CRÍTICA – Streets of Rage 4 (2020, DotEmu, Lizardcube, Guard Crush)

    O clássico da SegaStreets of Rage, é uma série de beat’em up que ficou famosa pela sua jogabilidade atemporal e música eletrônica. E agora, 26 anos depois do último título da franquia, Streets of Rage 4 aproveita a jogabilidade da trilogia clássica e incorpora novas mecânicas, gráficos desenhados à mão e uma trilha sonora bombástica para alegrar os gamers nostálgicos e conquistar novos no Nintendo Switch, PlayStation 4Xbox OnePC (via Steam, GOG e Humble).

    Aqui, personagens clássicos e icônicos se juntam aos novatos em gráficos fantásticos desenhados à mão, novas capacidades de combate e faixas de música inéditas criadas por uma fantástica equipe de compositores, para um tributo magistral que revitaliza a ação clássica adorada pelos fãs.

    HISTÓRIA

    CRÍTICA - Streets of Rage 4 (2020, DotEmu, Lizardcube, Guard Crush Games)O jogo se passa 10 anos após os eventos de Streets of Rage 3, com os personagens recorrentes Axel Stone, Blaze Fielding e Adam Hunter, ao lado de dois novos personagens, a filha de Adam, Cherry, e um aprendiz musculoso, melhorado ciberneticamente pelo Dr. Gilbert Zan, chamado Floyd Iraia.

    Nossos heróis dessa vez precisam encarar os gêmeos, filhos do vilão Sr. X, conhecidos como Sr. Sra. Y.


    ANÁLISE

    Atire a primeira pedra quem não tem uma série favorita de jogo antigo que gostaria de ver voltar (eu particularmente tenho várias!), mas modernizar uma franquia do passado requer cuidado e habilidade.

    Você não apenas precisa agradar os fãs antigos – que vêem seus favoritos de longa data com nostalgia – mas também precisa encontrar uma maneira de tornar o jogo atraente para um público mais novo.

    Felizmente, para os fãs de longa data da franquia, Streets of Rage 4 caminha graciosamente na corda bamba do apelo clássico e repaginada para a modernização. 

    Gameplay

    CRÍTICA - Streets of Rage 4 (2020, DotEmu, Lizardcube, Guard Crush Games)Preciso confessar que eu estava muito ansioso para jogar o game, desde seu anúncio; e posso dizer com tranquilidade que ao assistir ao primeiro trailer com algumas cenas, meu hype foi para mais de 8.000!

    Graças ao trabalho impecável da DotEmu, Lizardcube Guard Crush Games, não tive minhas expectativas frustradas.

    Os combates são desafiadores, os combos são fluídos, os cenários – cheios de colorido e neon – combinam muito bem com os personagens na tela, trazendo ester-eggs das edições anteriores e tornando a experiência de jogar Streets of Rage 4 um verdadeiro colírio para os olhos.

    O game prova com louvor que os consoles da atual geração não precisam exclusivamente de jogos de mundo aberto e 3D. E supre uma falta que os jogos de hoje em dia têm: co-op 1-1 offline e co-op 1-3 online.

    Trilha sonora

    A trilha sonora composta pelos compositores originais da série Yuzo Koshiro e Motohiro Kawashima, junto com Yoko Shimomura, Hideki Naganuma e Keiji Yamagishi é incrivelmente perfeita!

    As batidas de música eletrônica dão uma “pegada” de ação, fazendo com que as lutas de Streets of Rage 4 sejam ainda mais brutais que o normal e fazem com que a adrenalina seja mantida sempre alta.

    Por outro lado, é divertido perceber que essas mesmas batidas, não são incômodas e mesmo que você não esteja em uma luta, dá muito bem para curtir o som entre uma pancadaria e outra.


    VEREDITO

    CRÍTICA - Streets of Rage 4 (2020, DotEmu, Lizardcube, Guard Crush Games)Streets of Rage não é perfeito, mas chega muito perto disso. Minha experiência foi incrivelmente satisfatória e minhas expectativas alcançadas.

    A narrativa simplória e a falta de dublagem nas cutscenes não arranham a obra-prima e grande homenagem feita aos seus predecessores.

    Para este gamer da época do Atari em diante, só tenho a agradecer pelo trabalho incrível realizado pela DotEmu, Lizardcube, Guard Crush Games e toda a equipe envolvida.

    Nossa nota

    E você, já jogou Streets of Rage 4? Deixe seus comentários e sua avaliação!

    Nota do público
    Obrigado pelo seu voto


    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    EU CURTO JOGO VÉIO #15 | ‘PaRappa The Rapper’ é aconchegante de um jeito muito especial 

    Ao longo dessa jornada chamada existência tive o prazer de ter contato com games desde um bom tempo na infância, indo desde o Atari,...

    Summer Game Fest 2024: Confira todos os anúncios e trailers do evento

    Summer Game Fest 2024 contou com grandes anúncios. Durante o evento foram mostrados games que serão lançados nos próximos meses.

    CRÍTICA: ‘Sand Land’ é diversão envelopada em história consciente

    Sand Land é uma das obras menos conhecidas de Akira Toriyama. A história gira em torno de Belzebub e sua improvável equipe. Confira!

    EU CURTO JOGO VÉIO #14 | ‘Mad Max’ voou baixo e se mostrou mais do que o esperado em 2015

    Mad Max foi lançado em 2015 para os consoles da época. Em uma jornada curiosamente divertida, o game cativou fãs por todo o mundo.