TBT #159 | Rashomon (1950, Akira Kurosawa)

    O TBT dessa semana traz um clássico do cinema japonês e um dos primeiros filmes do Japão a chegar em Hollywood. Rashomon, de Akira Kurasawa, recebeu o Leão de Ouro do Festival Internacional de Cinema de Veneza em 1951. Além disso, foi indicado ao Oscar de Melhor Direção de Arte e ao BAFTA

    Com roteiro de Shinobu Hashimoto e do próprio diretor, o longa é baseado em dois contos do escritor Ryūnosuke Akutagawa (“Rashomon” e “Yabu no Naka“).

    No elenco estão Toshirō Mifune, Machiko Kyō, Masayuki Mori, Takashi Shimura, Minoru Chiaki e Kichijiro Ueda.

    SINOPSE DE RASHOMON

    Durante uma forte tempestade, um lenhador (Takashi Shimura), um sacerdote (Minoru Chiaki) e um camponês (Kichijiro Ueda) procuram refúgio nas ruínas de pedra do Portão de Rashomon. O sacerdote diz os detalhes de um julgamento com quatro testemunhos distintos. 

    ANÁLISE

    Quando um acontecimento desencadeia diferentes versões por suas testemunhas, sabe-se que alguém está mentindo. Em Rashomon, a verdade parece cada vez mais distante, e a falta de uma consenso entre os personagens leva a uma série de questionamentos sobre a honestidade da humanidade.

    Dessa forma, o filme do aclamado diretor Akira Kurasawa conduz o espectador a quatro testemunhos distintos do mesmo crime. Um lenhador (Takashi Shimura), um sacerdote (Minoru Chiaki) e um camponês (Kichijiro Ueda) se encontram nas ruínas de um templo chamado Rashomon, lá eles esperam a chuva passar enquanto o lenhador e o sacerdote contam sobre um julgamento que testemunharam.

    O bandido Tajomaru (Toshirô Mifune) é julgado pelo assassinato do samurai Takehiro (Masayuki Mori) após estuprar a esposa Masako (Machiko Kyô). No entanto, os flashbacks revelam quatros histórias distintas contadas por pessoas diferentes: o bandido, a esposa, o lenhador que presenciou o fato e, até mesmo, o samurai morto.

    Trata-se de um filme de personagens não confiáveis, no qual o bandido diz ter matado o samurai, depois a esposa se acusa e o samurai (por meio de uma médium) relata ter cometido suicídio. Cada um traz a culpa para si, o que dificulta ainda mais o discernimento do espectador sobre a verdade dos fatos. Ao mesmo tempo, tanto o lenhador, o sacerdote e o camponês estão em um debate sobre a bondade da humanidade. 

    Ao passo que o lenhador e o sacerdote parecem desolados com os acontecimentos do crime e se questionam se vale a pena confiar nos homens, o camponês vê na história a desordem do mundo e admite ser egoísta.

    Rashomon é um clássico filme japonês dirigido pelo lendário diretor Akira Kurosawa lançado em 1950 e vencedor do Leão de Ouro em 1951.

    O filme trabalha sobre um conceito niilista, no qual os fatos não existem e as interpretações são o que restam. A quarta versão da história, por exemplo, parte do próprio lenhador que diz ter testemunhado o crime. Mesmo assim, Kurasawa não torna essa a verdade acima dos fatos e a sujeita à dúvida. 

    Visto que a realidade não é absoluta, o filme evoca uma espécie de melancolia e pessimismo nos três personagens que estão contando e ouvindo a história. Quase no final do longa, está certo que a humanidade não tem salvação perante suas próprias mentiras, mas o surgimento de um bebê abandonado leva esperança para o sacerdote e o lenhador. 

    Dessa maneira, Kurasawa relativiza a condição do ser humano, deixando evidente que, por mais que haja mentiras e egoísmo no mundo, também há generosidade.

    Possíveis interpretações 

    É impossível não comparar o conceito de diferentes perspectivas de Rashomon com a atual pós-verdade, ou melhor – fake news – que tomaram conta do mundo contemporâneo. Em uma época em que se questionam fatos e cada pessoa parece apresentar sua própria versão, Rashomon ecoa seus significados.

    Se a verdade não existe, a humanidade está fadada à desgraça? Ou será que não precisamos saber sempre a verdade? São questionamentos que surgem do filme e tornam o espectador também um responsável pelo bebê ao final, visto que a direção genuína de Kurasawa aproxima cada vez mais a criança da tela, parecendo que irá entregá-la ao espectador.

    Outros feitos cinematográficos do diretor estão na composição das cenas e no enquadramento. Na maioria das vezes Kurasawa utiliza uma câmera estática para filmar em profundidade de campo colocando os personagens ou perto ou longe do quadro. Dessa forma, dá a sensação de afastamento entre os personagens, tal como cada um com sua versão da história. 

    Da mesma maneira, o diretor evoca simbolismos ao utilizar pouca luz nos flashbacks, é como se a restrição do sol naquele ambiente de floresta evidenciasse a falta da verdade do samurai, da esposa e do bandido. No templo, a chuva aproxima aqueles personagens e suas discussões, e quando o tempo se abre, também é uma nova chance para o lenhador e o sacerdote.

    VEREDITO

    Rashomon se revela uma obra-prima do cinema, com interpretações até mesmo no pós-guerra com a derrota do Japão. Sendo um filme essencial para qualquer cinéfilo, pois além de uma história instigante, possui diversos conceitos cinematográficos que destacam o grande diretor que é Akira Kurasawa.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer de Rashomon:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    Filmes inspirados em eventos reais que você vai querer ver para acreditar

    Existem muitas opções disponíveis, mas selecionamos uma lista de 7 filmes inspirados em histórias verdadeiras e que valem a pena.

    TBT #280 | ‘Janela Indiscreta’ é um filme de suspense à frente de seu tempo

    Janela Indiscreta é estrelado por James Stewart e Grace Kelly e é um dos maiores filmes de suspense de seu tempo, brincando sempre com nossa perspectiva do real e irreal.

    Planeta dos Macacos: O Reinado | Conheça os personagens

    Planeta dos Macacos: O Reinado está disponível nos cinemas. Conheça os personagens principais dessa nova aventura!

    TBT #279 | ‘Família do Bagulho’ é comédia sobre absurdos que diverte

    Família do Bagulho diverte, e é o TBT dessa semana. O longa diverte e mostra o quão absurda a trama pode ser se encarada levemente.