Início LIVROS Crítica CRÍTICA – Sétimo (2016, André Vianco)

CRÍTICA – Sétimo (2016, André Vianco)

CRÍTICA - Sétimo (2016, André Vianco)

Publicado originalmente em 2002, Sétimo foi relançado em 2016 pela Editora Aleph e é uma continuação direta de Os Sete.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | CRÍTICA – Os Sete (2016, André Vianco)

SINOPSE

Quinhentos anos atrás, sete vampiros foram aprisionados e lançados ao mar em uma caravela portuguesa em direção ao Novo Mundo.

Quando o último deles, o pior entre os malditos, finalmente desperta, ele cria um exército sombrio para vingar-se dos responsáveis pela sua maldição. 

Sétimo, o vampiro-monstro, dá início a um reinado de terror entre humanos e seres das trevas e, com sua liderança impiedosa, prova ser uma criatura mais cruel que o próprio demônio.

ANÁLISE

O segundo livro com as aventuras dos malditos do d’Ouro começa exatamente do ponto em que Os Sete parou, com os gaúchos Thiago e César – com a ainda desacordada Eliana – com o vampiro mais temido e odiado, recém desperto, Sétimo

Com o sucesso do primeiro livro, muitos anos atrás, André Vianco a pedido dos fãs deu continuidade a história de seus personagens gaúchos e de seus vampiros portugueses. 

Aqui temos as descobertas do Novo Muno pelo vampiro que ficou desacordado por meio século. Bem como a saga do Exército Brasileiro na busca por Sétimo e Dom Afonso, também conhecido como Lobo.

Como era de se esperar, temos também a geração atual da linhagem do temido caçador de vampiros Tobia, tão mencionado no livro anterior; que com ajuda de um assassino profissional torna-se o que era destinado a ser.

Sétimo quer criar um exército para se proteger e conquistar, Lobo quer criar uma matilha de vampiros-lobisomens para também se proteger e derrotar Sétimo. O Exército se aprimora e não poupa recursos (e honens) para a caçada, bem como o surgimento de Tobia e seu destino herdado.

VEREDITO

Nas páginas de Sétimo, parece que o autor se perde ao manter a coesão das tramas dado as muitas frentes: o grupo de Sétimo, o grupo de Lobo, o grupo Thiago, o Exército liderado por Brites e a jornada de Tobia.

Em muitos momentos a leitura se torna um pouco mais do mesmo lido no livro anterior e também sem rumo devido a construção dos grupos; e ao fim obviamente, “falta página” para concluir de forma satisfatória todos os personagens.

Com uma conclusão simplória para o vampiro mais temido na face da Terra, o livro Sétimo deixa um gostinho de sangue amargo na boca ao final e a certeza: o que está morto deveria permanecer morto.

O ponto alto da nova edição é sem dúvida a capa ilustrada por Rodrigo Bastos Didier.

Nossa nota

3,0 / 5,0

Autor: André Vianco

Editora: Aleph 

Páginas: 430

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.