Início FILMES Crítica TBT #105 | As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl (2005, Robert Rodriguez)

TBT #105 | As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl (2005, Robert Rodriguez)

TBT #105 | As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl (2005, Robert Rodriguez)

As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl está disponível na Netflix, assim como a sequência Pequenos Grandes Heróis que estreou no dia 25 de dezembro. No elenco estão Taylor Lautner, Taylor Dooley e Cayden Boyd.

SINOPSE

Max (Cayden Boyd) é um solitário garoto de 10 anos, que se perde em seu próprio mundo de fantasia para escapar das confusões diárias decorrentes do contato com seus pais, dos valentões da escola e das férias de verão nem um pouco divertidas. Porém, quando Max descobre que os super-heróis que existem em sua imaginação podem ser bem mais reais do que ele imaginava, seu mundo se transforma completamente. Max parte em uma viagem interplanetária rumo ao planeta Baba, onde conhece Sharkboy (Taylor Lautner) e Lavagirl (Taylor Dooley).

ANÁLISE

No saudoso ano de 2005, As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl foram uma febre entre as crianças. Basta imaginar o quanto era fantástico um mundo onde é possível sonhar e ter todos os seus desejos realizados. Dessa forma, as histórias de Max ganhavam forma no planeta Baba, ainda que todos os adultos e também algumas crianças insistissem em desacreditar Max. 

Sendo assim, Sharkboy e Lavagirl representam também aquela nostalgia de chegar em casa depois da escola e assisti-lo na Sessão da Tarde. Mas nem só de lembranças vivem esse filme, apesar de ser extremamente datado e com efeitos em 3D horríveis, consegue ser divertido e extremamente piegas. 

Mas, para aproveitar ao máximo Sharkboy e Lavagirl devemos ter uma mente aberta e aceitar que é um filme infantil estilo Nickelodeon. O roteiro é simples, Max acredita que Sharkboy e Lavagirl existem, mas seus pais o reprimem. Na escola, apenas sua amiga Marissa (Sasha Pieterse) parece acreditar no garoto, já seu colega Minus (Jacob Davich) e seu professor Sr. Eletricidad (George Lopes) atuam como antagonista de Max. 

Nesse sentido, o ambiente escolar de Max se revela apenas como uma ponte para seus reais problemas. Após seu professor afirmar que Sharkboy e Lavagirl não existem, os dois chegam na escola pedindo a ajuda de Max já que o planeta que ele criou está sendo atacado.

Ainda que a chegada daquelas duas crianças com poderes estranhos seja extremamente estranha, o filme abraça com carinho uma pegada lúdica. No planeta Baba, Max precisa ajudar os dois amigos a derrotarem Mr. Eletricidad que está impedindo as crianças de sonharem. É interessante perceber o quanto o mundo real de Max se choca com seu mundo criado.

No planeta Boba todos os seus problemas como o divórcio dos pais e não ser aceito na escola se materializam como personagens. Seus pais são gigantes felizes que bebem leite e comem biscoitos, seu professor é um vilão que vê Max apenas como um garoto irritante e Marisa é uma jovem princesa. Aos 12 anos, toda criança tem seus conflitos, visto que estão passando da infância para a adolescência. Logo, ainda que seja de forma infantil, essas questões são vistas em Max.

Sharkboy e Lavagirl são personagens que estão em busca de suas identidades e origens, algo também comum nessa idade. Nesse sentido, Sharkboy deseja reencontrar seu pai que se perdeu no oceano e Lavagirl descobrir se de fato é uma pessoa má. Essas buscas dos personagens revelam o quanto eles dependem de Max e que precisam passar por essa jornada para crescerem.

Consequentemente, Sharkboy, Lavagirl e Max formam um ótimo trio compensando as falhas uns dos outros. É uma ótima forma de ensinar as crianças sobre assuntos básicos como amizade e ir em busca de si mesmo. Além disso, é um filme divertido que assume seus clichês. Ao final, acabamos aprendendo com os protagonistas e entendo sonhar é extremamente importante em todas as idades.

VEREDITO

As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl carrega efeitos e um roteiro que talvez não funcione com as crianças de 2020. Mas, trazem a sensação de saudosismo aos jovens adultos que cresceram com esse filme.

Para assistir a continuação feita pela Netflix, vale a pena revisitar esse clássico infantil.

Nossa nota

2,0 / 5,0

Assista ao trailer:



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.