Início GAMES Crítica CRÍTICA – Paradise Lost (2020, PolyAmorous)

CRÍTICA – Paradise Lost (2020, PolyAmorous)

Paradise Lost

Em um mundo bem diferente do nosso, onde detalhes sobre uma longa guerra sem vencedores ainda são muito escassos, o jovem Szymon parte do último abrigo seguro de uma Europa tomada por um inverno nuclear em uma missão que parece impossível. Paradise Lost conta com uma temática retrofuturista e nos joga em um bunker nazista algumas décadas após o fim da Segunda Guerra Mundial e um longo inverno nuclear.

SINOPSE

Paradise Lost é um jogo de aventura baseado em uma história bastante envolvente, ambientado em um mundo onde a Segunda Guerra Mundial nunca terminou. Para avançar na história, os jogadores devem explorar e descobrir os mistérios de um bunker abandonado onde os segredos sombrios são mantidos.

ANÁLISE DE PARADISE LOST

Paradise Lost

Em Paradise Lost a história se desenrola de forma bem diferente do mundo real, em que a 2ª Guerra acabou em 1945. No jogo, os nazistas se mantiveram no poder e bombardearam toda a Europa em uma desesperada tentativa de impedir o avanço dos Aliados.

Szymon, um jovem garoto de 12 anos, acaba de descobrir um abrigo nazista enquanto perambula pela Polônia destruída por uma guerra nuclear. E nos escombros de um mundo perto de seu fim, a última história de esperança se desenrola no lugar mais improvável do mundo: um bunker nazista.

A vida de Szymon parece ter sido sempre limitada, escondido desde seu nascimento dentro de um pequeno abrigo de toda a radiação e dos perigos que o mundo externo oferecia mesmo antes de ser destruído por uma guerra nuclear. Depois da morte da sua mãe, o jovem precisa partir, a fim de encontrar a última peça do quebra-cabeças que é sua vida.

VEREDITO

Paradise Lost é um game de aventura, mas apesar de tudo, é um walking simulator. Com comandos simples e alguns problemas de desenvolvimento e de processamento, a história e o clima um tanto pesado nos levam a lugares incômodos e até perturbadores.

A jornada de Szymon é sobre reconhecimento, pertencimento, família, enfrentamento, cuidado e até mesmo sobre a inocência nociva que uma vida em isolamento pode proporcionar.

O cuidado que o estúdio tem em nos enveredar pela narrativa com respeito, mas ao mesmo tempo retratando a opressão causada pela engenharia, a estética e os ideais nazistas presentes na trama nos levam a lugares inesperados. Isso nos causa desolação típicas de uma trama assim, especialmente se você conhece o mínimo de história.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Confira nossa gameplay:

Paradise Lost está disponível para Nintendo Switch, Microsoft Windows, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series X.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Fragmentos do Horror (2020, Darkside)
Próximo artigoCRÍTICA – It Takes Two (2021, Electronic Arts)
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!