Início GAMES Crítica CRÍTICA – DC Super Hero Girls: Teen Power (2021, Nintendo)

CRÍTICA – DC Super Hero Girls: Teen Power (2021, Nintendo)

DC Super Hero Girls: Teen Power é um jogo exclusivo para Nintendo Switch lançado em junho de 2021 com foco no público infantojuvenil

DC Super Hero Girls: Teen Power é o mais novo lançamento do Universo DC Comics exclusivo para Nintendo Switch. Focado no público infantojuvenil, o game de ação para 1 jogador(a) traz heroínas e vilãs clássicas numa aventura para salvar Metropolis.

SINOPSE

Junte-se à luta como Mulher-Maravilha, Supergirl e Batgirl da série animada DC Super Hero Girls e salve Metropolis do terror criado por Toyman!

Com a cidade em perigo, até “animigas” como Harley Quinn, Catwoman e Star Sapphire precisarão unir-se para ajudar a proteger a cidade.

Cada super-heroína e supervilão tem um conjunto único de habilidades: por exemplo, a Mulher-Maravilha usa suas habilidades de guerreira com o Lasso of Truth e Flying Shield enquanto Harley Quinn empunha a pistola Pop Roulette que dispara efeitos atrevidos para causar bem e mal ao mesmo tempo.

ANÁLISE DE DC SUPER HERO GIRLS: TEEN POWER

Lançado em 4 de junho de 2021 exclusivamente para Nintendo Switch, DC Super Hero Girls: Teen Power deixa bem claro já em seus traços que é um jogo para crianças e adolescentes.

A estética do game é bem fiel às animações da DC para esse público, como Os Jovens Titãs Em Ação e, claro, DC Super Hero Girls. É como see você realmente estivesse controlando o desenho animado das jovens heroínas.

À medida que você avança no game é possível controlar as seguintes heroínas e seus respectivos alter ego:

  • Diana Prince / Mulher-Maravilha
  • Barbara Gordon / Batgirl
  • Kara Danvers / Supergirl
  • Zee Zatara / Zatanna
  • Jessica Cruz / Lanterna Verde
  • Karen Beecher / Bumblebee

Além delas, as vilãs (e seus respectivos alter ego) que estão no jogo para serem enfrentadas são:

  • Selina Kyle / Mulher-Gato
  • Harleen Quinzel / Arlequina
  • Leslie Willis / Livewire
  • Pamela Isley / Hera Venenosa
  • Carol Ferris / Star Sapphire
  • Doris Zeul / Giganta

É possível jogar como algumas vilãs ao longo da história, entre elas Arlequina e Star Sapphire. Outros personagens clássicos da DC Comics que estão no jogo como NPCs são Lois Lane, Lex Luthor, Lena Luthor e Hal Jordan / Lanterna Verde.

Combatendo o crime numa vibe Ensino Médio

A história de DC Super Hero Girls: Teen Power mescla sua vida como adolescente civil e seu dever enquanto heroína. Então, as personagens se preocupam tanto com questões da juventude na fase do Ensino Médio, como com salvar a cidade.

Você precisa ajudar a reconstruir a área de Hob’s Bay, em Metropolis, como parte de um projeto da LexCorp com estudantes da Metropolis High School, onde as personagens estudam.

Enquanto você ganha moedas e habilita novas construções para desenvolver essa parte da cidade, o inimigo Toyman controla um exército de brinquedos que estão constantemente atacando diferentes pontos de Metropolis.

DC Super Hero Girls: Teen Power é um jogo exclusivo para Nintendo Switch lançado em junho de 2021 com foco no público infantojuvenil

Algo interessante no jogo é a variedade de ações que se pode fazer. Além de completar as missões principais, estão disponíveis missões secundárias que você descobre ao conversar com as pessoas.

Você também pode aumentar o poder de todas da sua equipe, tirar fotos de grafites das super-heroínas espalhados por Metropolis, coletar hamsters de pelúcia para entregar aos torcedores do time da escola e… usar a rede social Superstapost.

O Superstapost é uma espécie de Instagram e sua mecânica é bobinha, mas pode ser útil para encontrar alguns pontos importantes para avançar na história principal. Acredito que a rede social seja mais um atrativo para o público-alvo do que qualquer outra coisa.

