Início GAMES Crítica CRÍTICA – Call of Duty: Vanguard (2021, SledgeHammer Games)

CRÍTICA – Call of Duty: Vanguard (2021, SledgeHammer Games)

Vanguard

Call of Duty: Vanguard é o mais novo lançamento anual da franquia bilionária da Activision. Após um dos maiores sucessos financeiros do que passou a ser conhecido como Game as a Service, Warzone é um dos games mais rentáveis já criados, tenha em mente que o game é de graça.

A análise a seguir de Call of Duty: Vanguard desenvolvido pela Sledgehammer Games, abordará o modo Campanha, o Multiplayer e o modo Zombies, produzido especialmente pela Treyarch. Ambientado durante a Segunda Guerra Mundial, Vanguard nos leva pelos mais inóspitos lugares do mundo enquanto nos permite batalhar com tudo que podemos a fim de parar a máquina de guerra nazista.

SINOPSE

Conquiste todas as frentes. Lute em batalhas aéreas sobre o Pacífico, salte de paraquedas na França, defenda Stalingrado com um fuzil de precisão e prossiga em meio a forças avançando no norte da África. A franquia Call of Duty retorna com Call of Duty: Vanguard, desenvolvido pela Sledgehammer Games onde jogadores serão imersos no combate visceral da Segunda Guerra Mundial em uma escala global sem precedente.

ANÁLISE

Vanguard

O modo Campanha nos lança na guerra sem muitas delongas. Por meio de uma brilhante ambientação e elementos da guerra, o game nos transporta para um dos mais importantes conflitos armados do século XX. Com momentos que acabaram sendo deixados de lado nas adaptações para a cultura pop, testemunhamos os acontecimentos em frentes da guerra que tiveram importância para o fim do conflito armado contra os nazistas e o Eixo.

Com um grupo composto por Arthur Kingsley, Polina Petrova, Lucas Riggs, Wade Jackson e Richard Webb. Liderados por Kingsley, um sargento negro da Força Expedicionária Britânica, vemos a história pelos olhos de um “personagem” geralmente apagado, usados como bucha de canhão em uma guerra de um país que não os reconhecia como cidadãos.

O modo Campanha do game nos apresenta as diversas motivações da equipe de desajustados que funciona imensamente bem, assim como suas histórias. Com desenvolvimento conciso e fluído, vemos o início da guerra nos países de personagens como Petrova e sua ascensão como a Dama da Morte, assim como o crescimento de seus parceiros de equipe.

Enquanto viaja de 1942 até 1945, mostrando as incursões pela Austrália, conflitos aéreos no Pacífico, batalhas travadas na África, a Batalha de Stalingrado, e combates em uma França sitiada.

MECÂNICAS ÚNICAS

As mecânicas implantadas ao longo do modo Campanha, como toda uma sequência aérea e as habilidades de cada membro da nossa equipe, tornam a gameplay tão dinâmica que ainda que siga um roteiro pré-definido, te dará a sensação de que sua jogatina será única – ainda que não seja.

Com uma imensa qualidade gráfica, a engine do Modern Warfare permite que o game seja tão cinematográfico quanto possível. A dinamicidade de Vanguard mostra que não apenas experiências narrativas como dinâmicas de combate e inovações da jogabilidade podem fazer um game ser muito mais do que um game de tiro.

Se distanciando imensamente de seu antecessor, Call of Duty: Black Ops Cold War (2020), que foi desenvolvido inteiramente pela Treyarch, o game utiliza uma das engines mais queridas pelos fãs, a do Modern Warfare (2019).

Um dos maiores acertos da Sledgehammer Games, foi ouvir onde a Treyarch deixou a desejar no passado. Mas ainda que a o Black Ops Cold War tenha lançado uma versão Alpha, um Beta Aberto e um Beta Fechado, muitos feedbacks dos fãs não foram levados em conta – diferente do que a Sledge fez com Vanguard.

MODO MULTIPLAYER

Vanguard

O modo Multiplayer traz de volta elementos como Mata-Mata em Equipe, Baixa Confirmada, Dominação e muito mais, mas em mapas inteiramente novos, ambientados nos mais diversos cantos do mundo durante a Segunda Guerra Mundial.

Ainda que o modo Multiplayer não inove em seus modos de jogo, o uso das novas armas, seus desbloqueáveis e acessórios tornam o game mais diverso se levarmos em conta as novas séries de baixas. Cerca de 20 novos mapas, Vanguard é o game que mais apresenta variedade de mapas desde seu dia 1.

Os novos modos intitulados Localizar e Destruir, Batalha dos Campeões e o modo Patrulha, trazem um respiro à já incrível e numerosas modalidades de Call of Duty.

