Início GAMES Crítica CRÍTICA – Hades (2020, Supergiant Games)

CRÍTICA – Hades (2020, Supergiant Games)

Hades

Hades é um jogo eletrônico roguelike de RPG de ação desenvolvido e publicado pela Supergiant Games. Foi lançado para PC e Nintendo Switch em 17 de setembro de 2020, após um lançamento de acesso antecipado em dezembro de 2018.

Este mês, versões para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series X | S foram lançadas. Para as plataformas da Microsoft, o título está gratuito para os assinantes do Xbox Game Pass.

Após o seu lançamento oficial, Hades foi aclamado pela crítica especializada, recebendo elogios por sua jogabilidade, história e arte; e vendeu mais de um milhão de cópias em seu primeiro mês.

SINOPSE

Como o imortal Príncipe do Submundo, Zagreu, você empunhará os poderes e as armas míticas do Olimpo para se libertar das garras do próprio Hades, Deus dos Mortos, enquanto fica mais forte e desvenda sua própria história a cada tentativa de fuga.

ANÁLISE

A premissa básica é: Ninguém consegue fugir do Hades (inferno na mitologia grega) e mesmo o filho do Deus dos Mortos está sujeito a essa regra. Então, em sua gameplay se você morrer na sua tentativa de fuga, você retornará para ao seu ponto inicial: o palácio dos mortos.

Em 8 horas de gameplay fiz 9 tentativas de fuga, sendo as mais longas: 12, depois 21 e até o momento 32 câmaras. Essa evolução demonstra o quanto o título da Supergiant Games permite uma experiência gradativa e empolgante. Onde mesmo com várias tentativas, são pouquíssimas as salas que se repetem e a cada diálogo, mais personagens mitológicos surgem na jornada do jovem príncipe.

Logo, entende-se que morrer é necessário para o progresso da odisseia de Zagreu; fazendo com que a morte durante uma run não deixe o jogador frustrado e sim feliz por poder melhorar atributos, liberar novas armas, falar com personagens e explorar o palácio de seu pai.

Como qualquer mitologia, o tema é extenso e cheio de nuances; porém, mesmo que o jogador tenha pouco – ou nenhum – conhecimento de mitologia grega, todo o panteão, heróis e criaturas são apresentadas de forma clara e objetiva, paralelamente agregando na construção da narrativa do protagonista.

PRÊMIOS

Hades
Zeus, Poseidon, Atena, Afrodite, Ártemis, Ares, Dionísio e Hermes.

The Game Award 2020

  • Melhor Jogo Independente;
  • Melhor Jogo de Ação.

BAFTA Video Games Award 2021

  • Melhor Jogo;
  • Melhor Design;
  • Realização Artística;
  • Intérprete em Papel Coadjuvante;
  • Narrativa.

Nebula Award 2021

  • Roteiro.

Entre outros!

VEREDITO

Ao retornar para o início depois da morte em minha primeira tentativa de fuga, pensei que este seria um game frustrante dada sua premissa; mas o engano transformou-se em uma experiência incrível onde cada elemento, como: gráfico, jogabilidade, trilha sonora, dificuldade e narrativa, contribuem para um jogo viciante e uma gameplay extremamente divertida.

O título também conta com excelente dublagem (em inglês) e ótimas legendas (em português), além de menus em nosso idioma.

Depois de lançamentos milionários, mas não tão animadores (na minha opinião) como Resident Evil Village, por exemplo, Hades, um título independente, foi uma grata surpresa; e jogá-lo me fez entender que todos os prêmios que recebeu foram de fato merecidos.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Assista ao trailer oficial:

O game está disponível para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X | SNintendo Switch e PC; e este mês está gratuito para assinantes do Xbox Game Pass.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Road 96 (2021, DigixArt)
Próximo artigoCall of Duty: Vanguard | Confira o primeiro trailer do game e mais!
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.