CRÍTICA – A Saga Completa de Martha Washington no Século XXI (2021, Devir)

    Enquanto Frank Miller é conhecido por seu trabalho com Batman Cavaleiro das Trevas, Dave Gibbons é conhecido pelo aclamado Watchmen e juntos, a dupla criou uma personagem bastante diferente do padrão do mundo dos quadrinhos: Soldado, guerreira e exploradora. Martha Washington estreou em 1990, na minissérie Grito de Liberdade; publicada pela editora Dark Horse.

    No Brasil, a editora Devir irá lançar no dia 10 de abril o volume único A Saga Completa de Martha Washington no Século XXI, que contém:

    • Liberdade;
    • Martha Washington Vai à Guerra;

    Ambas publicadas anteriormente no Brasil pela Editora Globo e pela Mythos Editora, e ainda as histórias inéditas:

    • Feliz Aniversário Martha Washington;
    • Martha Washington Perdida no Espaço;
    • Martha Washington Salva o Mundo e
    • A Morte de Martha Washington.

    Curiosidade: A primeira história de A Saga Completa de Martha Washington no Século XXI, intitulada Liberdade, ganhou o prêmio Eisner de Melhor Minissérie em 1991.

    ANÁLISE

    Martha, uma mulher negra, possui esse nome propositalmente, pois esse é o nome da esposa do primeiro presidente norte americano, o George Washington.

    Nossa personagem em questão, nasceu em 1995 em um Estados Unidos fascista, governado pelo presidente Rexall que teve a ideia de uma mente ditadora de construir conjuntos habitacionais para os mais pobres, que na verdade são prisões.

    Crescendo em meio a regras controladoras do então ditador, Martha é testemunha das ações dos oprimidos tentando sobreviver nesta selva de pedra e vidro, enquanto mostra uma incrível aptidão na programação.

    Não sei o que os outros pensam, mas, quanto a mim, dê-me a liberdade ou dê-me a morte.” – Patrick Henry (1775)

    Martha é internada em um hospital psiquiátrico, após mais uma decisão do Rexall, ela é despejada deste local. Para sobreviver, resolve se alistar a P.A.X., um exército norte americano que procura estabelecer a paz, portanto, enquanto é soldado dessas forças é transferida para a floresta Amazônica onde conhece seu arqui-inimigo, o Moretti.

    Diversos pontos da história desse quadrinho são terrivelmente semelhantes aos acontecimentos reais do meio político e seus desdobramentos, né? Sim, Martha Washington é uma obra política e por pura coincidência Frank Miller conseguiu prever o que aconteceria no futuro.

    Portanto, nossa protagonista luta contra sádicos, como, por exemplo, um cientista que acredita que a criminalidade é uma doença presente em pessoas que devem ser exterminadas através de suas mãos, pois, assim o mundo será purificado. Parece com alguém?

    Toda essa trajetória de Martha inclui temas como a intervenção do governo estadunidense em outros países, genocídios, a opressão contra minorias e muitos outros que foram muito bem inseridos dentro desse universo. Que aliás, podemos adentrar neste universo com exatidão por causa da riqueza de elementos e ilustrações coloridas de forma impressionante; com bastante qualidade e cores vibrantes, a obra consegue passar o real sentimento do caos, pois, é assim que o mundo está: um caos.

    Todo nosso universo… É só um grão de poeira ao sabor dos ventos. E é uma ventania danada.” – Martha Washington

    Nesta coletânea publicada pela Devir, você pode conferir histórias longas, curtas e até a edição especial do aniversário de Martha, e um tocante encontro em homenagem a lenda Jack Kirby.

    VEREDITO

    Uma coletânea perfeita para colecionadores de histórias fascinantes, que conta com ilustrações fantásticas, além de possuir extras que valem muito a pena, como por exemplo: rascunhos dos primeiros traços, curiosidades, etc. 

    Além disso, Martha passa uma mensagem importante, com sua mente brilhante, sua força, coração grandioso e sem o menor resquício de pena para tiranos, consegue incentivar você que às vezes está se sentindo perdido, com desânimo no corpo ou até mesmo sem esperança. Ela diz para você lutar e resistir em meio ao caos.

    E quando você pensar que não consegue, lembre-se das palavras de Martha Washington:

    Quando a situação apertar, como agora, repita para si mesma: Isso não vai me matar. Não vou morrer aqui. Isso não vai me matar.”

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Autor: Frank Miller

    Arte: Dave Gibbons

    Editora: Devir

    Páginas: 600

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    Betty Ross: De namorada do Hulk à Harpia Vermelha

    Betty Ross é conhecida como o amor de Bruce Banner, mas tornou-se a Harpia, mais tarde a Mulher-Hulk Vermelha e finalmente a Harpia Vermelha.

    O Capuz: Quem é o vilão da série Coração de Ferro?

    Conheça Parker Robbins, um bandido comum que ao encontrar um manto e um par de botas místicos, tornou-se O Capuz!

    Johanna Constantine: Quem é a personagem de Sandman?

    Criada por Neil Gaiman, a personagem Lady Johanna Constantine está presente nas HQs de Sandman e agora na série da Netflix inspirada na obra.

    Alto Evolucionário: Quem é o vilão de Guardiões da Galáxia Vol. 3?

    Alto Evolucionário foi criado por Stan Lee e Jack Kirby, estreou na HQ Thor #134 - Os Criadores de Pessoas, publicada em novembro de 1966.