CRÍTICA | Infinity Strash: Dragon Quest – The Adventure of Dai (2023, Square Enix)

    Infinity Strash: Dragon Quest – The Adventure of Dai é a adaptação do mangá que foi adaptado para um anime intitulado originalmente, Dragon Quest: Dai no Daibōken, lançado no Brasil, o mangá foi chamado de Fly, O Pequeno Guerreiro. O game conta a história de Dai, um jovem guerreiro que possui uma marca rara na testa que poucos possuem. É dito que quem possuir tal marca é o Dragon Knight, um guerreiro escolhido pelos deuses dos Darklings, Dragões e Humanos após uma longa e sangrenta guerra.

    É dito que o Dragon Knight salvará o mundo ou o levará a sua queda. A aventura de Dai no game tem início com um flash forward. Acompanhamos nessa visão do futuro Dai enfrentar outro indivíduo que possui a marca na testa. Ainda mais poderoso que nosso pequeno guerreiro. Após perder a batalha, Dai perde a memória. E o game tem início.

    Sem memória, acompanhamos toda a trajetória de Dai, desde sua vida na Ilha Dermline, também conhecida como Ilha dos Monstros, até o momento da batalha previamente citada.

    SINOPSE

    As memórias do Herói em suas mãos! Experiencie a história da lendária série de mangá e anime Dragon Quest: The Adventure of Dai, e apaixone-se por um emocionante RPG de ação que combina incríveis visuais do anime e do mangá.

    Já faz muito tempo desde que o Herói restaurou a paz do mundo. Em um mundo atormentado pelas forças do mal, um espadachim e seus companheiros partiram para derrotar Hadlar, o Senhor das Trevas. Em uma ilha isolada ao sul, um garoto chamado Dai vive entre os monstros, sonhando com um dia se tornar um herói. Tudo muda quando o Senhor das Trevas é revivido.

    ANÁLISE

    Dragon Quest sempre foi uma franquia curiosa para mim. Em grande parte por não saber onde ela tinha início e fim. RPGS são minha paixão meio que desde sempre, desde o antigo Chrono Trigger, e Sea of Stars se destacou para mim nos últimos tempos onde nenhum RPG tem cumprido seu papel verdadeiramente. O mais cativante de Infinity Strash, foi o fato da história funcionar de fato como um RPG de mesa, mais especificamente, a história toma rumos e contornos que um RPG de mesa possivelmente tomaria.

    Com classes bem definidas, as habilidades de Dragon Knight de Dai fazem com que tudo saia do rumo, tornando-o assim, um personagem que o talento natural e suas incríveis habilidades inatas o tornam um personagem de mangá/anime shonen perfeito e um ótimo protagonista.

    Enquanto Dai morava na Ilha dos Monstros com seu avô Brass (também um monstro), sua vida muda drasticamente com a chegada de um mestre treinador de heróis Avan e seu aprendiz, Popp. Dai rapidamente se aproxima do mestre e de seu aprendiz, enquanto mostra grande aptidão tanto para combate armado, como para conjurar magias.

    Infinity Strash

    Ainda que o treino de Avan seja curto, o treinamento de Dai com seu mestre se mostra ainda mais curto graças a chegada do Lorde das Trevas Hadlar. O herói que havia derrotado Hadlar no passado, era Avan, e agora que o Senhor das Trevas havia voltado à vida, buscava vingança. Mas enquanto tentava derrotar Hadlar, Avan se sacrifica, deixando seu antigo inimigo vivo.

    Com o desenrolar da história, vemos a verdadeira natureza de Dai se revelar, sua marca na testa aparecer, e em uma tentativa desesperada de derrotar Hadlar, nosso pequeno herói quase obtém êxito. Mas Hadlar foge.

    Popp e Dai partem da Ilha Dermline a fim de derrotar o homem responsável pela morte de seu mestre, mas não apenas isso. Dai possui um profundo desejo de reencontrar a Princesa Leona – que certa vez passou pela ilha para realizar um ritual. Uma bonita amizade nasceu quando Dai precisou salvá-la dos que diziam ser protetores da princesa, mas tentaram matá-la.

    Infinity Strash

    Infinity Strash mescla fases de combate e outras de história, basicamente como um anime. Em que episódios se desenrolam mais histórias e outros são focados inteiramente nos combates. Ao longo de sua jornada, Dai e Popp ganham novos parceiros e antigos inimigos se tornam aliados. Maam e Hyunckel uma healer e um espadachim tem um papel importante na história, mas não apenas isso. Ao longo do game, suas habilidades mudam, bem como seus arquétipos.

    Ao longo do game, acompanhamos a misteriosa figura do começo do game tomar forma, bem como ameaças muito poderosas que poderão ser um empecilho para a empreitada de Dai.

