Início FILMES Crítica TBT #135 | As Patricinhas de Beverly Hills (1995, Amy Heckerling)

TBT #135 | As Patricinhas de Beverly Hills (1995, Amy Heckerling)

As Patricinhas de Beverly Hills

O TBT dessa semana relembra um clássico dos anos 90 e da famosa Sessão da Tarde. As Patricinhas de Beverly Hills moldou as adolescentes da época e inspirou clássicos contemporâneos como Meninas Malvadas (2004). Seu legado ajudou a criar as comédias românticas para adolescentes que tanto amamos.

O longa dirigido e roteirizado por Amy Heckerling e, estrelado por Alicia Silverstone e Paul Rudd ganhou até mesmo uma adaptação em musical para a Broadway. As Patricinhas de Beverly Hills está disponível no Telecine.

SINOPSE

As Patricinhas de Beverly Hills

Em Beverly Hills, a adolescente Cher (Alicia Silverstone), filha de um advogado (Dan Hedaya) muito rico, passa seu tempo em conversas fúteis e fazendo compras com amigas totalmente alienadas como ela. Mas a chegada do enteado de seu pai, Josh (Paul Rudd), muda tudo.

ANÁLISE

Os anos 90 foram essenciais para acrescentarem os adolescentes as tramas cinematográficas, tanto em filmes de terror como em filmes de comédias, os jovens passaram a estar nas telas. Logo, Hollywood conquistou um público fiel que adorou ver suas atitudes e estilos sendo retratadas nas mais diferentes formas.

Em As Patricinhas de Beverly Hills não poderia ser diferente, fruto de sua época, o longa carrega todo o significado do que é ser adolescente em um bairro rico nos anos 90. Mais do isso, o que é ser uma garota adolescente. Todo o drama que gira em torno de Cher é bem simples e certamente já vimos um milhão de vezes, mas o interessante é o quanto esse filme consegue ser emblemático.

Seja no figurino dos personagens, na trilha sonora ou até mesmo nas falas, As Patricinhas de Beverly Hills se tornou um símbolo ao longo de gerações. A começar pela personagem Cher, interpretada incrivelmente por Alicia Silverstone, é impossível imaginar outra atriz para a garota apaixonada por moda. Cher tem tudo para ser uma personagem detestável e fútil, mas é extremamente divertida e generosa.

Já Paul Rudd como Josh é impetuoso tanto com as palavras como com os olhares. A relação entre Cher e Josh é provocativa, o que leva a tirar o melhor de ambos os personagens em cada cena conjunta.

Do mesmo modo que o roteiro de Amy Heckerling é simples e leve. A diretora se inspirou no romance Emma de Jane Austen para criar As Patricinhas de Beverly Hills. Uma adaptação mais contemporânea que carrega todos os ótimos aspectos do romance afim de criar uma história para adolescentes. Os grandes feitos do longa não param por aí, já que mais tarde, o próprio filme inspirou Meninas Malvadas de Tina Fey.

Mas, as diferenças são grandes. Enquanto em Meninas Malvadas as garotas populares são más, em As Patricinhas de Beverly Hills o interesse é contar como uma garota rica que sempre foi cupido dos outros acaba em uma positiva história de romance. É a principal e mais interessante trama do longa, ainda que vacile quando Cher descobre do nada que está apaixonada por Josh.

As Patricinhas de Beverly Hills

Nesse mesmo sentido, a narrativa em voice over é muito bem utilizada no filme para entendermos quem de fato é Cher, ainda que alguns personagens ao seu redor não saibam. É um elemento necessário para o filme e que combina com a proposta de focar cem por cento na personagem.

O que evidencia outros pontos negativos, como o filme tem bastante personagens, a maioria entra em cena quando Cher necessita deles. O que falta é um melhor desenvolvimento de suas próprias amigas, Dionne (Stacey Dash) e Tai (Brittany Murphy), que tal como Cher são cheias de carisma. Outro ponto, é o quanto o filme se torna repetitivo em certos momentos, ainda que seja um filme curto, por vezes perde sua força.

Porém, ainda assim, é um clássico ideal para reviver os anos 90 trazendo todos os aspectos da época. Além disso, As Patricinhas de Beverly Hills apresenta ótimas sacadas no quesito comédia e um encantador romance. A comédia romântica para adolescente têm muito a agradecer a esse filme que  virou livros, peça musical, série e até mesmo inspirou moda.

VEREDITO

As Patricinhas de Beverly Hills é um clássico dos anos 90 ajudando a formar um gênero que se mantém até hoje. A diretora e roteirista Amy Heckerling construiu um longa leve e divertido, tudo que uma garota precisa naqueles dias de cão.

Nossa nota
3,5 / 5,0

Confira o trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Sky Rojo (2ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoPRIMEIRAS IMPRESSÕES – Cruel Summer (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)
Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte. Representatividade e movimentos sociais através do cinema é fundamental. Apreciadora de livros, animes e joguinhos de ps4 nas horas vagas. The final girl.