Entretanto, todos esses recursos que vão além das missões principais garantem muitas horas de jogo.

Jogabilidade de DC Super Hero Girls: Teen Power

Logo de início o jogo coloca você num combate para treinar algumas das mecânicas de batalha. Nessa etapa você é Supergirl, e um dos recursos que deve utilizar é o voo. Voar rapidamente é complicado, uma mecânica que acredito que poderia ter sido mais facilitada.

No começo do jogo também é nítido que algumas personagens estão com a dublagem mal sincronizada, o que acredito que vá irritar algumas pessoas. Eu, particularmente, apenas notei e destaco aqui, mas não é algo que vá tornar DC Super Hero Girls: Teen Power um jogo ruim.

Digo isso porque game sofreu duras críticas do público desde o início das divulgações. Embora seja praticamente igual ao estilo da animação, muitas queixas dizem respeito aos gráficos.

O trailer de lançamento, que está no fim deste artigo, atualmente tem 1.8 mil curtidas e 2.5 mil descurtidas. O canal da Nintendo teve até que desabilitar os comentários no vídeo.

DC Super Hero Girls: Teen Power é um jogo exclusivo para Nintendo Switch lançado em junho de 2021 com foco no público infantojuvenil

O design dos NPCs de fato é bastante simples e poderia ser melhor trabalhado, mas novamente acredito que a escolha seja para gerar mais proximidade com o público infantojuvenil, o que não é suficiente para tornar o jogo ruim.

A variedade de ações que mencionei, combinadas com a mecânica de luta, tornam a experiência bem satisfatória, mesmo se você não faz parte do público-alvo (meu caso).

Os erros de DC Super Hero Girls: Teen Power

Até aqui contextualizei e trouxe contrapontos que, no meu ponto de vista, deixam o score positivo. Entretanto, DC Super Hero Girls: Teen Power tem problemas, principalmente por ser voltado para crianças e adolescentes.

O primeiro deles é que o jogo não está disponível em português. Sabemos que o Brasil é um dos principais mercados da DC Comics e que os jogos exclusivos da Nintendo sempre funcionam muito bem para todos os públicos.

Por isso, é estranho e ruim não ter nosso idioma disponível, nem que fosse apenas para os textos do jogo.

Outro problema é que DC Super Hero Girls: Teen Power só pode ser jogado por uma pessoa. Um jogo que consiste em montar uma equipe de heroínas e “animigas” deveria ter um modo multiplayer.

Acredito que seria bem divertido ter uma forma de enfrentar as vilãs com mais players. Melhor ainda se mesclasse presencial, utilizando os Joy-Con, com online.

DC Super Hero Girls: Teen Power é um jogo exclusivo para Nintendo Switch lançado em junho de 2021 com foco no público infantojuvenil

Por fim, acredito que tornaria o jogo melhor se houvesse a possibilidade de alternar entre a alter ego e a heroína/vilã. Deveria haver uma forma de trocar sua roupa em pontos específicos do jogo, ou em momentos em que não há ninguém por perto, para que você pudesse circular pela cidade usando comandos específicos das heroínas e das vilãs.

VEREDITO

DC Super Hero Girls: Teen Power é um jogo focado no público infantojuvenil e não tem nenhuma pretensão em atrair pessoas fora desse recorte que não estejam abertas a jogar algo que não seja 100% focado em lutas.

O novo jogo da DC Comics exclusivo para o Nintendo Switch possui uma estética bastante similar à animação, mas que poderia ser melhor trabalhada em alguns pontos, como os NPCs.

Se você tem interesse nas histórias das heroínas e das vilãs da DC, e não se preocupa apenas em lutar pelas ruas de Metropolis, então vale dar uma chance para DC Super Hero Girls: Teen Power. No entanto, tenha em mente que o jogo não está em português, o que infelizmente pode afastar muitas crianças desse divertimento.

Nossa nota

3,0 / 5,0

Assista ao trailer de DC Super Hero Girls: Teen Power.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição

Artigo anteriorCRÍTICA – Lupin (Parte 2, 2021, Netflix)
Próximo artigoCRÍTICA – First Cow: A Primeira Vaca da América (2019, Kelly Reichardt)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.