Início FILMES Crítica TBT #133 | Cegos, Surdos e Loucos (1989, Arthur Hiller)

TBT #133 | Cegos, Surdos e Loucos (1989, Arthur Hiller)

Cegos, Surdos e Loucos

Cegos, Surdos e Loucos é a escolha de hoje para o #TBT, pois se trata de uma das grandes comédias dos anos 80, com grandes astros na obra.

SINOPSE

Dave (Gene Wilder) e Wally (Richard Pryor) são uma dupla muito peculiar, uma vez que um é surdo e o outro é cego.

Eles acabam presenciando um crime e agora são os principais suspeitos, sendo perseguidos pela polícia e pelos criminosos responsáveis por tudo.

Agora os dois devem se juntar e limpar seu nome, lidando com muitas confusões no caminho.

ANÁLISE

Cegos, Surdos e Loucos é o tipo de filme pastelão que traz uma situação curiosa, mas muito inventiva.

Apresentando os gênios da comédia Gene Wilder e Richard Pryor em papéis tão divertidos foi uma grande sacada do projeto, pois eles entregam excelentes momentos.

A trama é precisa em mostrar como as dificuldades dos protagonistas podem gerar situações hilárias e que as condições deles, por mais que sejam um grande dificultador, não interrompem em nada o seu dia a dia como seres humanos.

A direção é competente e sabe explorar muito bem tudo que é apresentado em tela, assim como o seu elenco que está afiado. O roteiro por mais simples que seja, nos entrega entretenimento puro, sendo muito eficaz em sua proposta.

VEREDITO

Cegos, Surdos e Loucos é um grande exemplo de que o simples bem feito pode ser muito melhor que projetos extremamente elaborados.

Com uma proposta de galhofice em grande escala, o longa possui muito carisma e um elenco recheado de estrelas que estavam dispostas a nos divertir e conseguiram com êxito.

Nossa nota

5,0/5,0

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – El Cid (2ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)
Próximo artigoO Homem Água: O mito era real? E muito mais!
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.