Início GAMES Crítica CRÍTICA – Star Wars: Squadrons (2020, EA)

CRÍTICA – Star Wars: Squadrons (2020, EA)

CRÍTICA - Star Wars: Squadrons (2020, EA)

Recebemos aqui no QG, há pouco, o jogo Star Wars Squadrons. Lançado no dia 02 de Outubro para PC, PlayStation 4 e Xbox One, o game da EA em parceria com a desenvolvedora Motive Studios, te convida a embarcar em algumas das principais naves da franquia durante algumas boas horas de entretenimento.

O jogo é principalmente um simulador de naves, lembrando muito o seu antecessor de longa data, Star Wars: Rogue Squadron, lançado em 1998 para Windows e Nintendo 64, guardadas, obviamente, as proporções de diferença de geração.

Inclusive, já fizemos algumas lives do jogo na Twitch. Já conferiu? Ainda não? Então corre lá, acessa o link, e entenda melhor o que a gente explica aqui.

O jogo, infelizmente, não tem dublagem em português, mas as legendas são traduzidas e estão muito bem feitas.

“Eu sou apenas um homem simples tentando se virar nesse universo”

Tal qual Jango Fett, iniciei o modo história do game sem saber ao certo o que esperar, mas disposto a encarar os desafios e com uma alegria em me aventurar no universo criado há tanto por George Lucas. Já de início recebemos um breve tutorial sobre os comandos básicos do jogo concatenado à apresentação do enredo que se desenrolará.

As mecânicas do jogo são um tanto complexas para quem não está acostumado à simuladores de voo, apesar de não envolverem tantas combinações de botões. Ainda que não muito simples, todas as diversas interações fazem sentido visto que a finalidade do jogo é a imersão em um simulador.

“Nunca irei para o lado sombrio. Você falhou, Alteza. Sou um Jedi, como o meu pai antes de mim.”

Para a decepção do Mestre Luke, em Star Wars: Squadrons, criamos 2 personagens. Um alinhado à Nova República, para ser parte do Esquadrão Vanguarda, e outro lutando pelo temível Esquadrão Titã, do Império Galáctico.

A história se desenvolve trabalhando ambos os arcos, e muitas vezes conectando os dois, trazendo um bom enredo para agregar à gameplay. A história não é o ponto principal do jogo, mas foi muito bem montada para entregar um conteúdo de qualidade.

“O lixo vai servir”

Infelizmente, para a tristeza dos fãs, não podemos comandar a Millenium Falcon. Ainda assim, o jogo te permite entrar (sim, a visão dentro do cockpit é única) em naves chave da franquia, como a famosa X Wing e a ágil Tie Fighter. Ao todo, são 8 naves que podemos pilotar: 4 para cada lado da força.

Pela Nova República, pilotamos as naves:

Pelo lado do Império Galático, podemos tomar o controle das naves:

Cada um dos 4 tipos tem suas vantagens e desvantagens e no modo multiplayer devem ser utilizados corretamente de maneira a balancear as habilidades de sua equipe.

Poder! Poder ilimitado!

Como já mencionado, Star Wars: Squadrons é um autêntico simulador de naves. E nisso, o jogo cumpre muito bem sua função. As mecânicas de disparos, personalização da nave e seus armamentos, monitoramento dos escudos e controle da velocidade são muito bem trabalhados.

Com detalhes que beiram a maestria, durante o voo, temos controle sobre três (em algumas naves, apenas dois) aspectos da nave: motores, armas e escudos.

Caso optemos por dar poder total para nossos motores, escudos e armas perderão força para atingirmos velocidades muito superiores e assim fugir de um inimigo ou alçar outro em uma perseguição.

Se turbinarmos nossas armas, os disparos se tornarão mais frequentes e o tempo de resfriamento será reduzido para que possamos transformar a nave em uma torrente de tiros.

Ainda, se estivermos encurralados e sofrendo ataques de todos os lados, podemos reverter força para os escudos e ganharmos uma sobrevida até que algum aliado chegue para nos dar cobertura.

“Meu querido amigo. Como eu senti sua falta!”

Grandes personagens da franquia podem ser vistos no jogo. O modo história do jogo se passa em um período entre a Batalha de Endor (Episódio VI – O Retorno do Jedi) e a organização da Primeira Ordem (Episódio VII – O Despertar da Força), ou seja, não foi retratado em nenhum dos filmes.

Apesar disto, vários personagens famosos da franquia aparecem e fazem um carinho no coração do fã. Alguns destes são o Almirante Akbar, Wedge Antilles e os icônicos Darth Vader e a lendária Leia Organa da saudosa atriz Carrie Fisher.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Star Wars: Os 17 usuários mais poderosos da Força

“Eu acho perturbadora sua falta de fé”

Incrivelmente, há quem esteja criticando veementemente o jogo. Assim como lorde Vader, eu fico um pouco incomodado. Existem comparações com os jogos da série Battlefront, há quem reclame de não haver modo terceira pessoa ou até quem reclame de não poder sair da nave.

À estes, eu relembro que Star Wars Squadrons tem como proposta ser um simulador das incríveis naves do universo da franquia. Como um admirador de simuladores e um fã de Star Wars, fiquei completamente feliz com a experiência que tive.

Os detalhes no cockpit, com cada nave tendo elementos diferentes, o fato de não haverem itens projetados na HUD, mas todos os elementos de interesse serem realmente físicos no cockpit como radar, status da nave que está no alvo, escudos, controle de energia. Os detalhes no cockpit são tão bem trabalhados que podemos observar reflexos no vidro e até mesmo uma espécie de formação de gelo quando atingimos maiores velocidades.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Assista ao trailer oficial de lançamento:

E você, já jogou Star Wars: Squadrons? O que achou? Deixe seus comentários.

O game está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One.



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.