Início GAMES Crítica CRÍTICA – Days Gone (2019, Bend Studio)

CRÍTICA – Days Gone (2019, Bend Studio)

1967
0
CRÍTICA - Days Gone (2019, Bend Studio)

Days Gone foi anunciado originalmente na E3 2016 no stand da PlayStation como um dos exclusivos da Sony. O game da Bend Studio foi atingido pelo hype nos primeiros meses após o lançamento de um gameplay que apresentava uma enorme horda de zumbis, e mostrava pela primeira vez um número gigantesco de adversários a serem enfrentados na tela.

Ao enfim ser lançado em 26 de abril de 2019, quase três anos após seu anúncio, o game se mostra um pouco menos do que esperávamos.

A HISTÓRIA

CRÍTICA - Days Gone (2019, Bend Studio)

Somos apresentados ao mundo de Days Gone pelos olhos de Deacon St. John, um dos sobreviventes de um apocalipse zumbi, que parece transitar tranquilamente entre as mais diversas esferas da sociedade resistente, concentrada em sua maioria em assentamentos distante dos centros das grandes cidades.

Deacon faz parte de um mundo maior, e se prova uma ferramenta importante para a sobrevivência e manutenção dessa perseverante sociedade, que se mantém dos espólios de um mundo a beira do fim.

A AMBIENTAÇÃO

CRÍTICA - Days Gone (2019, Bend Studio)Quando apresentados ao mundo de Days Gone, em seus primeiros minutos, vemos o começo do fim pelos olhos de Deacon e ao longo da história, vemos flashes dos eventos que antecederam a catástrofe que dizimou e transformou mais da metade dos seres vivos da Terra.

O game acerta ao nos apresentar um mundo dizimado de forma lenta, nos apresentando inicialmente à pequenos centros urbanos, ou até mesmo paradas a beira de estradas, a fim de nos ambientar e nos preparar para o que está por vir.

Ruas desertas, casas vazias, carros abandonados no meio da rua, Frenéticos e Lagartixas — isso mesmo, um tipo específico de zumbi são chamados Lagartixas pela forma que andam. Os itens encontrados no que parece ser “sorte”, nos mostra como cada coisa no jogo foi pensado, nada estava ali por acaso. 

Um dos elementos mais importantes do game, é a nossa moto e a forma como precisamos cuidar dela a fim de prosperar.

Os mais mal acostumados — como esse que lhes escreve — com viagens rápidas em games de mundo aberto que facilitam e aceleram o gameplay, nos fazem provavelmente irá sentir que o tom de Days Gone é lento; diferente de games como The Witcher 3, Horizon Zero Dawn, ou até mesmo Assassin’s Creed Odyssey, em que podemos estar do outro lado do mapa que a nossa montaria rapidamente “spawna” e nos leva rapidamente para o nosso destino. 

Se você acha que o termo “cuidar” foi usado ao pé da letra, não se engane, é necessário realizar reparos e encontrar galões de gasolina, se você pretende ir longe nesse mundo pós-apocalíptico.

JOGABILIDADE

A jogabilidade de Days Gone pode te fazer estranhar a física desse mundo em seus primeiros momentos. As curvas repentinas a serem feitas, podem demorar um pouco mais, seja por falta de costume, ou até mesmo por falta de melhorias. A falta de tração nas rodas da moto podem te fazer sair em algumas curvas de forma que algumas melhorias seja necessárias conforme a progressão as permite.

O game tem como seu core, o sistema de looting, que é de extrema importância para a progressão do jogador. Ao nos deparar com os escombros de um mundo prestes ao chegar ao fim, nos resta tentar encontrar maneiras de sobreviver, sejam elas saqueando desde itens que ficam sobre mesas, até mesmo roubando munições de porta-malas de viaturas abandonas a beira de estradas.

Um incômodo que alguns dos jogadores relataram antes do “Day One Patch“, foi da renderização em alguns momentos do game – ou a falta dela. A falta de qualidade em alguns gráficos importantes para a lore do game, incomodaram os primeiros jogadores e foi um ponto definitivo para as notas finais do game em avaliações de grandes portais da mídia e de repórteres especializados nos primeiros dias de seu lançamento.

É compreensível em alguns momentos a queda de framerate se dê, por se tratar de um game de mundo aberto. Os assets necessários em um game para retratar um mundo próximo do nosso, podem causar uma queda nos frames – indo abaixo dos comuns 30 FPS, que todos os games rodam hoje em dia -, causando por algumas vezes uma estranheza.

VEREDITO

Apesar de estarmos de certa forma saturados de games ambientados em um mundo pós-apocalíptico, Days Gone inova ao nos apresentar certas mecânicas e visões diferentes de um mundo próximo de seu fim – ao menos para os humanos.

O cuidado necessário para a progressão na história aplicada no gameplay, causam uma boa surpresa aos fãs, nos apresentando uma nova visão à um homem que não tem muito a perder, mas que tem por intuito perseverar, e não perecer naquele universo. 

Days Gone nos surpreende ao nos motivar aos poucos para progredir em sua história, mas peca e mostra que por seus diversos atrasos, muitas alterações foram feitas, invertendo ordem de missões, tornando um pouco confusa a progressão, e até mesmo flashbacks guiados, em que na maioria das vezes não podemos controlar o personagem central Deacon St. John, nos fazendo ser meros expectadores de tudo aquilo.

Se você tem apenas 30 minutos do dia para uma jogatina, não vá para Days Gone. Espere até ter um tempo maior, para que uma maior imersão no game seja possível. Com tempo, se jogue de cabeça, enfrente Reapers, Frenéticos, Lagartixas e outros tipos de zumbis. Mas acima de tudo, sobreviva.

Nossa nota


Days Gone é um exclusivo para PlayStation 4, e foi lançado no dia 26 de Abril! O game ganhará uma DLC de graça em Junho de 2019.

Você já passou algumas horas rodando pelo Oregon controlando Deacon St. John? Se sim, conta pra gente o que achou!

Nota do publico
Obrigado pelo seu voto


Assista também nosso gameplay:

Comentários