Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – DP Dog Day (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – DP Dog Day (1ª temporada, 2021, Netflix)

A série sul-coreana, DP Dog Day é uma produção original da Netflix que tem conquistado bastante público, até mesmo aqueles que faziam cara feia para dramas coreanos.

Criado por Han Jun-hee e Kim Bo-Tong, DP Dog Day tem um olhar mais crítico sobre a lei militar e seus desdobramentos.

SINOPSE

Devido o seu comportamento, o recente alistado Ahn Jun Ho (Jung Haein) , é convidado a integrar a unidade especial no quartel, cujo objetivo é capturar desertores para serem punidos.

Ao longo das tentativas de completar as missões, Ahn Jun Ho e seus companheiros percebem que existem muitas questões bem mais complexas do que fugir da obrigação militar.

ANÁLISE

Para quem não sabe, na Coreia do Sul existe o Artigo 3° que é a lei onde especifica que todo homem fisicamente apto, com idade entre 18 e 28, deve cumprir alistamento militar nas Forças Armadas por dois anos.

Esta obrigação, e seu sistema, que DP Dog Day quer criticar, com uma excelente direção, a produção começa com um tom mais leve, mostrando algumas cenas engraçadas e até divertidas, com soldados que não são tão preparados assim para ter que lutar e capturar alguém.

Algumas cenas são bem feitas, com lutas coreografadas para passar mais realidade em seus movimentos orgânicos, um ponto positivo da direção. No decorrer da trama, questões mais violentas são introduzidas deixando o tom mais pesado sem exagerar na explicação, mudando a realidade da narrativa que se iniciou de forma mais leve e descontraída.

Um dos destaques de DP Dog Day, o personagem Ahn Jun Ho possui problemas nos laços afetivos, por isso, precisa estar mais presente na rotina da sua família, mas o alistamento tira da sua necessidade com aqueles que ama por dois anos, concentrando um bom ar dramático a ele.

Mesmo ciente que não pode ajudar seus familiares, tenta cumprir com as tarefas e respeitar ordens que por muitas vezes são completamente absurdas.

Com cenas que alternam entre colapsos agressivos e outras onde demonstra sua empatia, o ator Jung Haein consegue entregar uma atuação perfeita, um trabalho muito convincente em passar a visão do personagem principal, umas das escolhas mais acertadas.

Porém, não está sozinho, destaque para Koo Kyo Hwan, Seong-gyoon Kim e por último e não menos importante, Cho Hyun Chul, que atuam excelentemente bem, conseguindo transpassar a agonia de acarretar ordens abusivas, lidar com problemas pessoais enquanto a mente sofre as consequências de tanta pressão.

Com ótimo trabalho de roteiro, DP Dog Day consegue girar em torno de vários problemas sem ficar confuso ou ter muita informação.

Mostrando o quanto, diversos homens precisam realizar seus sonhos e dar prosseguimento a projetos, mas se sentem com a vida roubada por ter que se alistar.

A série original da Netflix, também critica outro problema comum não apenas nos militares sul-coreanos como nos brasileiros, sendo a questão do assédio moral e abuso de poder no quartel, focando em vários personagens que cometem ou são vítimas de constantes agressões humilhações muito violentas.

Muitos só enxergam a fuga das forças armadas como alternativa para superar tantos problemas, que sabem que seus superiores não estão preocupados em resolver, principalmente, quando envolve soldado com família abastada e fluente.

VEREDITO

A dupla Han Jun-hee e Kim Bo-Tong, fez um trabalho magnífico na direção e criação de roteiro que aborda com uma crítica exemplar, assuntos como: a lei de serviço militar, assédio, abuso de poder, masculinidade violenta e desigualdade social.

Seus esforços e sucesso também foram notadas na escalação de um elenco que passa toda a dramaturgia dos problemas de forma muito convincente.

Nossa nota

5,0/5,0

Confira o trailer de DP Dog Day:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Esticando a Festa (2021, Stephen Herek)
Próximo artigoCRÍTICA – Madden NFL 22 (2021, EA Sports)
Carioca do interior, imigrante em BH que ama desenhar e apreciadora de cerveja de buteco, que luta para não falar "uai" e não falar muito mas acaba falhando; tipo agora.