesso para trazer ao cinema uma peça que é um sucesso na Broadaway

Entretanto, Cats é um dos maiores desastres da história da sétima arte! Nada se salva nessa tenebrosa cadeia de erros.

Começando pela protagonista… Francesca Hayward é uma bailarina sublime, contudo, uma péssima atriz. A todo o momento ela está fazendo passos involuntários de balé, com a perna em plié ou esticada. Sua falta de técnica é algo surreal, pois ela não consegue mostrar mais do que duas expressões: surpresa ou tristeza. 

Tristeza, aliás, é uma boa palavra que sentimos ao terminar o longa pelo tempo perdido. Por mais que tenha 01h50min, Cats parece ter muito mais por conta de suas intermináveis músicas sem sentido e números ainda mais bizarros.

O maior destaque vai para as canções de Jason Derulo e Rebel Wilson. O primeiro por fazer uma música sexualizada de quase quatro minutos para falar de leite… já a segunda come baratas humanoides com um traje esquisito, cheio de piadas gordofóbicas e pastelonas, por exemplo, só para mostrar que a gata gordinha é desajeitada, algo vergonhoso.

E CATS PIORA AINDA MAIS!

“Mas tudo que acontece de ruim pode piorar” e Cats leva isso muito a sério! Se a vergonha alheia de astros como Judi Dench e Ian McKellen não for o suficiente para você, o CGI bizarro pode ser o suficiente para te fazer ficar completamente perplexo.

O filme passou por diversos adiamentos e remasterizações depois que o trailer foi achincalhado nas redes sociais. Contudo, não foi o suficiente, pois os movimentos são mecânicos, as dimensões dos objetos em tela é extremamente desproporcional e os rostos dos atores não encaixa em seus corpos computadorizados. O aplicativo de troca de rostos na internet é muito mais eficiente que o CGI de Cats, por exemplo.

Sobre roteiro, bem ele não existe. Você assiste o longa inteiro e consegue entender do que se trata, visto que em 40 minutos de filme, ainda não conseguimos sequer saber do que se trata a história, uma vez que apenas temos um amontoado de irritantes números musicais desconexos.

E para finalizar, se ainda houvesse um indicativo de que o filme era um Oscar Bait, ele consiste na atuação de Jennifer Hudson. A atriz é talentosa, isso é inegável, entretanto, ela destoa TANTO do tom de Cats que é muito engraçado quando a sua personagem entra em cena. A busca incessante por uma indicação de atriz coadjuvante no maior prêmio de Hollywood mostra o quão desesperado estava Tom Hopper.

VEREDITO

Cats é uma das maiores tragédias da história do cinema. Com um elenco talentoso completamente desperdiçado, a obra com certeza estragou o Natal de muitas pessoas. 

Nossa nota

0,1 / 5,0

Confira o trailer desta tranqueira:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – O Reino Gelado: A Terra dos Espelhos (2019, Aleksey Tsitsilin e Robert Lence)
Próximo artigoAttack on Titan: 4ª temporada começa eletrizante e a guerra é iminente
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.