Início GAMES Crítica CRÍTICA – Scott Pilgrim vs. The World: The Game (2021, Ubisoft)

CRÍTICA – Scott Pilgrim vs. The World: The Game (2021, Ubisoft)

CRÍTICA – Scott Pilgrim vs. The World: The Game - Edição completa (2021, Ubisoft)

No aniversário de 10 anos do game, a Ubisoft fez o relançamento de Scott Pilgrim vs. The World: The Game para diversas plataformas digitais. Com uma edição completa que inclui todos os personagens clássicos dos gibis, o jogo é um ótimo entretenimento para quem gosta do estilo beat ‘em up.

UMA HISTÓRIA DE AMOR

Não é segredo para ninguém que o mote de Scott Pilgrim é a história de amor entre ele e Ramona Flowers. Se você não sabe sobre o que se trata, eu vou resumir: Os dois se apaixonam e, para que possam ficar juntos, Scott precisa derrotar a Liga dos 7 Ex-namorados do Mal da Ramona.

A adaptação para o game é extremamente fiel ao filme Scott Pilgrim Contra o Mundo de 2010, seguindo até mesmo a ordem de ex-namorados malvados que você precisa derrotar. A diferença aqui é que você pode escolher com qual personagem você quer fazer essa jornada, tendo como opção Ramona, Wallace, Kim, Stills, Knives – Além do próprio Scott.

Os cenários do game são bem parecidos também com alguns ambientes do longa, que se passa em Toronto. Desde as ruas cobertas de neve até o The Rocket, casa de shows onde somos agraciados pela apresentação de Matthew Pattel.

No game você pode jogar tanto o modo história quanto a batalha online. Eu não consegui fazer a batalha online com outros jogadores, pois em todas as vezes acontecia algum problema no servidor. Portanto, fiz a jornada pelo modo história. Nele você começa em um mapa muito similar ao mapa de Super Mario World, só que com os cenários clássicos de Scott Pilgrim.

JOGABILIDADE

Scott Pilgrim vs. The World: The Game não é nada fácil de jogar sozinho. Acredito que a experiência seja bem mais divertida e fácil se feita em grupo, pois a dinâmica do game é muito complicada quando feita por um jogador só.

Quando você escolhe seu personagem, você inicia o game no level 0. Com isso, o seu personagem não corre muito rápido, dificultando que você vença a primeira fase. Conforme seu level vai aumentando, novos ataques são desbloqueados, o que acaba tornando a fase mais fluida, mas não menos frustrante.

Como o estilo do jogo é beat ‘em up, você passa boa parte do tempo batendo em outros personagens em uma ignorância desenfreada. Há a possibilidade de recolher itens do chão, o que facilita a vitória (em alguns casos). Porém, existem muitas ameaças que possuem poderes sobrenaturais, como raios lasers e bolas de fogo, fato que torna a sua luta extremamente complicada.

CRÍTICA – Scott Pilgrim vs. The World: The Game (2021, Ubisoft)

Em cada fase você possui três vidas, mas você pode adquirir outras em salas escondidas nos cenários do jogo ou em lojas de comida e vestuário. Se você perde essas vidas antes de finalizar a missão, você precisa recomeçar a fase, o que traz aquela sensação de frustração que eu mencionei anteriormente.

Além disso, muitas vezes você acaba causando dano no seu personagem sem ao menos perceber. É o caso, por exemplo, quando você joga um pedaço de pau em alguém e ele retorna em você. A dinâmica não faz muito sentido, mas não podemos dizer que ela não reflete o que aconteceria no mundo real.

TRILHA SONORA E REFERÊNCIAS

Um dos pontos mais empolgantes de Scott Pilgrim vs. The World: The Game é a sua trilha sonora. Assim como no filme e nos quadrinhos, aqui a música desempenha um papel especial em cada uma das fases, motivando o jogador a se manter no clima da batalha mesmo depois de ser humilhado inúmeras vezes.

Com uma pegada de 16 bits misturada com ótimos solos de guitarra, a trilha sonora original é tão boa quanto a desenvolvida por Beck para o longa de 2010.

Além da ótima trilha sonora, o game também serve muito no quesito referências. Além do mapa principal inspirado nos clássicos jogos de console de Mario, há também elementos muito conhecidos dos games dos anos 1990, como caixas que dão bônus e moedas ou “rodovias” escondidas que trazem bônus de moeda.

Toda a dinâmica de Scott Pilgrim gira em torno dessas referências clássicas e, obviamente, o jogo não poderia ficar para trás. A mistura de música e nostalgia criam uma identidade única para a franquia.

VEREDITO

Divertido e revoltante na mesma medida, Scott Pilgrim vs. The World: The Game é um ótimo passatempo. Se você curte jogos de luta e 16 bits, esse jogo é pra você.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.