Início QUADRINHOS Crítica CRÍTICA | Real – Vol. 1 (2021, Panini)

CRÍTICA | Real – Vol. 1 (2021, Panini)

CRÍTICA | Real - Vol. 1 (2021, Panini)

Real começou sua publicação originalmente em 1999 pela editora Weekly Young Jump e encontra-se em andamento com 15 volumes publicados no Japão. No Brasil o mangá vem sendo publicado pela editora Panini desde julho de 2021 e encontra-se com 5 volumes já publicados.

O mangaká Takehiko Inoue que já é consagrado no Brasil com obras como Slam Dunk (1990-1996) e Vagabond (em hiato), tem com seu novo trabalho sendo considerado o mais notável deles.

SINOPSE

O estudante Tomomi Nomiya larga os estudos após se envolver em um grave acidente que deixa uma garota sem o movimento de suas pernas. Tomomi conhece, então, Kiyoharu Togawa, um estudante que joga basquete em cadeira de rodas e carrega muita mágoa em seu coração. Hisanobu Takahashi é o capitão do time de basquete do colégio e vive seus dias de forma fútil, até que algo inesperado muda completamente a sua vida. Em comum: a paixão pelo basquete.

ANÁLISE

Em Real, Takehiko Inoue conta uma história onde ele já conhece muito bem o gênero, o basquete, mas que dessa vez o mesmo vai além da exploração do esporte convencional e explora o basquete em cadeira de rodas de maneira brilhante.

Nesse primeiro volume, Inoue apresenta os três protagonistas de forma bastante dinâmica e estabelecendo a personalidade de cada um deles explorando o passado e o presente até que a paixão pelo basquete una-os de maneira cômica ou trágica.

Aqui, o mangaká continua fantástico ao construir personagens absurdamente humanos, mas que ao longo da trama evoluem de maneira positiva. O mesmo, realizou esse desenvolvimento de forma excepcional em Slam Dunk e Vagabond.

Além disso, a maneira que a trama explora a deficiência e o basquete em cadeira de rodas é tão criativa e humana que apenas no primeiro volume já dar para ter uma ideia de como todo a trama ira ser desenvolvida.

Juntamente da trama que é envolvente, outro destaque vai para a arte de Takehiko Inoue que segue sensacional seja com seu traço minucioso na anatomia ou mesmo nas partidas de basquete que transmitem perfeitamente a velocidade empolgante de uma partida de basquetebol em cadeira de rodas.

Seja em uma batalha intensa entre dois espadachins em Vagabond, ou em um final de partida de basquete sobre rodas, em Real, a arte segué fenomenal e extremamente detalhista.

Um mangá em constante evolução

Definitivamente, Inoue continua evoluindo em sua arte e em escrever uma história empolgante e de superação. Dessa forma, não importa onde a história seja construída; seja no Japão feudal ou em uma quadra de basquete, seu conteúdo será sempre de alta qualidade.

O trabalho de Takehiko Inoue é tão magnifico que o mesmo tem uma obsessão pela perfeição na arte e no desenvolver da trama.

VEREDITO

Real é um excelente mangá de esporte e explora a deficiência física e o basquete em cadeira de rodas de forma sensacional. Mostrando as adversidades e superação constante desses atletas.

Além disso, a obra abre um leque de possibilidade para outras obras esportivas serem publicadas em nosso país. Visto que até pouco tempo as editoras não se arriscaram em publicar o gênero esportivo por supostamente não ter um público que não tem interesse.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Autor: Takehiko Inoue

Editora: Panini

Páginas: 224

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA – A Vingança das Juanas (1ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoCRÍTICA – Maya e os 3 Guerreiros (Minisserie, 2021, Netflix)
Eu sou apenas um rapaz latino-americano que curte quadrinhos, games, livros e cinema.