Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Alice in Borderland (1ª temporada, 2020, Netflix)

CRÍTICA – Alice in Borderland (1ª temporada, 2020, Netflix)

Alice in Borderland é uma série que adapta o mangá japonês homónimo lançado em 2010 e que foi concluído em 2016. Ela está disponível na Netflix.

SINOPSE

Três amigos causam uma confusão no centro de Tóquio e se escondem no banheiro de um metrô, pois estão fugindo da polícia. Todavia, ao sair de lá, veem que todos sumiram e agora eles devem lutar por suas vidas em jogos de vida ou morte.

ANÁLISE

Alice in Borderland é uma mistura interessante de Jogos Mortais e Escape Room, filmes com puzzles que tem como intuito a sobrevivência.

Com muita inventividade nos jogos e excelentes personagens, a série se destaca muito pelo excelente roteiro e direção, uma vez que soube trabalhar muito bem sua trama.

Começando pelos personagens: tanto o protagonista, quanto seu grupo de amigos e competidores são inteligentes e estrategistas, algumas exceções que servem apenas de tutorial humano não se destacam dos demais. Cada um tem uma estratégia e mostra características críveis, pois são levados ao extremo. Não nos sentimos enganados pelo bom mocismo e caráter ilibado de ninguém, visto que mesmo os mocinhos tem atitudes controversas. 

A trama, por sua vez, mesmo que tenha uma premissa simples, nos deixa ligados por conta da direção que sabe mexer as peças do tabuleiro. No momento em que a série mostra que vai cair num marasmo completo, a direção e roteiro inserem novos elementos que retém nossa atenção. 

A paleta de cores também é algo que chama a atenção, pois em momentos de tensão, a direção utiliza tons azulados ou pastéis. Já em momentos de calmaria ou êxtase, são utilizados tons mais vivos, com muito vermelho e amarelo, nos dando uma falsa percepção de que as coisas estão bem, algo que também se passa pelos próprios personagens em tela.

MAS NEM TUDO É UMA MARAVILHA EM BORDERLAND

Contudo, as pequenas falhas da direção e roteiro saltam aos olhos em alguns momentos. Por exemplo, quando o CGI é usado, fica evidente a falta de técnica com a tecnologia, uma vez que o recurso fica muito artificial em tela.

Além disso, o roteiro se explica demais, deixando um pouco a desejar no aspecto de pensar que o espectador não chegará as devidas conclusões sozinho, afinal, por mais incríveis que sejam os jogos, eles são bem simples de entender em alguns momentos e o que fica no nosso imaginário é tão interessante quanto o que aparece em tela.

Todavia, se isto não atrapalhar a sua experiência como não atrapalhou a minha, temos aqui uma das melhores séries originais da Netflix em 2020.

VEREDITO

Com um roteiro e direção ousados e muita criatividade, Alice in Borderland é uma série incrível e uma grata surpresa no catálogo original da Netflix.

Com bons personagens, excelente roteiro e uma direção competente, já estamos ansiosos pela sua segunda temporada. Espero que Alice in Borderland mantenha a qualidade lá no alto agora que sabemos que ela existe!

Nossa nota

4,5 / 5,0

Confira o trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – A Festa de Formatura (2020, Ryan Murphy)
Próximo artigoCRÍTICA – Morbid: The Seven Acolytes (2020, Merge Games)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.