CRÍTICA – River City Girls 2 (2022, WayForward)

    River City Girls 2 é o mais novo beat’em up da WayForward em parceria com a desenvolvedora japonesa Arc System Works, dona de lendárias franquias 2D como Double Dragon.

    O jogo é uma sequência direta à história de River City Girls (2019) e será lançado no ocidente em 15 de dezembro de 2022 para PC, Nintendo Switch, PlayStation 4 e 5, Xbox One e Xbox Series X | S.

    Confira nosso review de River City Girls 2 para Nintendo Switch sem spoilers logo após a sinopse oficial.

    SINOPSE

    Quando um velho inimigo ressurge, Misako, Kyoko, Kunio e Riki – acompanhados pelos recém-chegados Marian e Provie – saem às ruas para uma nova aventura beat’em up repleta de novas habilidades, inimigos, ambientes e muito mais!

    Junte-se a um modo cooperativo local ou online e destrua os punks com novos ataques de esmagamento de guarda, combos de decolagem, manobras de dupla equipe e outras técnicas de socos!

    Suba de nível para ganhar novos movimentos, compre itens e acessórios em mais de 30 lojas e recrute inimigos derrotados e pesos pesados contratados para ajudá-lo em seu caminho!

    River City está maior do que nunca, com mais locais para explorar, mais objetos para destruir e um ciclo diurno e noturno! Com jogabilidade não linear, um sistema de história dinâmico e outra trilha sonora épica de Megan McDuffee, River City Girls 2 irá mantê-lo lutando até que todos os seus inimigos gritem “BARF!”.

    ANÁLISE DE RIVER CITY GIRLS 2

    River City Girls é uma série conhecida por potencializar o que há de melhor no beat’em up 16-bit ao mesclar elementos modernos. Em River City Girls 2, o êxito acontece novamente, mantendo o que destacou o título de 2019 e potencializando a progressão típica do RPG e a trilha sonora incrível de Megan McDuffee, também compositora no game anterior.

    Mas nem só de pixel art 16-bit vive o novo lançamento da WayForward. Logo no início o jogo contextualiza muito o desfecho do título anterior, apresentando cutscenes animadas no melhor estilo mangá e com uma dublagem divertida e autêntica. Eu particularmente não joguei RCG1, mas não me senti deslocado da história atual, visto que a contextualização é muito bem feita.

    River City Girls 2 é um beat'em up com elementos de RPG e arcade disponível para PC, Nintendo Switch, PS4 e PS5, Xbox One e Series X | S. Review sem spoilers
    Print in-game no Nintendo Switch de uma cutscene sem spoilers / Feededigno

    O humor é uma marca forte em River City Girls 2, e é muito legal ver as referências à história do jogo anterior de maneira natural, contribuindo para o avanço da narrativa. O roteiro fez um ótimo trabalho em resumir RCG1 rapidamente e, ao mesmo tempo, não deixar de fora da festa quem chegou agora à franquia.

    A trilha sonora é um fenômeno à parte. Ela tem vida própria e traduz muito bem a identidade de River City Girls 2 e seus personagens. É realmente divertido prestar atenção nas letras bem humoradas que se conectam com a porradaria que está rolando em tela.

    Duvido que você não fique cantarolando ao longo do dia a música I think I’m better than you (you), I’m better than you

    É interessante também a forma como a Arc System Works e a WayForward mesclam trilhas 16-bit com músicas com vocais ao longo da jornada. Além, claro, da alternância entre a pixel art da gameplay e as cutscenes estilo mangá.

    O visual e a trilha sonora são pontos fortes, mas os méritos de River City Girls 2 não acabam aqui.

    Jogabilidade de River City Girls 2

    Confesso que estou de olho em River City Girls 2 desde a Nintendo Indie World de dezembro do ano passado. Cheguei a colocar o game na lista de jogos para ficar de olho agora em 2022 de tão empolgado que eu estava. No entanto, por não ter jogado o anterior, eu esperava “apenas” um beat’em up bem feito.

    Mas RCG2 é muito mais do que “apenas” um beat’em up.

    River City Girls 2 é um beat’em up com elementos de RPG que aproveita também recursos importantes de jogos de luta arcade, como os personagens de suporte. Essa mecânica me surpreendeu positivamente porque você precisa cooptar os inimigos que pedirem clemência enquanto apanham.