    GAMEPLAY, COMBATE, RPG E MAIS

    Infinity Strash

    A gameplay de Infinity Strash: Dragon Quest – The Adventure of Dai é fluída. E mesmo no primeiro combate, antes mesmo do game dar qualquer indício, o game se mostrou intuitivo. Me permitindo dar uma bela surra no meu adversário. Antes mesmo de entender as mecânicas e como o game funcionava, Dai era poderoso ao ponto de compreendermos que ele era um prodígio e esse game seria um espetáculo a parte.

    Fico feliz pelo simples fato do primeiro game da franquia que joguei ter sido Infinity Strash, não apenas por possuir uma história fechada em si, mas também uma história que tem início aqui.

    A gameplay nos lança por desafios complexos, não apenas por podermos escolher quais poderes, ou como o game chama de “Bond Memories”, cards desbloqueáveis que garantem diferentes vantagens. Seja mais pontos de vidas, mais defesa, mais ataque mágico e afins, essas cartas possuem diferentes tiers e podem ser aprimoradas. As diferentes habilidades de nossa party podem ser alteradas ao início de cada uma das fases, nos permitindo sempre tirar o melhor de cada uma das fases.

    O combate conta com diferentes elementos. Não apenas a esquiva e o ataque são importantes. As habilidades ofensivas e defensivas, bem como as de suporte nos permitem fazer com que nossa equipe se mantenha viva até o fim do combate.

    Infinity Strash

    Além disso, podemos trocar durante os combates entre os 4 membros da nossa party. Os itens de suporte que temos a nossa disposição nos dão não apenas uma sobrevida, caso a personagem de suporte não esteja se saindo muito bem.

    Um elemento importantíssimo para nossa progressão é o Temple of Recollection. Em tradução livre, o Templo da Recordação garante aos usuários não apenas as Bond Memories novas, como também itens para melhorar não apenas as cartas, como também nossas habilidades.

    O elemento RPG do game não está nos trajes ou armas com habilidades especiais. Mas sim em como escolheremos as melhores habilidades e como iremos dispor nossa equipe em combate.

    Com habilidades bem diversas, não apenas de dano físico, como também de efeito. Estas, causam stun, envenenamento e também eletrocussão, as habilidades de Dai, Popp, Maam e Hyunckel são variadas e se tornarão muito potentes se você tiver paciência para ascender os aparentemente infinitos andares do Temple of Recollection.

    VEREDITO

    Infinity Strash: Dragon Quest – The Adventure of Dai nos leva por aventuras difíceis de ser enfrentadas, mas não apenas isso. Com uma história com o coração no lugar, acompanhamos uma aventura divertida e desafiadora. Quando avançamos, vemos que muito da história está amarrado ao início da franquia e à outras histórias.

    Por histórias divertidas, sobre merecimento, sacrifício, luta e perigos muito maiores que nossos protagonistas. Ainda que seu avanço se limite a seu esforço, compreender como nossas habilidades de combate precisam se adaptar de acordo com cada um dos inimigos e suas habilidades, faz com que nossa mente continue sempre fresca, por assim dizer.

    Sequências de ação de tirar o fôlego fazem o game ganhar mais profundidade e a história dão ao game tons episódicos, com avanços significativos na história, mas também com fillers, como os animes costumam fazer. A jogabilidade da segunda postura de Maam tornam sua jogabilidade interessante, pois ela deixa de ser uma personagem ofensiva/suporte de distância, para se tornar uma personagem ofensiva/suporte de curta distância.

    Os desafios do game podem ser percebidos se encararmos o mundo da maneira criativa e imaginativa que ele se propõe desde seus primeiros minutos. Uma aventura repleta de demônios, dragões, humanos e os conflitos que essa convivência causa. Ao longo das 15 horas de gameplay eu ri, me diverti e pude entender a razão da franquia Dragon Quest e seus infinitos spin-offs serem tão amados, já que Infinity Strash não é diferente.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Confira o trailer do lançamento:

    Infinity Strash: Dragon Quest – The Adventure of Dai foi lançado em 28 de Setembro para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X/S, PC e Nintendo Switch.

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    Dicas e cuidados a ter em apostas online

    Apostar online pode ser uma forma divertida e emocionante de testar sua sorte e habilidades. No entanto, é importante ter alguns cuidados.

    EU CURTO JOGO VÉIO #12 | ‘Street Fighter’ de 1987 é uma diversão que merece ser lembrada

    Street Fighter é uma das franquias de luta mais rentável. E mesmo sendo sucesso até hoje, sua origem modesta o fez brilhar.

    EU CURTO JOGO VÉIO #11 | ‘The Legend of Zelda: Ocarina of Time’ é brilhante clássico atemporal

    The Legend of Zelda: Ocarina of Time é um game de aventura atemporal que merece ser revisitado, independente de quanto tempo passe.

    CRÍTICA: ‘Endless Ocean Luminous’ é um lindo, porém frustrante game de exploração marítima

    Endless Ocean Luminous é o game Nintendo em parceria com a Arika. O game nos coloca no controle de um mergulhador não tão experiente.