EU CURTO JOGO VÉIO #1 | ‘The Legend of Zelda: The Minish Cap’ mostra que Zelda é Zelda em qualquer lugar

    The Legend of Zelda: The Minish Cap‘ ficou por fora do meu radar por muitos anos. Não apenas por não ter tido um Game Boy Advance, mas também por ter focado sempre em games dos consoles de mesa ao invés dos portáteis. Graças à indicação do amigo Daniel Malzhen mergulhei na história do game e me dei conta de que este seria o jogo perfeito para começar nosso mais novo quadro. O “Eu Curto Jogo Véio” veio como uma janela de oportunidade para abordar games que sempre amamos, mas não tivemos oportunidade, nem timing para fazê-lo.

    Agradeço à Nintendo pela oportunidade de jogar o game em seu serviço Nintendo Switch Online, disponível no mais recente console. Desenvolvido pela Capcom e pela Flagship, The Minish Cap diverte apresentado algumas das mais divertidas soluções. The Minish Cap é ambientado muitos anos antes dos acontecimentos de Four Swords, fazendo com que este seja o primeiro game da trilogia The Four Swords.

    Com gráficos adoráveis, uma incrível trilha sonora, reaproveitamento de assets como dublagem de Link (dos jogos do N64), mergulhamos em um mundo em que uma maldição foi lançada na Princesa Zelda e o jovem herói parece ser o único capaz de reverter sua condição.

    SINOPSE

    Um homem misterioso chamado Vaati, que venceu o concurso de espadachins do festival, quebra a espada dos Picori, e com seus poderes mágicos infesta Hyrule de monstros e petrifica Zelda. O rei de Hyrule pede a Link para entrar em contato com os Minish para ver se eles podem ajudar a quebrar a maldição da Zelda.

    ANÁLISE

    Minish Cap

    The Minish Cap surge para mim como uma grata surpresa mesmo quando muito acaba por parecer muito mais do mesmo. Com uma história até então desconhecida por mim, mergulhei no game como quem não esperava muito, mas me surpreendi muito positivamente. Ao longo do game avancei sem olhar pra trás, mas comparando quase sempre o game com outros da franquia nos quais já mergulhei.

    Ao encontrar encarnações diferentes de personagens já conhecidos, me maravilhei, quando conheci as minúcias deste mundo, Ezlo, os Minish e até mesmo Vaati nos fazem entender a razão deste ser um dos títulos mais adorados pelos fãs da franquia.

    Com uma gameplay concisa e um enorme mapa para explorar, The Minish Cap nos oferece uma exploração limitada a princípio, mas limitada apenas às habilidades que nos falta para prosseguir. Mesmo que os diálogos com os NPCs pareçam aleatórios, te indicam para onde seguir, além das marcações no mapa.

    Minish Cap

    E após receber nossa missão, a primeira coisa que temos que fazer é adentrar a Minish Forest, um lugar oculto dos humanos há muito séculos e só se revela para crianças. O game começa a clicar de fato logo em seus primeiros 20 minutos, quando encontramos Ezlo, um chapéu amaldiçoado que fala com nosso personagem.

    Este, conhece um idioma antigo capaz de conceder a Link a habilidade de ficar do tamanho de uma pulga e assim, adentramos em um mundo inteiramente novo. O mundo dos Minish.

    LEVEL DESIGN, HABILIDADES E O MUNDO DOS PEQUENINOS

    Minish Cap

    Ao adentrar na história, Link atua como aquele que pode salvar o mundo. Ou melhor, a princesa Zelda da maldição do mago Vaati. Os problemas causados por Vaati podem estar diretamente ligados à destruição que o mundo podem sofrer, pois agora, não há ninguém para se colocar entre ele e seu objetivo.

    Um ponto interessante do game, vem de podermos explorar um mundo inteiramente novo ao nos tornarmos diminuto. Explorando áreas novas e conhecendo mundos ocultos à olho nu. A coleta de Kinstones é outro elemento interessante, mas cansativo. Diria o único. A criação das Kinstones podem garantir itens únicos espalhados pelo mapa como os Heart Pieces, revelar segredos ocultos e mais.

    Minish Cap

    As habilidades de Link podem ser aprendidas ao longo das aventuras, mas tudo que precisamos para avançar, são armas e itens focados na exploração, como o Sapato Pégaso, a Jarra de Vento ou a Bengala de Pacci. Elementos de progressão como armas dos games anteriores também marcam presenças. Desde bombas, o bumerangue e o arco e flecha, tornam nossa progressão divertida e ligeiramente familiar.

    Um dos elementos que fazem de The Minish Cap uma aventura divertida, é a noção que o game causa dos jogadores de estarmos em um mundo ligeiramente conhecido pelos fãs da franquia, mas com uma exploração completamente diferente.

    Diferente de Link ser o herói da Lenda, ele é a única esperança de Hyrule em impedir que o mundo seja destruído por Vaati, o responsável por roubar a Força da Luz.

    VEREDITO

    Com divertidas boss battles e um incrível boss final, cheguei ao fim de uma das mais divertidas aventuras ambientadas no mundo de Zelda. Estrelando o meu top 6 de games de Zelda, me vi emocionado e me questionando “Por que zerei o jogo tão rápido? Deveria ter aproveitado mais.”

    Ao passo em que cheguei ao fim da história deste game querendo mais, entendo que a alternativa mais inteligente seja talvez deva retornar à trilogia jogando Four Swords, também disponível no serviço Nintendo Switch Online. Com uma gameplay honesta, divertida e simples, o game parece tirar o máximo do controle do Game Boy Advance em sua época e continua encantando nos dias de hoje. Sem mistérios, dificuldade justa e um mundo com áreas abertas, ao chegar ao fim, sua alternativa mais inteligente, talvez seja buscar todas as kinstones.

    Com um visual cativante, história honesta e um mundo inteiramente novo a explorar, talvez você ainda não conheça esta Hyrule como deveria conhecer.

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    5 novos jogos de Nintendo Switch para toda a família explorar

    O Nintendo Switch dá as boas-vindas à primavera com seleção incrível de jogos casuais no portátil da Big N. Confira a lista!

    EU CURTO JOGO VÉIO #7 | ‘Congo’s Caper’ é platformer do SNES cheio de personalidade

    Congo's Caper é um game divertido e cheio de desafios. O game foi lançado em 1993 para o Super Nintendo e ganhou uma versão ocidental.

    CRÍTICA: ‘Raccoo Venture’ é platformer brasileiro divertido, que empolga

    Raccoo Venture é game indie Brasileiro que encanta por sua jogabilidade direto ao ponto e sua dificuldade enorme, acima de tudo.

    Star Wars: Outlaws | Revelado trailer narrativo, confira detalhes

    Star Wars: Outlaws ganhou seu primeiro trailer narrativo. O trailer revelou em qual momento da história o game será ambientado e mais!