    É possível ter até dois suportes, cada um com uma classe distinta, e você vai catalogando cada adversário integrado, podendo escolher seus parceiros em uma espécie de base da sua equipe, que são locais específicos em cada bairro do jogo.

    A casa no começo do jogo e outros ambientes em cada bairro servem como base para alternar personagens e recrutas
    Print in-game mostrando os recrutas no topo à direita / Feededigno

    Essa parte de catalogar é muito interessante, pois só o fato de você buscar por um personagem ainda não cooptado já é muito divertido. Some a isso o fato de que cada recruta aplica um tipo de golpe e você agrega mais elementos estratégicos à gameplay.

    As características de RPG também são muito bem executadas em River City Girls 2 porque as lojas são bem distribuídas pelo longo mapa, que também conta com áreas secretas. Um grande trabalho de level design.

    Nas lojas é possível comprar acessórios para melhorar status básicos (ataque, defesa, vida, sorte, etc…) ou acrescentar atributos aos golpes (por exemplo, poder eletrocutar adversários ao atacar usando itens pegos no chão). Também há bares e restaurantes que vendem itens para recuperar vida e cada um deles acrescenta um status base quando usado pela primeira vez.

    River City Girls 2 também se destaca por ser um beat’em up moderno que não é curto. Isso graças às dezenas de horas de jogo da história principal, mas que pode elevar o tempo de jogo se você decidir fazer side quests, catalogar recrutas ou simplesmente rejogar para se aventurar com outros personagens e combinações diferentes de itens.

    A possibilidade de alternar entre os seis personagens de modo que cada um tem seu próprio nível também contribui para a longa duração, especialmente se houver alternância entre a aventura solo e multiplayer.

    A fluência do jogo também é muito boa. Você pode iniciar o modo história solo ou em multiplayer com até quatro jogadores (local ou online), que podem escolher entre seis personagens. Outro ponto positivo de River City Girls 2 é que você pode alternar, a qualquer momento, o seu progresso entre solo ou multijogador, sem necessitar iniciar um save para cada modo.

    É importante destacar também que River City Girls 2 em nenhum momento corre o risco de se tornar monótono graças à variedade de combate. Sim, quando você menos espera, a típica luta beat’em up se transforma em um Just Dance ou um plataforma de rolagem 2D da era 8-bit.

    River City Girls 2 surpreende por mesclar elementos de outros gêneros como RPG e arcade
    Print in-game no Nintendo Switch / Feededigno

    É simplesmente fantástico ser surpreendido com as diferentes peculiaridades ao longo da aventura!

    O game possui uma boa performance no Nintendo Switch, e é muito agradável jogar no modo portátil. Na TV, eventualmente o jogo apresenta uma pequena perda de frame rate, especialmente quando jogado em multiplayer, mas nada que prejudique a experiência.

    VEREDITO

    River City Girls 2 moderniza o gênero beat’em up ao agregar elementos de RPG e arcade, sem deixar de lado a pixel art 16-bit típica dos clássicos do estilo. O novo lançamento da WayForward e da Arc System Works é, sem dúvidas, essencial para fãs de beat’em up e jogos indie.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer de River City Girls 2:

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA: ‘Elden Ring: Shadow of the Erdtree’ é uma das melhores DLCs, expandindo o jogo base com qualidade e carinho

    Shadow of the Erdtree é uma das melhores DLCs já lançadas. Agradecemos a Bandai Namco pelo envio da key antes de seu lançamento.

    CRÍTICA: ‘Paper Mario: Thousand-Year Door’ é um diversão garantida com narrativa profunda

    Paper Mario: Thousand-Year Door diverte em tudo que se propõe e é um mergulho ainda mais profundo nas mecânicas da franquia.

    Xbox Game Pass: Games para jogar de até 5 horas

    O Xbox Game Pass conta com diversos games divertidos. Mas trazemos aqui uma lista de games de até 5 horas para se divertir. Confira!

    EU CURTO JOGO VÉIO #15 | ‘PaRappa The Rapper’ é aconchegante de um jeito muito especial 

    Ao longo dessa jornada chamada existência tive o prazer de ter contato com games desde um bom tempo na infância, indo desde o Atari,...