No lançamento, o game conta com 12 operadores cada operador possui 20 níveis, com desbloqueáveis que vão desde skins base para esses operadores, golpes finalizadores e poses de encerramentos de partida.

Com um sistema de votação para Jogadores Mais Valiosos ao fim de cada partida no Multiplayer, Call of Duty: Vanguard se mostra um game tanto competitivo, como também um game que precisa ser jogado em equipe a fim de não apenas obter êxito em sua empreitada de vencer a equipe adversária, mas também de ganhar votos dos seus parceiros de equipe.

MODO ZOMBIES

Vanguard

O modo Zombies é uma inovação imensa se comparada ao seu antecessor, de Black Ops Cold War. Em Call of Duty: Vanguard, conta com um novo modo conhecido como “Der Anfang” – em tradução livre “O Início”.

Como em Black Ops Cold War, essa história há de se estender conforme a progressão das temporadas do game. Em Vanguard, testemunhamos o início da história das experiências do cientista nazista Oberführer Wolfram von List. O nazista parece ir até as últimas consequências a fim de garantir que a entidade maligna a quem está ligado, do Dark Aether, vá vencer a empreitada e obter êxito de trazer mortos-vivos à Terra.

Alguns dos mais brilhantes elementos do modo Zombies, vem tanto do confronto de nossos inimigos, como também o trabalho em equipe que faz toda diferença.

Da última vez que joguei o modo Zombies, cheguei ao nível 12 utilizando uma escopeta sem qualquer tipo de acessórios na arma. As únicas melhorias, foram as feitas em meio ao combates, na base de comando em Stalingrado.

Fora das partidas, temos a opção de fazer uso de 1 entre 4 artefatos que podem ser escolhidos. Cada um desses 4 artefatos, são entidades que podem ser levadas conosco em batalha a fim de garantir uma maior vantagem em campo. E se o nosso inimigo faz uso de uma entidade, por que não podemos?

ARTEFATOS

Tenha em mente que os artefatos são habilidades que assim como no modo Zombies de Black Ops Cold War, ganharam uma nova roupagem a fim de se encaixarem melhor com a história que testemunhamos em Vanguard.

Conheça os artefatos abaixo:

Mina de Energia: Dentro de Mina de Energia, reside Saraxis, um dragão que gera uma explosão etérea, causando um enorme dano aos inimigos em sua volta.

Manto do Éter: A máscara de Bellekar cobre você com o Éter Negro, ocultando sua presença à inimigos ao seu redor por 5 segundos.

Círculo de Fogo: A Espada do Inviktor acende um círculo de chamas etéreas que aumentam o dano para qualquer um que estiver dentro. Essa habilidade dura por 15 segundos.

Explosão Gélida: O Chifre de Norticus invoca um vórtice gélido que causa dano aos inimigos com a explosão inicial e desacelera os que entrarem nele.

VEREDITO

Não apenas passei grande parte do final de semana do lançamento jogando, como também zerei o modo campanha após 7 horas e meia. A fim de mergulhar na história e entender melhor a motivação e a necessidade de um game assim ser lançado em 2021. Lançado no mês da Consciência Negra, o game nos apresenta uma história importante que precisa ser contada.

Longe de ser o melhor Call of Duty, Vanguard nos leva por caminhos tão intensos e incríveis como o trilhado por todos os que tiveram a oportunidade de jogar Call of Duty: Modern Warfare. Vanguard se destaca e se torna tão promissor quanto o game desenvolvido pela Infinity Ward.

Após uma longa produção, a escolha de trazer de volta a Treyarch para o desenvolvimento do modo Zombies, parece ter sido a escolha mais acertada. Pois um dos melhores elementos de Call of Duty: Black Ops Cold War, foi o modo Zombies e como a história foi crescendo e chegou ao fim da forma como foi na Temporada 6.

Call of Duty: Vanguard se mostra tão grandioso quanto o conflito e à época em que é ambientado; e o modo Campanha brilha das mais diversas formas. A progressão no Multiplayer e no Zombies se dá de forma tão fluída, que a obtenção de elementos como os operadores, e suas progressões proporcionam partidas imensamente divertidas com metas a serem batidas.

Vale lembrar que o Passe de Batalha da Temporada 6 de Warzone está disponível tanto no Call of Duty: Black Ops Cold War, quanto em Vanguard. Esse passe de batalha ganhou alguns benefícios em determinados níveis perto do lançamento de Vanguard.

Call of Duty: Vanguard está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X e PC.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Confira o trailer do game:

Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

Artigo anteriorCRÍTICA | Dexter: New Blood – S1E1: Cold Snap
Próximo artigoHouse of the Dragon: Conheça Bailalua, a dragoa de Baela Targaryen
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!